Poster do agregador

Em 1.277 dias como presidente, Bolsonaro deu 5.665 declarações falsas ou distorcidas

Esta base agrega todas as declarações de Bolsonaro feitas a partir do dia de sua posse como presidente. As checagens são feitas pela equipe do Aos Fatos semanalmente.

Atualizado em 01 de Julho, 2022


Número de afirmações sobre




As três afirmações mais repetidas

REPETIDA 210 VEZES

Em 2019: 15.dez, 23.dez, 24.dez, 26.dez. Em 2020: 10.jan, 06.fev, 20.fev, 03.mar, 09.mar, 16.mar, 20.mar, 22.abr, 28.abr, 05.mai, 22.mai, 28.mai, 26.jul, 30.jul, 02.ago, 13.ago, 07.out, 08.out, 11.out, 15.out, 22.out, 29.out, 09.nov, 25.nov, 29.nov, 08.dez, 10.dez, 15.dez, 19.dez, 24.dez, 31.dez. Em 2021: 07.jan, 11.jan, 12.jan, 15.jan, 18.jan, 08.fev, 11.fev, 20.fev, 04.mar, 07.abr, 27.abr, 05.mai, 08.mai, 11.mai, 13.mai, 10.jun, 15.jun, 18.jun, 21.jun, 24.jun, 25.jun, 07.jul, 12.jul, 13.jul, 18.jul, 19.jul, 21.jul, 22.jul, 26.jul, 27.jul, 29.jul, 31.jul, 02.ago, 04.ago, 05.ago, 06.ago, 17.ago, 19.ago, 23.ago, 24.ago, 25.ago, 28.ago, 30.ago, 31.ago, 09.set, 10.set, 15.set, 17.set, 21.set, 23.set, 24.set, 30.set, 09.out, 13.out, 14.out, 18.out, 20.out, 21.out, 24.out, 25.out, 27.out, 07.nov, 09.nov, 10.nov, 19.nov, 22.nov, 23.nov, 25.nov, 26.nov, 02.dez, 07.dez, 09.dez, 10.dez, 15.dez, 19.dez, 27.dez, 30.dez, 31.dez. Em 2022: 06.jan, 12.jan, 20.jan, 31.jan, 02.fev, 07.fev, 09.fev, 10.fev, 11.fev, 12.fev, 16.fev, 18.fev, 21.fev, 23.fev, 24.fev, 25.fev, 28.fev, 04.mar, 07.mar, 16.mar, 21.mar, 22.mar, 23.mar, 27.mar, 04.abr, 08.abr, 11.abr, 12.abr, 15.abr, 05.mai, 12.mai, 30.mai, 02.jun, 08.jun, 15.jun, 18.jun, 24.jun.

“E no mais, também é obrigação um governo que não roube, um governo que não seja corrupto. Estamos deixando pra trás este momento triste da nossa história.”

O presidente sugere que não há corrupção em sua gestão, o que é falso, porque integrantes e ex-integrantes de seu governo são alvos de investigações e denúncias de casos de corrupção e outros delitos ligados à administração pública. Em junho de 2022, a Polícia Federal prendeu preventivamente o ex-ministro Milton Ribeiro, por suposto envolvimento em um esquema de liberação de verbas do MEC (Ministério da Educação). Ribeiro é investigado por prevaricação, advocacia administrativa e tráfico de influência. Em 23 de junho, o magistrado Ney Bello, do TRF1 (Tribunal Regional Federal da 1ª Região), concedeu habeas corpus e Ribeiro foi libertado. Além disso, o relatório da CPI da Covid-19 no Senado pediu o indiciamento de Bolsonaro e seis ministros e ex-ministros por prevaricação, emprego irregular de verbas públicas, falsificação de documento particular, charlatanismo, crime contra a humanidade, crime de responsabilidade e epidemia com resultado de morte — pedido que não seguido pelo procurador-geral da República, Augusto Aras, que possui a competência exclusiva de apresentar denúncias à Justiça contra o presidente da República e seus auxiliares de primeiro escalão. Aras foi escolhido para o cargo por Bolsonaro e teve o nome chancelado pelo próprio Senado. Outros agentes do governo também foram indiciados por envolvimento em um suposto esquema para a compra da vacina indiana Covaxin. Por fim, atuais e antigos integrantes do governo são investigados pela Polícia Federal ou pelo Ministério Público por suspeitas de corrupção, como o ministro-chefe da Casa Civil, Ciro Nogueira (PP); Ricardo Salles (PL), ex-titular do Meio Ambiente; o deputado federal Marcelo Álvaro Antônio (PL), que comandou a pasta do Turismo; e Fabio Wajngarten, que chefiou a Secom (Secretaria Especial de Comunicação Social).

REPETIDA 131 VEZES

Em 2020: 09.abr, 11.abr, 16.abr, 18.abr, 29.abr, 30.abr, 02.mai, 07.mai, 14.mai, 19.mai, 20.mai, 21.mai, 22.mai, 26.mai, 28.mai, 02.jun, 03.jun, 04.jun, 08.jun, 09.jun, 11.jun, 15.jun, 18.jun, 19.jun, 25.jun, 07.jul, 09.jul, 16.jul, 18.jul, 06.ago, 13.ago, 24.ago, 25.ago, 03.set, 16.set, 22.set, 24.set, 09.out, 19.out, 09.nov, 10.dez, 19.dez, 24.dez, 31.dez. Em 2021: 07.jan, 14.jan, 15.jan, 21.jan, 04.fev, 02.mar, 03.mar, 04.mar, 10.mar, 21.jul, 22.jul, 28.jul, 29.jul, 02.ago, 04.ago, 05.set, 15.set, 27.set, 09.out, 14.out, 31.out, 23.nov, 25.nov, 26.nov, 02.dez, 07.dez, 08.dez, 11.dez, 19.dez. Em 2022: 12.jan, 14.jan, 31.jan, 02.fev, 08.fev, 09.fev, 11.fev, 25.fev, 17.mar, 21.mar, 12.abr, 28.abr, 13.mai, 16.mai, 19.mai.

“Lamentavelmente, a condução da pandemia foi tirada da minha mesa presidencial.”

Bolsonaro repete o argumento de que o STF (Supremo Tribunal Federal) teria limitado a sua atuação durante a pandemia de Covid-19, o que é FALSO, porque a corte não eximiu a Presidência da República de atuar contra a disseminação da doença. O STF decidiu, na verdade, que prefeitos e governadores têm legitimidade para tomar medidas locais de restrição de circulação e que não cabe ao Poder Executivo Federal derrubar essas iniciativas. Segundo os ministros, o governo federal pode, sim, adotar medidas para conter a pandemia em casos de abrangência nacional, como fez ao determinar o fechamento de fronteiras terrestres. Ainda de acordo com o STF, seria função da Presidência, por exemplo, coordenar as diretrizes de isolamento a serem seguidas em todo o país. Os estados, por sua vez, não teriam legitimidade para fechar rodovias, prejudicando o abastecimento nacional. Em um dos julgamentos, o ministro Edson Fachin destacou que a ausência de legislação por parte do governo federal também obriga que os estados atuem localmente: "A União exerce a sua prerrogativa sempre, desde que veicule uma norma que organize essa cooperação federativa. No silêncio da legislação federal, estados e municípios têm presunção de atuação. Na ausência de manifestação legislativa, não se pode tolher o exercício da competência dos demais entes federativos".

REPETIDA 108 VEZES

Em 2020: 10.set, 16.set, 22.set, 08.out, 11.out, 14.out, 19.out, 27.out, 11.nov, 16.nov, 17.nov, 27.nov, 15.dez, 24.dez. Em 2021: 14.jan, 15.jan, 27.jan, 28.jan, 03.fev, 04.fev, 05.fev, 08.fev, 11.fev, 12.fev, 19.fev, 20.fev, 22.fev, 23.fev, 26.fev, 03.mar, 04.mar, 10.mar, 18.mar, 22.mar, 23.mar, 25.mar, 31.mar, 01.abr, 05.abr, 07.abr, 15.abr, 23.abr, 26.abr, 20.mai, 23.mai, 01.jun, 02.jun, 10.jun, 12.jun, 18.jun, 25.jun, 26.jun, 28.jun, 19.jul, 20.jul, 21.jul, 29.jul, 30.jul, 31.jul, 06.ago, 12.ago, 17.ago, 23.ago, 25.ago, 26.ago, 28.ago, 30.ago, 02.set, 10.set, 21.set, 29.set, 30.set, 07.out, 14.out, 21.out, 26.out, 27.out, 07.nov, 11.nov, 25.nov, 02.dez, 07.dez, 09.dez, 17.dez, 27.dez. Em 2022: 02.fev, 28.fev, 07.mar, 12.mar, 08.abr, 11.abr, 12.abr, 16.abr, 28.abr, 05.mai, 12.mai, 13.mai, 17.mai.

“Disse que deveríamos combater o vírus, mas também combater o desemprego.”

De fato, desde o início, o presidente tem destacado que a pandemia traria dois problemas ao Brasil, um de saúde pública e um econômico, e que os dois deveriam ser tratados simultaneamente. Em levantamento feito nas redes, Aos Fatos encontrou declarações do tipo ao menos desde o dia 15 de março de 2020, data de uma entrevista à CNN Brasil. O presidente, porém, não tratou as duas questões com o mesmo peso, já que, desde o início da crise, tem minimizado os efeitos da Covid-19. Em diversas entrevistas e declarações públicas, Bolsonaro relacionou a doença a uma “gripezinha” e chegou a dizer, em discurso realizado no dia 18 de setembro de 2020, que o isolamento social seria “conversinha mole” e que as medidas de restrição de circulação seriam para “os fracos”. Durante a pandemia, o presidente também desrespeitou recomendações sanitárias ao causar aglomerações e circular sem equipamento de proteção e se posicionou contra as vacinas, única forma conhecida de atenuar os riscos da doença. A declaração, portanto, foi classificada como FALSA.

Explore as afirmações

Filtros

Por tema

Por origem

Ordenar por

24.jun.2022

“E no mais, também é obrigação um governo que não roube, um governo que não seja corrupto. Estamos deixando pra trás este momento triste da nossa história.”

O presidente sugere que não há corrupção em sua gestão, o que é falso, porque integrantes e ex-integrantes de seu governo são alvos de investigações e denúncias de casos de corrupção e outros delitos ligados à administração pública. Em junho de 2022, a Polícia Federal prendeu preventivamente o ex-ministro Milton Ribeiro, por suposto envolvimento em um esquema de liberação de verbas do MEC (Ministério da Educação). Ribeiro é investigado por prevaricação, advocacia administrativa e tráfico de influência. Em 23 de junho, o magistrado Ney Bello, do TRF1 (Tribunal Regional Federal da 1ª Região), concedeu habeas corpus e Ribeiro foi libertado. Além disso, o relatório da CPI da Covid-19 no Senado pediu o indiciamento de Bolsonaro e seis ministros e ex-ministros por prevaricação, emprego irregular de verbas públicas, falsificação de documento particular, charlatanismo, crime contra a humanidade, crime de responsabilidade e epidemia com resultado de morte — pedido que não seguido pelo procurador-geral da República, Augusto Aras, que possui a competência exclusiva de apresentar denúncias à Justiça contra o presidente da República e seus auxiliares de primeiro escalão. Aras foi escolhido para o cargo por Bolsonaro e teve o nome chancelado pelo próprio Senado. Outros agentes do governo também foram indiciados por envolvimento em um suposto esquema para a compra da vacina indiana Covaxin. Por fim, atuais e antigos integrantes do governo são investigados pela Polícia Federal ou pelo Ministério Público por suspeitas de corrupção, como o ministro-chefe da Casa Civil, Ciro Nogueira (PP); Ricardo Salles (PL), ex-titular do Meio Ambiente; o deputado federal Marcelo Álvaro Antônio (PL), que comandou a pasta do Turismo; e Fabio Wajngarten, que chefiou a Secom (Secretaria Especial de Comunicação Social).

FONTE ORIGEM

REPETIDA 210 VEZES. Em 2019: 15.dez, 23.dez, 24.dez, 26.dez. Em 2020: 10.jan, 06.fev, 20.fev, 03.mar, 09.mar, 16.mar, 20.mar, 22.abr, 28.abr, 05.mai, 22.mai, 28.mai, 26.jul, 30.jul, 02.ago, 13.ago, 07.out, 08.out, 11.out, 15.out, 22.out, 29.out, 09.nov, 25.nov, 29.nov, 08.dez, 10.dez, 15.dez, 19.dez, 24.dez, 31.dez. Em 2021: 07.jan, 11.jan, 12.jan, 15.jan, 18.jan, 08.fev, 11.fev, 20.fev, 04.mar, 07.abr, 27.abr, 05.mai, 08.mai, 11.mai, 13.mai, 10.jun, 15.jun, 18.jun, 21.jun, 24.jun, 25.jun, 07.jul, 12.jul, 13.jul, 18.jul, 19.jul, 21.jul, 22.jul, 26.jul, 27.jul, 29.jul, 31.jul, 02.ago, 04.ago, 05.ago, 06.ago, 17.ago, 19.ago, 23.ago, 24.ago, 25.ago, 28.ago, 30.ago, 31.ago, 09.set, 10.set, 15.set, 17.set, 21.set, 23.set, 24.set, 30.set, 09.out, 13.out, 14.out, 18.out, 20.out, 21.out, 24.out, 25.out, 27.out, 07.nov, 09.nov, 10.nov, 19.nov, 22.nov, 23.nov, 25.nov, 26.nov, 02.dez, 07.dez, 09.dez, 10.dez, 15.dez, 19.dez, 27.dez, 30.dez, 31.dez. Em 2022: 06.jan, 12.jan, 20.jan, 31.jan, 02.fev, 07.fev, 09.fev, 10.fev, 11.fev, 12.fev, 16.fev, 18.fev, 21.fev, 23.fev, 24.fev, 25.fev, 28.fev, 04.mar, 07.mar, 16.mar, 21.mar, 22.mar, 23.mar, 27.mar, 04.abr, 08.abr, 11.abr, 12.abr, 15.abr, 05.mai, 12.mai, 30.mai, 02.jun, 08.jun, 15.jun, 18.jun, 24.jun.

Tema: Corrupção. Origem: Discurso

23.jun.2022

“Na Venezuela, não tem mais cães e gatos. Comeram tudo.”

Para criticar o regime venezuelano, o presidente costuma afirmar que, devido à crise econômica, os cidadãos já teriam comido todos os gatos e cachorros do país. A alegação, no entanto, é falsa, e deriva de uma frase que passou a circular nas redes em 2016. À época, sites brasileiros e internacionais repercutiram uma fala do então prefeito da cidade de Chacao, Ramón Muchacho, opositor ao regime de Nicolás Maduro, que afirmou que "há pessoas 'caçando' gatos e cachorros nas ruas, e pombas nas praças, para comê-los". O político, no entanto, não generalizou a situação nem afirmou que todos os animais haviam sido extirpados do país. Há, inclusive, ONGs na Venezuela que trabalham com o resgate de animais, que têm sido abandonados com grande frequência dada a escalada da crise econômica. Um exemplo é a South American Initiative, que detalha em sua página ações recentes de acolhimento a cachorros abandonados.

FONTE ORIGEM

REPETIDA 20 VEZES. Em 2021: 15.jan, 18.jan, 21.jan, 12.jul, 21.jul, 22.jul, 26.jul, 31.jul, 05.ago, 09.ago, 12.ago, 27.out. Em 2022: 20.jan, 26.jan, 03.fev, 25.mar, 01.jun, 07.jun, 23.jun.

Tema: Ideologia. Origem: Outros

23.jun.2022

“Quando criou-se o Foro de São Paulo em 1990 eram vários partidos comunistas, entre eles, não é partido, as Farc.”

Não há nenhum registro de participação das Farc (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia) nos encontros de fundação do Foro de São Paulo, nem documentos de filiação à organização, de acordo com o livro “Foro de São Paulo: Construindo a Integração Latinoamericana e Caribenha”, de Roberto Regalado e Valter Pomar. A Colômbia já foi representada no grupo por dois partidos: o Partido Comunista Colombiano e a União Patriótica. Há, porém, indícios que apontam para a participação de ao menos um membro da guerrilha em um dos encontros do Foro, em 1996, em El Salvador. Isso, no entanto, não prova que o grupo tenha integrado a organização, mesmo como convidada. Em 2003, Raul Reyes, considerado porta-voz e “número 2” das Farc, disse em entrevista à Folha de S.Paulo ter se encontrado com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) na edição do Foro em San Salvador. Em 2008, ao comentar a morte de Reyes em um bombardeio na selva equatoriana, o então presidente da Venezuela, Hugo Chávez, também afirmou tê-lo conhecido durante o evento em El Salvador. Ao comentar sobre o caso, no entanto, Chávez erra o ano do evento e aponta que os fatos se passaram em 1995, e não em 1996.

FONTE ORIGEM

REPETIDA 4 VEZES. Em 2019: 21.mar, 21.out, 11.nov. Em 2022: 23.jun.

Tema: Ideologia. Origem: Outros

23.jun.2022

“E daí então a Camex zerou o imposto de importação [de veleiros], que era bastante alto, em torno de 80%.”

Ao comentar a decisão do Gecex (Comitê-Executivo de Gestão) de novembro de 2021 que zerou os impostos de importação de veleiros, Bolsonaro afirma que as taxas cobradas anteriormente correspondiam a 80% do valor do produto, o que é falso. Antes da inclusão na Lista de Exceções à Tarifa Externa Comum do Mercosul, incidiam sobre os veículos impostos de 20%.

FONTE ORIGEM

Tema: Economia. Origem: Live

23.jun.2022

“Você deve lembrar, 2014, 2015, tivemos uma recessão no Brasil. Perdeu-se 3 milhões de empregos com carteira assinada.”

É falso que o Brasil tenha perdido 3 milhões de empregos formais entre 2014 e 2015, como aponta o presidente. De acordo com dados do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados), o saldo de carteiras assinadas em 2014 e 2015 foi, respectivamente, de +420 mil e -1,54 milhão. Isso significa que, ao longo dos dois anos, foram perdidos 1,1 milhão de empregos formais, e não 3 milhões.

FONTE ORIGEM

REPETIDA 3 VEZES. Em 2022: 19.jun, 23.jun, 26.jun.

Tema: Economia. Origem: Live

23.jun.2022

“A proposta do Rodrigo Maia quando começou a Covid era cortar 25% (...) do salário de todo mundo. Depois eu fiz a contraproposta: congela por um ano e meio.”

Bolsonaro distorce o conteúdo de uma proposta apresentada em março de 2020 pelo deputado Carlos Sampaio (PSDB-SP) que previa uma redução escalonada nos salários dos servidores para mitigar o impacto nos cofres públicos das medidas adotadas durante a pandemia de Covid-19. Para os que ganhavam até R$ 5 mil, não haveria redução; para os que recebiam até R$ 10 mil, haveria corte de 10%; já para os que ganhavam mais de R$ 10 mil, a diminuição ficaria na casa dos 20% aos 50%. A redução teria duração inicial de três meses, podendo ser prorrogada por mais três. A proposta foi citada pelo ex-presidente da Câmara, Rodrigo Maia, em entrevista à GloboNews em março daquele ano, ocasião em que o parlamentar defendeu que Executivo, Legislativo e Judiciário dessem sua "contribuição" durante o período da pandemia. Em maio de 2020, Executivo e Legislativo optaram pelo congelamento dos salários do funcionalismo público até dezembro de 2021.

FONTE ORIGEM

REPETIDA 16 VEZES. Em 2020: 16.abr, 07.mai, 21.mai, 22.mai. Em 2022: 08.jan, 31.jan, 08.fev, 16.abr, 19.mai, 30.mai, 15.jun, 19.jun, 23.jun, 26.jun.

Tema: Congresso, Coronavírus. Origem: Outros

23.jun.2022

“Deu a crise da Covid. Gastamos 700 bilhões só naquele ano.”

O presidente se refere ao valor gasto pelo governo federal em 2020, primeiro ano da pandemia de Covid-19 no Brasil. De acordo com dados do Tesouro Transparente, plataforma de monitoramento de gastos do governo federal, foi despendida até o mês de dezembro de 2020 uma soma de R$ 524 bilhões com a aquisição de insumos, o auxílio financeiro a estados e municípios, o auxílio emergencial e outros programas de transferência de renda, entre outros. O valor não chega ao citado por Bolsonaro nem se considerarmos os gastos previstos e não executados: esses totalizaram R$ 604,7 bilhões.

FONTE ORIGEM

REPETIDA 18 VEZES. Em 2021: 15.jun, 05.set, 14.out, 15.out, 08.nov, 25.nov, 11.dez. Em 2022: 14.jan, 03.fev, 08.fev, 09.fev, 11.fev, 18.fev, 25.mar, 14.abr, 16.abr, 24.mai, 23.jun.

Tema: Coronavírus, Economia. Origem: Outros

22.jun.2022

“O desmatamento em Terras Indígenas da Amazônia Legal teve queda de 33,46 % entre 2019 e 2021, segundo dados do Projeto de Monitoramento do Desmatamento na Amazônia Legal por Satélite (PRODES) do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais.”

Ainda que a área desmatada em terras indígenas tenha de fato decrescido nos anos de 2020 e 2021, Bolsonaro omite que em seu primeiro ano de governo os números haviam mais que dobrado em relação ao governo anterior. Em 2018, último ano de Michel Temer (MDB) na Presidência, o incremento no desmatamento em terras indígenas foi de 180,6 km², segundo dados do Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais). Em 2019, primeiro ano de Bolsonaro, o número saltou para 423,8 km² — o maior desde 2004, no governo de Luís Inácio Lula da Silva (PT). Já em 2020, a área desmatada foi um pouco menor, de 326 km², e, em 2021, de 312 km². O índice de desmatamento de 2021 é 26,4% menor em relação ao de 2019. Os 312 km² desmatados em 2021 superam os maiores índices registrados nos governos de Temer (180,59 km²) e Dilma Rousseff (95,28 km²), mas ficam abaixo dos 471,76 km² alcançados durante o primeiro mandato de Lula, em 2004.

FONTE ORIGEM

Tema: Indígenas e quilombolas, Meio ambiente. Origem: Telegram

22.jun.2022

“Agora, nós tínhamos como resolver isso, estamos tentando com o Parlamento, não tive sucesso nos primeiros dois anos dado a ligação do ex-presidente da Câmara com a esquerda, que chama-se regularização fundiária. Ou seja, o satélite nosso que nós temos agora você tem como identificar o foco de calor. Identificou o foco de calor aqui? Você sabe o CPF do dono daquela propriedade. Então você vai saber se aquele foco de calor é permitido ou não.”

Bolsonaro sugere que o projeto de lei 2.633/2020, que trata da regularização fundiária, permitiria a órgãos de fiscalização determinar a origem de focos de incêndio e responsabilizar os culpados, o que não é amparado por documentos oficiais. O texto, na verdade, amplia o tamanho das propriedades que podem ser regularizadas sem vistoria prévia e prevê que essas terras passem a ser vistoriadas caso a propriedade seja alvo de termo de embargo ou de infração ambiental, lavrado pelo órgão ambiental federal. Apesar de o projeto definir parâmetros de respeito ao meio ambiente para a regularização de terras, não é possível afirmar que a legislação ajudaria a identificar autores de crimes ambientais. Para ambientalistas e o Ministério Público, o texto faz justamente o contrário: legitima a grilagem e facilita a regularização de terras desmatadas. A proposta foi apresentada em maio de 2020 para substituir a Medida Provisória 910, que tratava do mesmo tema, e caducou por não ter sido votada pelo Congresso.

FONTE ORIGEM

REPETIDA 22 VEZES. Em 2020: 03.set, 22.set, 19.nov, 10.dez, 17.dez, 24.dez. Em 2021: 15.jan, 21.jan, 08.fev, 22.abr, 23.abr, 01.nov, 19.nov. Em 2022: 31.jan, 23.fev, 11.abr, 12.abr, 16.abr, 13.jun, 22.jun.

Tema: Congresso, Meio ambiente. Origem: Entrevista

22.jun.2022

“Pode ser uma fogueira de São João [o incêndio].”

Bolsonaro argumentava que os satélites que fazem o monitoramento de incêndios do Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais) identificariam qualquer ponto de fogo como foco de incêndio, incluindo "fogueiras de São João", o que poderia resultar em uma supernotificação de queimadas no Brasil. Diferentemente do que afirma o presidente, no entanto, não é qualquer fogueira que pode ser detectada. Contatado pelo Aos Fatos, o pesquisador do programa Queimadas Alberto Setzer afirmou que os satélites só detectam focos de incêndio com mais de 30 metros de extensão — este, portanto, teria de ser o tamanho mínimo da fogueira vista como ponto de queimada nos dados de monitoramento. Também não há dados que comprovem que os focos de incêndio registrados pelo instituto se tratem de fogueiras.

FONTE ORIGEM

REPETIDA 7 VEZES. Em 2020: 03.set, 19.nov. Em 2021: 09.dez. Em 2022: 11.abr, 12.abr, 16.abr, 22.jun.

Tema: Meio ambiente. Origem: Entrevista

22.jun.2022

“Passou a pagar diretamente a Opas pra eles [médicos cubanos], onde 80% da grana ia pra Cuba.”

É fato que o governo cubano recebia uma porcentagem do salário dos médicos integrantes do programa Mais Médicos, mas não é possível determinar o montante exato. Declarações públicas do ministro da Saúde do governo Dilma Rousseff, Arthur Chioro, e documentos apensados a processos judiciais de médicos cubanos indicam que era em torno de 70% do valor da bolsa recebida pelos profissionais. Não há, no entanto, informações oficiais públicas sobre qual era de fato a porcentagem. Aos Fatos, em checagem anterior, entrou em contato com o Ministério da Saúde e com a embaixada de Cuba, mas não recebeu respostas sobre os repasses feitos ao governo.

FONTE ORIGEM

REPETIDA 8 VEZES. Em 2019: 27.mar, 24.set. Em 2021: 13.jul, 22.jul, 17.ago, 10.set. Em 2022: 18.abr, 22.jun.

Tema: Saúde. Origem: Entrevista

20.jun.2022

“Três universidades não fecharam: uma conhecida como Academia Militar das Agulhas Negras, outra, Escola Naval outra, academia da Força Aérea.”

Ao comentar sobre a interrupção das aulas durante a pandemia de Covid-19, Bolsonaro cita academias militares como exemplos de instituições que não interromperam suas atividades. Isso, no entanto, é falso, porque as três academias informadas suspenderam suas aulas em 2020 devido a surtos da doença entre alunos ou por decisão judicial. No dia 8 de maio de 2020, a Academia Militar das Agulhas Negras suspendeu as aulas por um mês após a confirmação de 25 casos de Covid-19 entre cadetes e militares. Caso semelhante também ocorreu na Escola Preparatória de Cadetes do Ar (chamada de Academia da Força Aérea), que instituiu férias de um mês após o registro de nove casos de infecção entre alunos. Já a Escola de Aprendizes-Marinheiros (chamada de Escola Naval) foi fechada por decisão judicial no dia 25 de maio do mesmo ano, após mandado de segurança impetrado por grupos sindicais.

FONTE ORIGEM

REPETIDA 18 VEZES. Em 2020: 20.ago, 04.set. Em 2021: 01.jul, 26.jul, 07.out. Em 2022: 16.abr, 28.abr, 03.mai, 05.mai, 11.mai, 13.mai, 15.mai, 27.mai, 30.mai, 13.jun, 19.jun, 20.jun.

Tema: Coronavírus, Forças Armadas. Origem: Discurso

20.jun.2022

“Na prova do Pisa, que é uma prova internacional de aprendizado do estudante, nós estamos em últimos lugares, onde três disciplinas são cobradas; matemática, ciência e interpretação de texto. ”

Diferentemente do que afirma Bolsonaro, o Brasil não ocupa as últimas posições no ranking geral do Pisa, programa internacional de avaliação de estudantes realizado pela OCDE (Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico). Na última edição da prova, em 2018, que teve a participação de 79 países, o país alcançou a 58ª-60ª posição em Leitura (considerando a margem de erro da média de pontos), a 72ª-74ª em Matemática e a 66ª-68ª em Ciências, o que o levou à 57ª colocação no ranking geral.

FONTE ORIGEM

REPETIDA 13 VEZES. Em 2021: 25.out, 27.out, 09.nov, 10.nov, 22.nov, 23.nov. Em 2022: 12.jan, 11.fev, 16.mar, 31.mar, 02.jun, 18.jun, 20.jun.

Tema: Educação. Origem: Discurso

19.jun.2022

“E depois o cara [empurrador de carrinho na Ceagesp] pagava propina de R$ 160 por mês.”

Bolsonaro se refere a uma ação adotada pelo presidente da Ceagesp (Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo), Mello Araújo, em novembro de 2020, que permitiu que carrinhos de carregadores permanecessem no galpão do entreposto de forma gratuita. Antes, era cobrada uma taxa de R$ 60 mensais. Como o valor citado por Bolsonaro é 166% maior que o real, a declaração foi considerada falsa. Vale ressaltar que se tratava de uma taxa oficial e que não há no comunicado da Ceagesp qualquer menção à especulação de que os valores pagos eram repassados para agentes políticos em Brasília.

FONTE ORIGEM

REPETIDA 5 VEZES. Em 2021: 11.fev. Em 2022: 07.fev, 25.abr, 15.jun, 19.jun.

Tema: Corrupção. Origem: Outros

19.jun.2022

“Concluímos a extensão do aeroporto [de Foz do Iguaçu], 600 metros, uma obra gigantesca. Já pousam aviões de fora do Brasil. Porque o cara se hospeda agora em Foz do Iguaçu e não mais na Argentina e no Paraguai.”

Ao comentar sobre as obras custeadas com recursos da Itaipu Binacional, Bolsonaro afirma mais uma vez que a extensão da pista do Aeroporto Internacional de Foz do Iguaçu, inaugurada em abril de 2021 com recursos da estatal, teria permitido que o aeroporto passasse a receber voos internacionais. Isso, no entanto, é impreciso. Em nota ao Aos Fatos, a Infraero (Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária) confirmou que voos vindos de outros países, como Argentina, Bolívia, Chile e Peru, já eram operados antes da inauguração. O que não havia era a possibilidade de voos internacionais de longo curso, vindos da América Central, da América do Norte e de países europeus, por exemplo, chegarem à cidade porque requerem aeronaves de grande porte. "Com isso, companhias aéreas com rotas de longo alcance para América do Sul, tendo como destino final Foz do Iguaçu, tinham, necessariamente, que pousar em países vizinhos. Em Puerto Iguazú, na Argentina, eram comuns voos vindos de Madri (Espanha), por exemplo, por conta do tamanho da pista. As cidades ficam aproximadamente 15 quilômetros distantes uma da outra", diz um trecho da nota.

FONTE ORIGEM

REPETIDA 25 VEZES. Em 2021: 22.jul, 27.jul, 28.jul, 29.jul, 05.ago, 12.ago, 17.ago, 25.ago, 27.out, 07.nov, 25.nov, 07.dez, 09.dez. Em 2022: 27.jan, 31.jan, 22.fev, 07.mar, 16.mar, 21.mar, 12.abr, 02.jun, 15.jun, 19.jun.

Tema: Infraestrutura. Origem: Outros

Topo

Usamos cookies e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade. Ao continuar navegando, você concordará com estas condições.