Foto de faixa na UFSM é manipulada para inserir críticas a Bolsonaro e Heinze

Por Marco Faustino

30 de junho de 2021, 16h32

Não é verdadeira, mas uma montagem, a foto que circula nas redes sociais (veja aqui) de uma faixa na entrada do campus da UFSM (Universidade Federal de Santa Maria) contra o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e o senador Luis Carlos Heinze (PP-RS). A instituição enviou ao Aos Fatos a imagem original, que mostra os dizeres “UFSM em Defesa da Vida” e “#Juntospelavacina”, sem menção aos políticos.

A foto adulterada reunia centenas de compartilhamentos nesta quarta-feira (30) no Facebook e foi marcada com o selo FALSO na ferramenta de verificação da rede social (entenda como funciona).


É montagem a foto de uma faixa na entrada do campus da UFSM (Universidade Federal de Santa Maria) com críticas ao presidente Jair Bolsonaro e ao senador Luis Carlos Heinze (PP-RS). A imagem original, enviada pela instituição ao Aos Fatos, foi alterada digitalmente para inserir os dizeres "senador Heinze vergonha da UFSM" e "#ForaBolsonaroGenocida".

No registro, é possível verificar elementos idênticos aos da foto enviada pela universidade, como a vestimenta do operário que segura a faixa, veículos ao fundo, placas de trânsito, sombras de árvores e postes (veja abaixo).

“A universidade não colocaria algo com este teor agressivo bem na entrada do campus. Se fosse de um sindicato ou do DCE, por mais que tenham liberdade para se manifestarem livremente, não colocariam logo no centro do arco. É um espaço que usamos com muita cautela e que precisa da autorização da reitoria”, afirmou a assessoria da UFSM.

A faixa original foi colocada no arco no dia 9 de abril e retirada na semana passada, após um temporal. Aos Fatos encontrou uma versão semelhante da imagem enviada em um post de uma servidora da universidade no Facebook, no dia 10 de abril. A faixa também aparece em um vídeo divulgado pela instituição de ensino.

Origem. Publicações com a foto adulterada começaram a circular nas redes após o senador Luis Carlos Heinze criticar a UFSM na CPI da Covid-19 em 24 de junho de 2021. O parlamentar disse ter vergonha da instituição e alegou que ela “perdeu qualidade” devido a uma “questão ideológica”. No dia seguinte (25), o reitor da universidade, Paulo Burmann, repudiou as declarações.

Esta peça de desinformação também foi verificada pela Lupa.

Referências:

1. Facebook
2. UFSM
3. Senado Federal
4. Claudemir Pereira

Usamos cookies e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade. Ao continuar navegando, você concordará com estas condições.