Vídeo não mostra transferência de crucifixo da catedral de Kiev para bunker

Por Luiz Fernando Menezes

28 de março de 2022, 16h56

É falso que um vídeo que circula nas redes sociais retrata a transferência de um crucifixo da catedral de Kiev, na Ucrânia, para um bunker (veja aqui). A gravação, em que pessoas aparecem ajoelhadas durante a passagem de um carro, está disponível na internet desde abril de 2015 e é atribuída ao velório de um soldado ucraniano.

Esta peça de desinformação reunia ao menos 6.000 compartilhamentos no Facebook nesta segunda-feira (28) e também tem sido veiculada no Twitter.


Selo falso

O crucifixo da Catedral de Kiev é transferido para um bunker. A última vez foi na II Guerra Mundial.

Vídeo não mostra transferência de crucifixo durante conflito em Kiev, capital ucraniana

Um vídeo que registra a passagem de um carro por ruas onde pessoas aparecem ajoelhadas nas calçadas não mostra a transferência de um crucifixo da catedral de Kiev, na Ucrânia, para um bunker onde o objeto estaria a salvo de ataques da Rússia.

A gravação está disponível desde abril de 2015 no RuTube, um site de vídeos russo. A legenda do vídeo original indica que as imagens teriam sido feitas após o velório de um soldado ucraniano que combatia separatistas russos naquela época.

As placas que aparecem no vídeo também indicam que a gravação não foi feita na capital ucraniana. Uma delas, visível no segundo 37 (veja abaixo), mostra o nome das cidades Stryi e Drohobych, que ficam no leste do país, em uma região a mais de 600 km de distância de Kiev.

Placa indica as cidades de Stryi e Drohobych, a mais de 600 km de Kiev
Localização. Placa indica cidades do leste ucraniano, a mais de 600 km de Kiev.

A legenda do vídeo afirma “Veja, irmãos russos, como ucranianos conhecem um herói ciborgue”. “Ciborgue” é o apelido dado a soldados que combatiam separatistas russos na região do Donbass, no conflito iniciado em 2014. Entre 11 e 15 de abril de 2015, dias antes da publicação do vídeo, foram registrados confrontos na região próxima ao aeroporto de Donetsk. O jornal inglês The Guardian também noticiou que cinco soldados ucranianos morreram no dia 5 de abril daquele ano após a explosão de uma mina em Schastye.

Aos Fatos buscou relatos semelhantes na imprensa internacional e não encontrou notícia de que um crucifixo de alguma das catedrais de Kiev tenha sido levado a um bunker. No início de março, o jornal The New York Times divulgou que uma estátua de Jesus Cristo foi removida da catedral de Lviv para ser protegida do conflito, “algo que supostamente só ocorreu na Segunda Guerra Mundial”. A reportagem contém várias menções às catedrais de Kiev, mas não há registro da retirada de um crucifixo.

Essa peça de desinformação também foi desmentida por Reuters, The Observers, Newtral e pelo site Catholic News Agency.

Referências:

1. RuTube
2. Google Maps
3. Reuters
4. Humanitarian Response
5. The Guardian
6. The New York Times

Topo

Usamos cookies e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade. Ao continuar navegando, você concordará com estas condições.