Poster do agregador

Em 1.277 dias como presidente, Bolsonaro deu 5.665 declarações falsas ou distorcidas

Esta base agrega todas as declarações de Bolsonaro feitas a partir do dia de sua posse como presidente. As checagens são feitas pela equipe do Aos Fatos semanalmente.

Atualizado em 01 de Julho, 2022


Número de afirmações sobre




As três afirmações mais repetidas

REPETIDA 210 VEZES

Em 2019: 15.dez, 23.dez, 24.dez, 26.dez. Em 2020: 10.jan, 06.fev, 20.fev, 03.mar, 09.mar, 16.mar, 20.mar, 22.abr, 28.abr, 05.mai, 22.mai, 28.mai, 26.jul, 30.jul, 02.ago, 13.ago, 07.out, 08.out, 11.out, 15.out, 22.out, 29.out, 09.nov, 25.nov, 29.nov, 08.dez, 10.dez, 15.dez, 19.dez, 24.dez, 31.dez. Em 2021: 07.jan, 11.jan, 12.jan, 15.jan, 18.jan, 08.fev, 11.fev, 20.fev, 04.mar, 07.abr, 27.abr, 05.mai, 08.mai, 11.mai, 13.mai, 10.jun, 15.jun, 18.jun, 21.jun, 24.jun, 25.jun, 07.jul, 12.jul, 13.jul, 18.jul, 19.jul, 21.jul, 22.jul, 26.jul, 27.jul, 29.jul, 31.jul, 02.ago, 04.ago, 05.ago, 06.ago, 17.ago, 19.ago, 23.ago, 24.ago, 25.ago, 28.ago, 30.ago, 31.ago, 09.set, 10.set, 15.set, 17.set, 21.set, 23.set, 24.set, 30.set, 09.out, 13.out, 14.out, 18.out, 20.out, 21.out, 24.out, 25.out, 27.out, 07.nov, 09.nov, 10.nov, 19.nov, 22.nov, 23.nov, 25.nov, 26.nov, 02.dez, 07.dez, 09.dez, 10.dez, 15.dez, 19.dez, 27.dez, 30.dez, 31.dez. Em 2022: 06.jan, 12.jan, 20.jan, 31.jan, 02.fev, 07.fev, 09.fev, 10.fev, 11.fev, 12.fev, 16.fev, 18.fev, 21.fev, 23.fev, 24.fev, 25.fev, 28.fev, 04.mar, 07.mar, 16.mar, 21.mar, 22.mar, 23.mar, 27.mar, 04.abr, 08.abr, 11.abr, 12.abr, 15.abr, 05.mai, 12.mai, 30.mai, 02.jun, 08.jun, 15.jun, 18.jun, 24.jun.

“E no mais, também é obrigação um governo que não roube, um governo que não seja corrupto. Estamos deixando pra trás este momento triste da nossa história.”

O presidente sugere que não há corrupção em sua gestão, o que é falso, porque integrantes e ex-integrantes de seu governo são alvos de investigações e denúncias de casos de corrupção e outros delitos ligados à administração pública. Em junho de 2022, a Polícia Federal prendeu preventivamente o ex-ministro Milton Ribeiro, por suposto envolvimento em um esquema de liberação de verbas do MEC (Ministério da Educação). Ribeiro é investigado por prevaricação, advocacia administrativa e tráfico de influência. Em 23 de junho, o magistrado Ney Bello, do TRF1 (Tribunal Regional Federal da 1ª Região), concedeu habeas corpus e Ribeiro foi libertado. Além disso, o relatório da CPI da Covid-19 no Senado pediu o indiciamento de Bolsonaro e seis ministros e ex-ministros por prevaricação, emprego irregular de verbas públicas, falsificação de documento particular, charlatanismo, crime contra a humanidade, crime de responsabilidade e epidemia com resultado de morte — pedido que não seguido pelo procurador-geral da República, Augusto Aras, que possui a competência exclusiva de apresentar denúncias à Justiça contra o presidente da República e seus auxiliares de primeiro escalão. Aras foi escolhido para o cargo por Bolsonaro e teve o nome chancelado pelo próprio Senado. Outros agentes do governo também foram indiciados por envolvimento em um suposto esquema para a compra da vacina indiana Covaxin. Por fim, atuais e antigos integrantes do governo são investigados pela Polícia Federal ou pelo Ministério Público por suspeitas de corrupção, como o ministro-chefe da Casa Civil, Ciro Nogueira (PP); Ricardo Salles (PL), ex-titular do Meio Ambiente; o deputado federal Marcelo Álvaro Antônio (PL), que comandou a pasta do Turismo; e Fabio Wajngarten, que chefiou a Secom (Secretaria Especial de Comunicação Social).

REPETIDA 131 VEZES

Em 2020: 09.abr, 11.abr, 16.abr, 18.abr, 29.abr, 30.abr, 02.mai, 07.mai, 14.mai, 19.mai, 20.mai, 21.mai, 22.mai, 26.mai, 28.mai, 02.jun, 03.jun, 04.jun, 08.jun, 09.jun, 11.jun, 15.jun, 18.jun, 19.jun, 25.jun, 07.jul, 09.jul, 16.jul, 18.jul, 06.ago, 13.ago, 24.ago, 25.ago, 03.set, 16.set, 22.set, 24.set, 09.out, 19.out, 09.nov, 10.dez, 19.dez, 24.dez, 31.dez. Em 2021: 07.jan, 14.jan, 15.jan, 21.jan, 04.fev, 02.mar, 03.mar, 04.mar, 10.mar, 21.jul, 22.jul, 28.jul, 29.jul, 02.ago, 04.ago, 05.set, 15.set, 27.set, 09.out, 14.out, 31.out, 23.nov, 25.nov, 26.nov, 02.dez, 07.dez, 08.dez, 11.dez, 19.dez. Em 2022: 12.jan, 14.jan, 31.jan, 02.fev, 08.fev, 09.fev, 11.fev, 25.fev, 17.mar, 21.mar, 12.abr, 28.abr, 13.mai, 16.mai, 19.mai.

“Lamentavelmente, a condução da pandemia foi tirada da minha mesa presidencial.”

Bolsonaro repete o argumento de que o STF (Supremo Tribunal Federal) teria limitado a sua atuação durante a pandemia de Covid-19, o que é FALSO, porque a corte não eximiu a Presidência da República de atuar contra a disseminação da doença. O STF decidiu, na verdade, que prefeitos e governadores têm legitimidade para tomar medidas locais de restrição de circulação e que não cabe ao Poder Executivo Federal derrubar essas iniciativas. Segundo os ministros, o governo federal pode, sim, adotar medidas para conter a pandemia em casos de abrangência nacional, como fez ao determinar o fechamento de fronteiras terrestres. Ainda de acordo com o STF, seria função da Presidência, por exemplo, coordenar as diretrizes de isolamento a serem seguidas em todo o país. Os estados, por sua vez, não teriam legitimidade para fechar rodovias, prejudicando o abastecimento nacional. Em um dos julgamentos, o ministro Edson Fachin destacou que a ausência de legislação por parte do governo federal também obriga que os estados atuem localmente: "A União exerce a sua prerrogativa sempre, desde que veicule uma norma que organize essa cooperação federativa. No silêncio da legislação federal, estados e municípios têm presunção de atuação. Na ausência de manifestação legislativa, não se pode tolher o exercício da competência dos demais entes federativos".

REPETIDA 108 VEZES

Em 2020: 10.set, 16.set, 22.set, 08.out, 11.out, 14.out, 19.out, 27.out, 11.nov, 16.nov, 17.nov, 27.nov, 15.dez, 24.dez. Em 2021: 14.jan, 15.jan, 27.jan, 28.jan, 03.fev, 04.fev, 05.fev, 08.fev, 11.fev, 12.fev, 19.fev, 20.fev, 22.fev, 23.fev, 26.fev, 03.mar, 04.mar, 10.mar, 18.mar, 22.mar, 23.mar, 25.mar, 31.mar, 01.abr, 05.abr, 07.abr, 15.abr, 23.abr, 26.abr, 20.mai, 23.mai, 01.jun, 02.jun, 10.jun, 12.jun, 18.jun, 25.jun, 26.jun, 28.jun, 19.jul, 20.jul, 21.jul, 29.jul, 30.jul, 31.jul, 06.ago, 12.ago, 17.ago, 23.ago, 25.ago, 26.ago, 28.ago, 30.ago, 02.set, 10.set, 21.set, 29.set, 30.set, 07.out, 14.out, 21.out, 26.out, 27.out, 07.nov, 11.nov, 25.nov, 02.dez, 07.dez, 09.dez, 17.dez, 27.dez. Em 2022: 02.fev, 28.fev, 07.mar, 12.mar, 08.abr, 11.abr, 12.abr, 16.abr, 28.abr, 05.mai, 12.mai, 13.mai, 17.mai.

“Disse que deveríamos combater o vírus, mas também combater o desemprego.”

De fato, desde o início, o presidente tem destacado que a pandemia traria dois problemas ao Brasil, um de saúde pública e um econômico, e que os dois deveriam ser tratados simultaneamente. Em levantamento feito nas redes, Aos Fatos encontrou declarações do tipo ao menos desde o dia 15 de março de 2020, data de uma entrevista à CNN Brasil. O presidente, porém, não tratou as duas questões com o mesmo peso, já que, desde o início da crise, tem minimizado os efeitos da Covid-19. Em diversas entrevistas e declarações públicas, Bolsonaro relacionou a doença a uma “gripezinha” e chegou a dizer, em discurso realizado no dia 18 de setembro de 2020, que o isolamento social seria “conversinha mole” e que as medidas de restrição de circulação seriam para “os fracos”. Durante a pandemia, o presidente também desrespeitou recomendações sanitárias ao causar aglomerações e circular sem equipamento de proteção e se posicionou contra as vacinas, única forma conhecida de atenuar os riscos da doença. A declaração, portanto, foi classificada como FALSA.

Explore as afirmações

Filtros

Por tema

Por origem

Ordenar por

30.jun.2022

“E a quantidade de carteira assinada é a maior da história do Brasil. ”

O presidente confunde os dados divulgados pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) no dia da gravação da live. Segundo a última PNAD (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios) Contínua, o Brasil atingiu o maior número absoluto de pessoas ocupadas desde a série histórica iniciada em 2012: 97,5 milhões de pessoas. Esse número, no entanto, não representa apenas a população com carteira assinada, mas também empregados sem carteira e informais. Além disso, o número total de pessoas ocupadas não é a estatística mais correta para se falar em número recorde de pessoas empregadas, uma vez que a população brasileira cresce anualmente. O correto, portanto, seria utilizar a taxa de ocupação, que leva em consideração o número de pessoas na força de trabalho. De acordo com o IBGE, o Brasil possui hoje um nível de ocupação de 55,2%, o segundo maior do governo Bolsonaro — no quarto trimestre de 2019, o percentual foi de 56,5%.

FONTE ORIGEM

Tema: Economia. Origem: Live

30.jun.2022

“Garantiram pra nós a nossa segurança alimentar. E para o mundo, mais de 1 bilhão de pessoas vivem do que se planta aqui no Brasil.”

Estudo da Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária) publicado em março de 2021 aponta que, na verdade, a produção e a exportação de grãos e de carne bovina brasileira foi responsável pela alimentação de 772,6 milhões de pessoas em todo o mundo em 2020, o que corresponde a cerca de 10,5% da população mundial — é falso, portanto, que o Brasil alimenta 1 bilhão de pessoas, como disse o presidente. Descontados os 212,3 milhões de brasileiros, os autores do estudo concluem que 560,3 milhões de cidadãos de outros países se beneficiam dos alimentos produzidos no Brasil. Os dados são ligeiramente superiores aos estimados pela FAO (Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura), que apontou um total de 628,2 milhões de pessoas alimentadas, aos do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos, que calculou 625 milhões, e aos do IGC (International Grains Council), que indicou um total de 636,9 milhões de pessoas.

FONTE ORIGEM

REPETIDA 19 VEZES. Em 2021: 06.mar, 15.mai, 10.set, 17.set, 21.set, 22.set, 23.set, 01.nov, 15.nov, 16.nov. Em 2022: 17.mar, 23.mar, 19.abr, 29.abr, 11.mai, 10.jun, 30.jun.

Tema: Economia. Origem: Discurso

30.jun.2022

“Quando estou em Minas eu pergunto para os meus colegas: vocês têm metrô em Belo Horizonte? Eles falam não. Mas em Caracas, na Venezuela, tem metrô, com dinheiro nosso, brasileiro.”

Para criticar a atuação do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) durante os governos petistas, Bolsonaro cita a obra do metrô de Caracas, iniciada pela Odebrecht em 2001 com financiamento inicial de US$ 107,5 milhões obtido do banco. Em comparação, o presidente afirma que Belo Horizonte não teria linha de metrô. Isso, no entanto, é falso. De acordo com a CBTU (Companhia Brasileira de Trens Urbanos), a capital mineira possui uma linha de metrô com 19 estações e 28,1 km de extensão.

FONTE ORIGEM

REPETIDA 7 VEZES. Em 2022: 04.abr, 15.mai, 07.jun, 17.jun, 19.jun, 30.jun.

Tema: Economia, Relações internacionais. Origem: Discurso

30.jun.2022

“Ninguém tem terras agricultáveis como nós temos.”

A declaração é FALSA, porque o Brasil não ocupa o primeiro lugar no ranking de países com maior extensão de terras agricultáveis nem em termos de área total nem de porcentagem do território. De acordo com dados de 2018 do Banco Mundial, o país com maior área agricultável total é a China, que destina 5,28 milhões de km² para a prática . Em seguida vêm os Estados Unidos, com 4 milhões de km², e a Austrália, com 3,5 milhões de km². O Brasil aparece na quarta colocação, com 2,3 milhões de km². Já ao considerarmos a proporção de terras em relação à extensão total, o país que ocupa a primeira colocação é a Arábia Saudita, com 80,8% da área total composta por terras agricultáveis. Aparecem abaixo no ranking países como o Uruguai (80,1%), a África do Sul (79,4%) e o Marrocos (67,4%). O Brasil figura apenas na 136ª posição, com 28,3% do território destinado à agricultura.

FONTE ORIGEM

REPETIDA 2 VEZES. Em 2021: 24.jun. Em 2022: 30.jun.

Tema: Economia. Origem: Discurso

30.jun.2022

“Ou [ninguém tem] como nossa biodiversidade.”

Ainda que figure nas primeiras colocações no ranking de biodiversidade elaborado pela Convenção de Diversidade Biológica da ONU (Organização das Nações Unidas), o Brasil não ocupa o topo da lista. Com Índice Nacional de Biodiversidade de 0,877, o Brasil fica na quarta posição, atrás da Indonésia (1,0), da Colômbia (0,935) e do México (0,928).

FONTE ORIGEM

REPETIDA 4 VEZES. Em 2021: 14.abr, 22.abr, 01.nov. Em 2022: 30.jun.

Tema: Meio ambiente. Origem: Discurso

30.jun.2022

“Aqueles que falam que o nosso governo não tinha sensibilidade com os mais humildes, só em 2020, nós gastamos com o auxílio emergencial o equivalente a 15 anos de Bolsa Família.”

É falso que o governo federal tenha gastado o equivalente a 15 anos do Bolsa Família com o pagamento do auxílio emergencial no primeiro ano de pandemia. De acordo com dados do Ministério da Cidadania, foram despendidos com o Bolsa Família entre 2005 e 2019 R$ 434,1 bilhões, em valores corrigidos pela inflação. Já dados do Tesouro Transparente indicam que o governo Bolsonaro pagou R$ 293,1 bilhões de auxílio emergencial em 2020.

FONTE ORIGEM

REPETIDA 7 VEZES. Em 2022: 16.mai, 06.jun, 15.jun, 26.jun, 27.jun, 28.jun, 30.jun.

Tema: Coronavírus, Economia. Origem: Discurso

30.jun.2022

“Terminamos 2020 com um pequeno saldo positivo de carteira assinada.”

Bolsonaro faz referência aos dados de emprego formal do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados) e a declaração é falsa, porque as estatísticas foram revisadas ao longo de 2021. No fim de 2020, o Ministério da Economia havia divulgado que o Brasil havia gerado 142.600 vagas de trabalho com carteira assinada. Após ajustes com números entregues fora do prazo, o saldo caiu para 75,9 mil. Revisados novamente em novembro de 2021, os dados do Caged passaram a apontar o fechamento de 191.500 postos de trabalho em 2020.

FONTE ORIGEM

REPETIDA 32 VEZES. Em 2022: 06.jan, 10.jan, 17.jan, 28.jan, 02.fev, 23.fev, 25.fev, 07.mar, 08.mar, 12.mar, 14.mar, 16.mar, 17.mar, 21.mar, 25.mar, 31.mar, 08.abr, 11.abr, 12.abr, 16.abr, 29.abr, 13.mai, 16.mai, 19.mai, 08.jun, 13.jun, 26.jun, 30.jun.

Tema: Economia. Origem: Discurso

30.jun.2022

“Foram criados quase 3 milhões de novos empregos.”

Segundo os dados do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados), divulgados pelo Ministério do Trabalho e Previdência, foram geradas 2.730.597 vagas de trabalho no mercado formal em 2021. Em 2020, no entanto, não houve saldo positivo: foram fechados 191.500 postos de trabalho. No total, foram criados 2,5 milhões de empregos, um número menor do que o citado por Bolsonaro.

FONTE ORIGEM

REPETIDA 3 VEZES. Em 2022: 19.jun, 30.jun.

Tema: Economia. Origem: Discurso

28.jun.2022

“Gastamos em 2020 o equivalente a 15 anos de Bolsa Família [com o auxílio emergencial].”

É falso que o governo federal tenha gastado o equivalente a 15 anos do Bolsa Família com o pagamento do auxílio emergencial no primeiro ano de pandemia. De acordo com dados do Ministério da Cidadania, foram despendidos com o Bolsa Família entre 2005 e 2019 R$ 434,1 bilhões, em valores corrigidos pela inflação. Já dados do Tesouro Transparente indicam que o governo Bolsonaro pagou R$ 293,1 bilhões de auxílio emergencial em 2020.

FONTE ORIGEM

REPETIDA 7 VEZES. Em 2022: 16.mai, 06.jun, 15.jun, 26.jun, 27.jun, 28.jun, 30.jun.

Tema: Coronavírus, Economia. Origem: Discurso

28.jun.2022

“E com um detalhe: quem conseguir emprego não perde o Auxílio Brasil. No passado, perdia o Bolsa Famílía.”

É falso que beneficiários do Bolsa Família que entravam para o mercado formal perdessem o direito ao auxílio. Segundo explica o próprio Ministério da Cidadania em sua página oficial, o principal critério para a participação no programa era a renda familiar, que não poderia exceder R$ 89 mensais por pessoa ou entre R$ 89 e R$ 178 em caso de famílias com crianças entre 0 e 17 anos. A família só perdia o direito ao benefício caso sua renda com o novo emprego formal excedesse o total estipulado pelo programa. Nesse caso, os beneficiários ainda eram incluídos na regra de permanência, em que recebiam o auxílio por mais dois anos caso seus rendimentos não ultrapassassem meio salário mínimo. No caso do Auxílio Brasil, têm direito os que recebem até R$ 210 por pessoa, independentemente de estarem integrados ou não ao mercado formal. Caso o beneficiário seja contratado com carteira assinada enquanto integra o programa, ele tem direito a um bônus de R$ 200 por dois anos.

FONTE ORIGEM

REPETIDA 3 VEZES. Em 2022: 19.mai, 24.jun, 28.jun.

Tema: Direitos e Assistência Social. Origem: Discurso

28.jun.2022

“O nosso governo criou também o Pix.”

Apesar de ter sido lançado em novembro de 2020, durante a gestão de Jair Bolsonaro, o Pix começou a ser estudado pelo Banco Central em 2016 e teve suas principais diretrizes definidas em 2018, ainda durante a gestão de Michel Temer (MDB). Em dezembro de 2016, o então presidente da instituição, Ilan Goldfajn, afirmou à imprensa que o BC se preparava para lançar uma ferramenta inspirada no Zelle, modelo de pagamentos instantâneos anunciado por uma fintech dos EUA. Ainda em 2016, servidores do banco produziram um relatório sobre os possíveis benefícios desse tipo de sistema, que passou a ser mais discutido ao longo de 2017. Por fim, em maio de 2018, foi instituído um grupo de trabalho chamado "Pagamentos Instantâneos", que estabeleceu as principais diretrizes para o que viria a ser o Pix. Posteriormente, já no início do governo Bolsonaro, foram realizados processos técnicos de desenvolvimento de sistema e criação da marca, segundo nota enviada pelo Banco Central ao UOL.

FONTE ORIGEM

REPETIDA 4 VEZES. Em 2022: 05.mai, 17.mai, 30.mai, 28.jun.

Tema: Economia. Origem: Discurso

28.jun.2022

“E olha a vantagem: vocês não pagam nada por isso [Pix]. Porque não existe tarifa no Pix.”

É imprecisa a afirmação de Bolsonaro de que usuários do Pix não pagam taxas. No caso de pessoas físicas, MEIs ou EIs, o envio de Pix não é tarifado, mas é possível que haja cobranças no recebimento no caso de operações de compra e venda e prestação de serviços. Enquadram-se nesses casos pessoas que receberam mais de 30 Pix por mês, receberam valores por QR Code dinâmico ou receberam Pix de outras empresas. Uma operação também é considerada comercial quando a conta bancária a que se destina o valor foi cadastrada como exclusivamente comercial. Já no caso de pessoas jurídicas, tanto o envio como o recebimento de Pix podem ser tarifados. A cobrança das tarifas pode ser livremente definida pelas instituições financeiras.

FONTE ORIGEM

REPETIDA 12 VEZES. Em 2022: 16.fev, 23.fev, 24.fev, 07.mar, 10.mar, 04.abr, 11.abr, 28.abr, 29.abr, 10.jun, 13.jun, 28.jun.

Tema: Economia. Origem: Discurso

28.jun.2022

“Nós perdoamos 99% da sua dívida [do Fies].”

Bolsonaro faz referência à MP 1.090/2021, posteriormente transformada na lei 14.375, que permite a renegociação dos débitos de estudantes inadimplentes que aderiram ao Fies (Fundo de Financiamento Estudantil) até o segundo semestre de 2017. O presidente, no entanto, é impreciso na declaração, pois os descontos de 99% são aplicados apenas aos que estão inadimplentes há mais de 360 dias e recebem benefícios sociais do governo, que correspondem, segundo cálculo do MEC (Ministério da Educação), a cerca de 17% dos 1 milhão de jovens que podem ser impactados pela medida. Os estudantes que têm débitos vencidos há mais de 90 dias da publicação da medida terão desconto de 12% no pagamento das mensalidades. Já os que possuem dívidas não quitadas há mais de 360 dias recebem descontos a partir de 77%%. Devedores nessa categoria que integrem o Cadastro Único ou tenham recebido o Auxílio Emergencial em 2021 terão abatimento ainda maior, de 99%. Juros e multas serão perdoados e o prazo de pagamento é de até 150 meses. De acordo com informações enviadas pelo FNDE (Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação) ao Poder 360, cerca de 1,09 milhão de estudantes foram beneficiados pela medida.

FONTE ORIGEM

REPETIDA 8 VEZES. Em 2022: 29.abr, 05.mai, 12.mai, 14.mai, 30.mai, 24.jun, 28.jun.

Tema: Economia, Educação. Origem: Discurso

27.jun.2022

“O auxílio emergencial em 2015, 2020, equivaleu a 15 anos de Bolsa Família.”

É falso que o governo federal tenha gastado o equivalente a 15 anos do Bolsa Família com o pagamento do auxílio emergencial no primeiro ano de pandemia. De acordo com dados do Ministério da Cidadania, foram despendidos com o Bolsa Família entre 2005 e 2019 R$ 434,1 bilhões, em valores corrigidos pela inflação. Já dados do Tesouro Transparente indicam que o governo Bolsonaro pagou R$ 293,1 bilhões de auxílio emergencial em 2020.

FONTE ORIGEM

REPETIDA 7 VEZES. Em 2022: 16.mai, 06.jun, 15.jun, 26.jun, 27.jun, 28.jun, 30.jun.

Tema: Coronavírus, Economia. Origem: Outros

27.jun.2022

“Em 2014, nós conseguimos essa chegada de informações ao TSE por ocasião das apurações. E a apuração começa com o Aécio lá em cima, Dilma embaixo. Rapidamente, as linhas se cruzam e daí transformam-se em paralelas. Nessas paralelas, nós temos a filmagem, 241 minutos. Então você compartilha um minuto a minuto, né? E depois que as linhas se cruzaram então a Dilma estava na frente. Aí de minuto a minuto, nesse minuto a Dilma ganhava, o Aécio perdia, no segundo invertia. E por 248, 241 vezes acontecia isso.”

Bolsonaro afirma que Dilma Rousseff (PT) e Aécio Neves (PSDB) teriam se revezado mais de 240 vezes na primeira posição durante a apuração de votos das eleições de 2014. Essa troca na liderança não aconteceu, de acordo com o TSE (Tribunal Superior Eleitoral). A apuração minuto a minuto daquele pleito mostra que Aécio estava na frente no início da totalização de votos. Depois, ao longo da contagem, a diferença entre o tucano e a petista cai progressivamente. O gráfico de porcentagem de votos dos dois candidatos se cruza em apenas uma ocasião, às 19h31, quando Dilma registra 49,98% dos votos válidos e Aécio, 50,02%. A partir desse ponto, a petista sobe, registrando ao fim da apuração, às 2h13, 51,64% dos votos válidos. O gráfico mostrado por Bolsonaro na live é o mesmo que foi mostrado em um vídeo publicado por Naomi Yamaguchi, suplente de deputada federal pelo PSL. Ela mostrou uma tabela na qual, supostamente, o índice de aceleração do crescimento dos votos dos dois candidatos ficaria se intercalando por 240 minutos, e que seria baixa a probabilidade desse fenômeno ocorrer. Conrado Gouvêa, doutor em Ciência da Computação pela Unicamp (Universidade Estadual de Campinas) e especialista em Segurança da Informação, analisou a tabela apresentada por Yamaguchi e mostrou que foi usada uma fórmula errada para fazer a análise dos votos. De acordo com Leandro Tessler, pesquisador do departamento de Física da Unicamp, o autor da tabela forjou uma fórmula para que os resultados indicassem a alternância, não importando o número de votos que cada candidato tivesse naquele minuto. Gouvêa, inclusive, inseriu dados aleatórios e o resultado foi o mesmo.

FONTE ORIGEM

REPETIDA 11 VEZES. Em 2021: 09.jul, 18.jul, 21.jul, 22.jul, 26.jul, 28.jul, 29.jul, 31.jul. Em 2022: 26.jun, 27.jun.

Tema: Eleições. Origem: Entrevista

Topo

Usamos cookies e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade. Ao continuar navegando, você concordará com estas condições.