Teste de prender respiração não indica se alguém tem Covid-19

Por Luiz Fernando Menezes

8 de setembro de 2020, 18h33


É falso que qualquer pessoa pode verificar se está ou não infectada com o novo coronavírus prendendo a respiração por cerca de 20 segundos, como afirmam publicações que compartilham um vídeo do suposto teste nas redes sociais (veja aqui). Segundo a OMS (Organização Mundial de Saúde) e uma especialista entrevistada por Aos Fatos, não é possível fazer o diagnóstico de Covid-19 de um paciente por meio de sua capacidade de segurar a respiração.

No Facebook, posts com o conteúdo enganoso reuniam centenas de compartilhamentos nesta terça-feira (8) e foram marcados com o selo FALSO na ferramenta de verificação da rede social (veja como funciona). A informação falsa também circula no WhatsApp (receba as checagens), onde não é possível medir com precisão seu alcance.


FALSO

Se você conseguir prender a respiração até que o ponto vermelho se mova de A para B, você está livre de Covid 19 no momento. Teste simples e cobiçoso. Teste grátis sem nenhum custo. Ajude a salvar uma vida. Espere até que o ponto vermelho se mova para A antes de começar a prender a respiração.

Vem sendo compartilhado nas redes sociais um vídeo que supostamente seria um teste produzido por um hospital indiano para detectar Covid-19. Segundo as publicações que difundem o material, se o usuário conseguir segurar a respiração por cerca de 20 segundos, ele não estará infectado pelo novo coronavírus. No entanto, além de a OMS e uma pesquisadora consultada pelo Aos Fatos negarem que um teste do tipo sirva para diagnosticar a infecção, o Hospital Ananta, apontado como responsável pelo material, negou sua autoria.

Segundo Ilma Paschoal, pneumologista e pesquisadora da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas), o teste do vídeo não resulta num diagnóstico preciso do estado de saúde dos pulmões: “Pessoas normais podem fazer períodos longos de apneia (tempo sem respirar) que podem variar de acordo com a capacidade pulmonar e com o treinamento. Essa manobra [de ver o tempo que o paciente consegue segurar a respiração] não é utilizada para medir nada na prática da pneumologia”.

Uma informação semelhante circulou nas redes sociais em março deste ano, possivelmente porque um dos sintomas da infecção pelo novo coronavírus seja a sensação de falta de ar. Na época, a própria OMS (Organização Mundial da Saúde) desmentiu as alegações de que a capacidade de segurar a respiração por um período maior do que 10 segundos sem sentir desconforto seria a prova de que a pessoa não estaria infectada: “A melhor maneira de confirmar se você tem o vírus da Covid-19 é com um teste de laboratório. Você não consegue confirmar com esse exercício respiratório, que pode, inclusive, ser perigoso”.

A peça desinforma ainda ao sugerir que a falta de ar seria um sintoma desenvolvido por todos os infectados. Segundo artigo da UFRGS (Universidade Federal do Rio Grande do Sul), a dispneia aparece em 34% dos casos. Os sintomas mais comuns da doença são febre, tosse e perda do olfato ou paladar.

Em cartilha que compara sintomas de doenças respiratórias, o Ministério da Saúde também não classifica a falta de ar como uma manifestação comum nos casos de Covid-19:

Por fim, Aos Fatos entrou em contato com a assessoria do Hospital Ananta, situado na Índia e apontado como responsável pelo vídeo. Por mensagem, a instituição negou a autoria do material.

A peça de desinformação circulou primeiramente em língua estrangeira e foi desmentida por equipes de checagem em diversos países, como Índia e Quênia. No Brasil, o Boatos.org e o Fato ou Fake também a desmentiram.

Referências:

1. OMS
2. UFRGS
3. Ministério da Saúde