🕐 Esta reportagem foi publicada há mais de seis meses

Não é atual vídeo de saque a supermercado de Salvador, mas de 2012

Por Luiz Fernando Menezes

22 de março de 2021, 14h56

É falso que um vídeo em que pessoas saqueiam um supermercado em Salvador (BA) tenha sido gravado recentemente (veja aqui), como afirmam publicações nas redes sociais que sugerem que a invasão é resultado da adoção de medidas restritivas para combater a Covid-19 na cidade. Segundo a rede varejista, as imagens foram gravadas em 2012, quando a loja foi depredada durante uma greve da PM (Polícia Militar) da Bahia.

Publicações que atribuem o contexto enganoso ao vídeo de oito anos atrás acumulavam ao menos 58 mil compartilhamentos no Facebook até a tarde desta segunda-feira (22). Todas as postagens foram marcadas com o selo FALSO na ferramenta de verificação da rede social (entenda como funciona).


SAQUE EM MERCADO HOJE SALVADOR. Ninguém pode mostrar nada na Bahia que seja contra o governador que é do PT.

Um vídeo de um saque a um supermercado em Salvador tem sido compartilhado nas redes sociais por publicações que sugerem que o ato de vandalismo seria uma reação da população a medidas de isolamento social e restrição de comércio adotadas na cidade para conter a pandemia de Covid-19. A gravação, no entanto, é de 2012, e mostra um saque ocorrido durante uma greve da PM na Bahia.

O Aos Fatos não encontrou a publicação original do vídeo, mas o Grupo BIG, que administra a rede de supermercados, afirmou em nota enviada à reportagem que ele foi gravado em fevereiro de 2012 durante a paralisação dos policiais. Além do mercado, foram depredadas lojas de móveis e mercearias da região.

A assessoria da rede varejista afirmou ainda que, desde o início da pandemia do novo coronavírus, não foi registrada nenhuma ocorrência do tipo em seus estabelecimentos. De fato, não há registros na imprensa de saques ao comércio em Salvador.

Vídeos descontextualizados de saques em supermercados também viralizaram nas redes sociais em março do ano passado. À época, foram compartilhados como se tivessem sido gravados durante a pandemia registros que mostravam depredações ocorridas em 2013 e até um que mostrava manifestantes invadindo um mercado em Honduras.

Referências:

1. BNews
2. Correio
3. Aos Fatos (1 e 2)


De acordo com nossos esforços para alcançar mais pessoas com informação verificada, Aos Fatos libera esta reportagem para livre republicação com atribuição de crédito e link para este site.

Usamos cookies e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade. Ao continuar navegando, você concordará com estas condições.