Pazuello mente sobre tratamento precoce para Covid-19; termo tem ao menos 140 menções no site da Saúde

Compartilhe

O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, mentiu ao dizer nesta segunda-feira (18) que sua pasta não promove nem tem protocolos que indicam o uso combinado de medicamentos sem eficácia comprovada contra a Covid-19, o chamado "tratamento precoce". Além de existirem orientações do ministério nesse sentido desde maio do ano passado, o próprio Pazuello e o ministério já estimularam a utilização dessas drogas.

Confira a seguir o que checamos.


O Ministério não tem protocolos sobre isso [tratamento precoce de Covid-19 com uso de medicamentos], nem poderia ter.

A declaração dada pelo ministro Eduardo Pazuello (Saúde) em entrevista nesta segunda-feira (18) é FALSA. A pasta que ele comanda mantém desde 20 de maio – quatro dias depois de sua posse – um protocolo em que orienta o uso de hidroxicloroquina e azitromicina como tratamento precoce em casos de Covid-19. Os medicamentos não tiveram eficácia comprovada contra a doença nos estudos mais sólidos divulgados até o momento. A nota informativa foi revisada pela última vez em agosto do ano passado.

O Ministério da Saúde também investiu em propagandas para incentivar a população a aceitar o chamado tratamento precoce. Uma dessas peças, veiculada no Twitter, foi recentemente classificada pela plataforma como enganosa.

Em setembro do ano passado, a pasta tentou organizar um evento chamado “Dia Nacional da Conscientização para o Cuidado Precoce” que contaria até com aula virtual com médicos sobre a hidroxicloroquina, mas depois cancelou. Já em outubro, Pazuello disse, em vídeo ao lado do presidente Jair Bolsonaro, que havia tomado hidroxicloroquina para se tratar da Covid-19.

O termo "tratamento precoce" tem atualmente 140 menções em textos sobre Covid-19 no site do ministério. Somente em agosto de 2020 foram ao menos duas defesas de Pazuello ao método (confira aqui e aqui), assim como em setembro e dezembro.

“A curva do Brasil é alongada, pois é um país com dimensões continentais, diferenças regionais e populacionais. Por isso, tivemos impactos em momentos diferentes dependendo de cada região. O que fez e faz diferença para nós foi o tratamento precoce”, disse Pazuello no 48ª Reunião de Ministros da Saúde do Mercosul, realizada no dia 3 de dezembro de 2020.

No dia 7 de janeiro, o Ministério da Saúde enviou um ofício à Prefeitura de Manaus, que enfrenta mais um colapso no sistema de saúde com falta de leitos e oxigênio para vítimas de Covid-19, para que visitasse as Unidades Básicas de Saúde e promovesse a aplicação do tratamento. Além do ofício, a pasta financiou uma força-tarefa para que médicos fizessem a divulgação da hidroxicloroquina e outros medicamentos, por exemplo, o vermífugo ivermectina. No dia 13 de janeiro, a pasta anunciou o lançamento de um aplicativo chamado TrateCov, no qual também é propagandeado o tratamento precoce.

Além do ministro, o presidente Jair Bolsonaro é outro entusiasta do tratamento precoce e em ao menos 42 ocasiões já defendeu que medicamentos como hidroxicloroquina, ivermectina e nitazoxanida seriam eficazes contra a Covid-19. Nenhum desses remédios, no entanto, tem eficácia comprovada contra a doença.

Referências

  1. Aos Fatos (1 e 2)
  2. Ministério da Saúde (1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8 e 9)
  3. Folha de S. Paulo (1, 2 e 3)
  4. UOL
  5. Repórter Brasil
  6. G1

Compartilhe

Leia também

Por um uso ético da IA no jornalismo

Por um uso ético da IA no jornalismo

falsoBolsonaro não admitiu em áudio participação de Flávio em ‘rachadinha’

Bolsonaro não admitiu em áudio participação de Flávio em ‘rachadinha’

falsoFilho de Lula não comprou a Azul Linhas Aéreas

Filho de Lula não comprou a Azul Linhas Aéreas