É falso que STF aprovou resolução para implementar banheiros unissex nas escolas

Compartilhe

Não é verdade que o STF aprovou resolução determinando a implementação de banheiros unissex nas escolas e que quem reclamar será processado, como alegam publicações nas redes. A resolução citada pelas peças de desinformação, na realidade, é do CNLGBTQIA+ (Conselho Nacional dos Direitos das Pessoas LGBTQIA+), ligado ao MDHC (Ministério dos Direitos Humanos e Cidadania). O documento não tem força de lei e traz apenas recomendações para garantir a inclusão de pessoas transexuais e transgêneras no sistema de ensino.

Publicações com o conteúdo enganoso acumulavam 1.300 compartilhamentos no Facebook e milhares de visualizações no Kwai e no Tik Tok até a tarde desta quarta-feira (1°).


Selo falso

STF aprova banheiro unissex! Se alguém reclamar será processado!

Posts difundem fala do deputado Coronel Chrisóstomo sobre a obrigatoriedade de implementação de banheiros unissex a partir de uma resolução publicada no DOU, o que não procede, para afirmar que se tratou de uma decisão do STF, o que tampouco é verdade

Posts nas redes reproduzem uma declaração do deputado federal Coronel Chrisóstomo (PL-RO) referente à resolução nº 2 do CNLGBTQIA+, ligado ao MDHC, e alegam que a medida resultaria de decisão do STF determinando a implementação de banheiros unissex em escolas. Isso é falso. Embora Aos Fatos não tenha localizado o vídeo original, em nenhum trecho do registro difundido pelas peças checadas Chrisóstomo diz que a resolução é do STF. No entanto, o parlamentar engana ao fazer crer que a implementação de banheiros unissex se tornou obrigatória depois da publicação da resolução no DOU (Diário Oficial da União) — o que também não é verdade.

Em busca no DOU (Diário Oficial da União), Aos Fatos também não encontrou qualquer lei ou decreto sancionado pelo governo Lula que institua a obrigatoriedade de instalação de banheiros sem distinção de gênero em escolas.

Em outro trecho, Chrisóstomo também engana ao dizer que a resolução prevê que pais de alunos serão processados caso reclamem. Em nenhum parágrafo do documento há previsão de que questionamentos sobre o tema serão alvo de processos judiciais. O Aos Fatos entrou em contato com o parlamentar, mas não obteve retorno até a publicação desta checagem.

A resolução do CNLGBTQIA+, que visa garantir a inclusão de pessoas transexuais, transgênero, travestis e de gênero não binário no sistema de ensino, é de caráter consultivo e não tem força de lei. Nela, o conselho orienta que instituições de ensino devem respeitar o uso do nome social, realizar campanhas de conscientização sobre os direitos das pessoas trans e permitir o uso do uniforme e de banheiros de acordo com a identidade de gênero do aluno

Leia mais
Nas Redes Ministério da Saúde não autorizou ‘mudança de sexo’ a partir dos 14 anos
Nas Redes Governo Lula não determinou criação de banheiros unissex em escolas

O conselho também recomenda que, quando possível, escolas instalem banheiros de uso individual, independentemente do gênero, além dos masculinos e femininos já existentes.

Composto por 19 representantes do governo federal — entre eles, integrantes da AGU (Advocacia-Geral da União), dos ministérios e da Casa Civil — e 19 representantes da sociedade civil, o CNLGBTQIA+ foi criado em abril deste ano como um órgão de natureza consultiva para elaborar ações e diretrizes que garantam a igualdade e a inclusão da população LGBTQIA+.

Em nota, o MDHC afirmou que o objetivo do CNLGBTQIA+ é colaborar com a formulação e o estabelecimento de ações, de diretrizes e medidas governamentais referentes às pessoas LGBTQIA+, com autonomia em suas deliberações. As resoluções do conselho são recomendações e não têm força de lei.

Direito. Está parado desde 2015 no STF o julgamento de um processo que discute o direito de pessoas transexuais de usarem o um banheiro público de acordo com o gênero com o qual se identificam. Até o momento dois ministros votaram a favor da população transsexual (Luiz Roberto Barroso e Edson Fachin). Não há previsão de que o julgamento seja retomado.

Sem banheiro. Desde as eleições de 2022, o Aos Fatos tem desmentido peças enganosas sobre a suposta criação de banheiros unissex em escolas. Lula não prometeu durante a campanha que iria implementar banheiros infantis unissex, tampouco determinou recentemente a criação desse modelo de sanitário em escolas.

Enquanto isso, os resultados do Censo Escolar do Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais) mostram que no Brasil havia 3,7 mil colégios públicos sem nenhum banheiro em 2021, sendo que 4,3 mil escolas estavam nessa situação em 2019 e 3,6 mil em 2020. Dados consolidados pelo movimento Todos Pela Educação, com base no Censo Escolar de 2022, apontam que 55% das escolas públicas destinadas à primeira infância não têm banheiros adequados, com privadas e lavatórios apropriados para crianças de até seis anos.

Referências

  1. Imprensa Nacional
  2. Governo federal (1, 2 e 3)
  3. STF
  4. Aos Fatos (1 e 2)
  5. Inep
  6. piauí
  7. Todos pela Educação

Compartilhe

Leia também

falsoVídeo é editado para fazer crer que família Bolsonaro apoia pré-candidatura de Pablo Marçal

Vídeo é editado para fazer crer que família Bolsonaro apoia pré-candidatura de Pablo Marçal

falsoPosts usam foto de outra pessoa para sugerir que autor de atentado contra Trump era trans

Posts usam foto de outra pessoa para sugerir que autor de atentado contra Trump era trans

Pré-candidato, Marçal oferece prêmio a seguidores e especialistas veem infração eleitoral

Pré-candidato, Marçal oferece prêmio a seguidores e especialistas veem infração eleitoral