Vídeo engana ao sugerir que vacina AstraZeneca com rótulo diferente é falsificação

Por Luiz Fernando Menezes

14 de junho de 2021, 13h02

Em um vídeo que circula nas redes, um homem sugere que a vacina apresentada a ele no posto de vacinação seria falsificada porque no frasco não consta o nome da farmacêutica AstraZeneca, mas isso é falso (veja aqui). A vacina mostrada nas imagens é autêntica, tendo sido apenas armazenada na embalagem de Bio-Manguinhos, unidade da Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz) que desenvolve e fabrica o imunizante no Brasil.

Peças que trazem a desinformação contavam com ao menos 7.000 compartilhamentos no Facebook nesta segunda-feira (14) e foram marcadas com o selo FALSO na ferramenta de verificação da plataforma (veja como funciona).


Tão aplicando [vacina da Covid-19] aqui sem nome, isso aí tá por fora. Tem que ser o certo! Nós temos que brigar pelo nosso direito.

Circula nas redes sociais um vídeo em que um homem sugere que houve falsificação após notar que a vacina que receberia não tinha no rótulo o nome da farmacêutica AstraZeneca, apesar de ter sido apresentada assim pela equipe do posto de vacinação. As imagens mostram, na realidade, uma confusão, não uma fraude.

Em dado momento da gravação, os funcionários do posto mostram ao homem uma caixa onde estão guardados frascos da vacina que ele recusou por pensar que eram falsificadas. Nas embalagens, é possível ver o logotipo de Bio-Manguinhos, unidade da Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz) que produz no Brasil os imunizantes da AstraZeneca. Logo, o fármaco que aparece no vídeo é, sim, autêntico.

“Tanto o frasco quanto a caixa mostradas ao indivíduo [no vídeo] foram da vacina produzida em Bio-Manguinhos/Fiocruz – cujo rótulo é ‘Vacina COVID-19 (recombinante)’”, informou a instituição ao Aos Fatos.

A Fiocruz explicou ainda que, além do mostrado no vídeo, a vacina AstraZeneca tem diversos outros rótulos, pois é fabricada em diferentes laboratórios. Veja abaixo três embalagens que, segundo a instituição, contêm o imunizante em uso no Brasil.


Rótulos. Exemplos de embalagens do imunizante Oxford/AstraZeneca.

Aos Fatos verificou que o vídeo foi gravado em 8 de junho no porto de Santos (SP). Na ocasião, estavam sendo vacinados os trabalhadores portuários com idade entre 30 e 59 anos. Em nota, a Prefeitura de Santos também negou que a vacina mostrada no vídeo seja falsa e alertou que “a veiculação de vídeos e informações equivocadas acerca da Covid-19 e dos imunizantes contra a doença contribui para desinformar e confundir a população”.

Referências:

1. Fiocruz
2. Prefeitura de Santos


De acordo com nossos esforços para alcançar mais pessoas com informação verificada, Aos Fatos libera esta reportagem para livre republicação com atribuição de crédito e link para este site.

Usamos cookies e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade. Ao continuar navegando, você concordará com estas condições.