Lula não propôs prazo para devolver armas e nem reduzir armamentos da polícia

Por Bruna Leite

11 de outubro de 2022, 19h01

O candidato do PT à Presidência, Luiz Inácio Lula da Silva, não propôs reduzir o armamento das polícias militares e nem estabeleceu prazo para que a população entregue voluntariamente suas armas, como afirmam postagens nas redes (veja aqui e aqui). As publicações são baseadas em um tuíte falso, que nunca foi publicado pelo ex-presidente, e em uma montagem que simula uma reportagem do G1, que não existe no site. A campanha do petista nega a autoria das declarações.

As publicações com o conteúdo enganoso acumulavam 20 mil compartilhamentos e 3.000 curtidas no Instagram nesta terça-feira (11) e circulam também no WhatsApp, no qual não é possível estimar o alcance (fale com a Fátima).


Selo falso

O povo entregará as suas armas voluntariamente nas delegacias de todo Brasil,sem a necessidade de um decreto presidencial; Vamos reduzir o armamento das polícias e dos militares e substituir por inteligência.

Reprodução dos tuítes falsos que usam foto do ex-presidente Lula e falas inventadas sobre reduzir armamento da polícia e da população

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) nunca publicou no Twitter textos sobre redução do armamento da polícia e de militares, nem afirmou que em janeiro “o povo entregará suas armas voluntariamente”. Não há indício de que o ex-presidente tenha publicado as mensagens, que não constam no monitoramento feito pelo Aos Fatos de todas as publicações do político no Twitter, inclusive as que foram apagadas.

No horário e data indicados pelo tuíte falso — 8h04 de 10 de outubro —, o ex-presidente postou na plataforma uma mensagem sobre criação de empregos e democratização da internet no país.

À esquerda, tuítes com frases que Lula nunca disse sobre armamento; à direita, o tuíte original, sobre emprego, PAC e internet
Comparação. Tuítes com frases inventadas usam a mesma data de publicação real em que Lula fala sobre empregos e internet (Reprodução/Twitter)

Desde 7 de abril de 2017, Lula relacionou os termos “armas” e “policiais” apenas duas vezes no Twitter. Em uma delas, disse que a polícia precisava trabalhar com inteligência, mas não sugeriu redução de armamento por parte da categoria.


Selo falso

Daremos um prazo razoável para que todos possam entregar as suas armas de forma espontânea, sem punição.

Reprodução de peça desinformativa que simula publicação do ‘G1’ e engana ao dizer que Lula declarou que brasileiros teriam que entregar suas armas

Também não existe uma reportagem do G1 com o título: “Daremos um prazo razoável para que todos possam entregar suas armas de forma espontânea sem punição”. Aos Fatos não encontrou notícia semelhante no site do Grupo Globo, que classificou o material como “manipulação fraudulenta”. Também não existe nenhum jornalista chamado “Paulo Canuto” entre os funcionários.

A campanha do petista afirmou que ele nunca “disse, escreveu ou publicou em qualquer lugar que haverá prazo para entrega de armas caso seja eleito” ou que haverá redução de armas de policiais e militares. As propostas também não estão nas diretrizes de governo registradas pelo candidato no TSE (Tribunal Superior Eleitoral) neste ano.

Esta checagem também foi feita pelo Fato ou Fake.

Referências:

1. Twitter (1, 2, 3 e 4)
2. G1 (1, 2 e 3)
3. Lula (1 e 2)


Aos Fatos integra o Programa de Verificação de Fatos Independente da Meta. Veja aqui como funciona a parceria.

Topo

Usamos cookies e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade. Ao continuar navegando, você concordará com estas condições.