TJ-RJ marca retomada de audiência sobre queixa-crime contra Aos Fatos para novembro

Compartilhe

Iniciada nesta quarta-feira (23), a audiência de instrução e julgamento da queixa-crime movida contra o Aos Fatos — e usada como instrumento de intimidação, segundo entidades de defesa do jornalismo — teve sua continuação marcada para o dia 8 de novembro.

O Jornal da Cidade Online, que é alvo de investigações no STF (Supremo Tribunal Federal) e no TSE (Tribunal Superior Eleitoral), acusa a diretora executiva do Aos Fatos, Tai Nalon, de difamação e concorrência desleal por uma reportagem que expõe a divulgação e a monetização de notícias falsas pelo site.

A audiência na 41ª Vara Criminal do TJ-RJ (Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro) iniciou com sustentação do representante do Jornal da Cidade Online, que também respondeu aos questionamentos dos advogados de defesa. Nalon e suas testemunhas devem depor em novembro.

A queixa-crime é mais um episódio de intimidação perpetrado pelo Jornal da Cidade Online, site investigado no TSE e no STF por encampar e lucrar com campanhas de desinformação. Na esfera civil, a publicação também move uma ação no TJ-RS (Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul) que resultou na censura da reportagem do Aos Fatos.

“É bastante claro que, com a investida na esfera criminal, eles estão inaugurando uma nova seara de assédio judicial, que eu chamaria de terrorismo judicial, porque tem a finalidade de coagir o Aos Fatos a se calar para evitar acusações estapafúrdias como essa”, afirma o advogado Christiano Mourão, do escritório Mourão e Ventura Advogados, que defende a diretora executiva do Aos Fatos.

A defesa de Nalon também aguarda o julgamento final de um habeas corpus que pede o trancamento da queixa-crime. Na terça-feira (22), o desembargador Marcelo Castro Anátocles da Silva Ferreira negou o pedido de liminar, mas o caso será analisado pelo colegiado da 6ª Câmara Criminal do TJ-RJ. Se o julgamento do habeas corpus for concluído e o pedido concedido antes de novembro, a audiência na 41ª Vara Criminal do TJ-RJ pode ser cancelada.

“No mérito, está muito claro que foi apenas uma reportagem, que não teve a intenção de difamar, mas também existe a possibilidade de a ação cair por um erro processual”, afirma Mourão, relatando que a defesa de Nalon identificou que o Jornal da Cidade Online não recolheu as custas judiciais da queixa-crime que apresentou, procedimento cujo prazo decadencial já se esgotou.

Na terça-feira, entidades de defesa do jornalismo publicaram nota em que condenaram a criminalização da imprensa, defendendo que o Aos Fatos e Tai Nalon apenas exerceram “seu dever e direito de informar” ao reportar “a sistemática atuação da empresa, denunciada constantemente por produzir e divulgar desinformação”. O documento é assinado por Abraji, Ajor, Fenaj, Instituto Vladimir Herzog, Intervozes, Repórteres Sem Fronteiras e Tornavoz.

AOS FATOS SOB CENSURA

Publicada pelo Aos Fatos em abril de 2020, a reportagem que motivou a ação encontra-se sob censura desde junho deste ano, após decisão do TJ-RS. A investigação revelou que o Jornal da Cidade Online compartilhava ferramentas de monetização e estratégia via Google AdSense com uma série de portais, dentre eles o Verdade Sufocada, mantido pela viúva do coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra (1932–2015), primeiro militar condenado por sequestro e tortura praticados durante a ditadura militar (1964–1985). A investigação baseou-se em códigos compartilhados por uma rede de sites, em procedimento detalhado posteriormente pelo próprio Jornal da Cidade Online.

O Jornal da Cidade Online é investigado pelo STF no Inquérito 4.828, que apura os atos antidemocráticos. Em relatório sobre o caso, o ministro Alexandre de Moraes afirmou que indícios e provas apontam para a existência de “uma verdadeira organização criminosa, de forte atuação digital e com núcleos de produção, publicação, financiamento e político”. Integrante dessa rede, a publicação teve “aumento expressivo” de faturamento com publicidade por meio do Google AdSense logo após as eleições de 2018, segundo a investigação.

Segundo relatório final da CPI da Covid-19, realizada no Senado em 2021, o Jornal da Cidade Online integra um “grupo formado por organizações que na aparência funcionam como empresas jornalísticas”, porém sem “o devido compromisso com os princípios éticos da profissão, tais como a divulgação da informação precisa e correta”.

A publicação é citada ainda no relatório final da CPMI das Fake News como parte de uma rede de desinformação. O dono do site também é citado em investigação no TSE como parte de um grupo engajado em “deliberada produção e difusão exponencial de notícias sabidamente falsas” durante as eleições presidenciais de 2022. O tribunal também determinou a desmonetização do canal no YouTube do Jornal da Cidade Online sob acusação de compartilhar desinformação sobre as urnas eletrônicas.

Compartilhe

Leia também

Com demissões e sem ‘PL das Fake News’, 'big techs' aprofundam apagão de dados sobre moderação

Com demissões e sem ‘PL das Fake News’, 'big techs' aprofundam apagão de dados sobre moderação

Ações clandestinas da ‘Abin paralela’ realçam violências reais

Ações clandestinas da ‘Abin paralela’ realçam violências reais

falsoIdosa foi presa por tráfico, não por participar dos atos golpistas do 8 de Janeiro

Idosa foi presa por tráfico, não por participar dos atos golpistas do 8 de Janeiro