Como descobrir informações e não expor seus dados pessoais com a transferência via Pix

Compartilhe

Implementado em novembro de 2020 pelo Banco Central – e não pelo governo Bolsonaro, como o ex-presidente alegou ao menos 20 vezes durante seu mandato – o Pix já faz parte da rotina do brasileiro. É mais fácil encontrar estabelecimentos que não aceitam cartões de crédito e débito – tecnologias financeiras muito mais antigas – do que locais que não trabalham com esse novo recurso, que é mais rápido e não envolve a cobrança de taxas na maioria dos casos.

Muito além de sua função primordial de facilitar transferências bancárias, o Pix também é um aliado importante nas investigações virtuais. As chaves de pagamento — cadastradas a partir de dados como CPF, número de celular e endereço de email — podem ajudar tanto a identificar o responsável por um golpe financeiro quanto a confirmar o nome completo de um pretendente antes de um encontro.


Assine já a newsletter do Radar Aos Fatos e receba a cada quinze dias técnicas de investigação com dados abertos.


Ao simular uma transferência ou enviar pequenos valores para essas chaves, é possível descobrir um nome e partes de um CPF ou CNPJ associado a elas. Essas informações permitem confirmar se o seu dinheiro está indo para o destino correto — principal orientação para não cair em golpes com Pix — e até aprofundar investigações sobre o destinatário de um pagamento.

O inverso também é válido. A partir de um telefone ou de um endereço de email, é possível simular uma transferência e averiguar se existe uma chave Pix cadastrada com aquelas informações. Se esse for o caso, será simples descobrir o nome, CPF ou CNPJ associados.

Aos Fatos usou essas estratégias, por exemplo, para identificar os envolvidos em um esquema de fraude de certificados de vacinação no Telegram e os responsáveis por espalhar conteúdo golpista nas redes durante o 8 de Janeiro.

Alguns criminosos também já sabem dessa possibilidade e, por isso, dificilmente compartilham suas próprias chaves Pix por aí. Como mostrou o Aos Fatos na semana passada, os responsáveis por esquema de venda de imagens de abuso infantil no Telegram usam chaves de pagamento vinculadas a contas bancárias laranjas para evitar serem identificados e responsabilizados pelas autoridades.

Leia mais
Investigamos Criminosos usam contas laranjas para vender imagens de abuso infantil no Telegram
Investigamos Criminosos vendem imagens de abuso infantil a R$ 5,90 em grupos no Telegram com 2 milhões de membros

Na outra ponta da linha, é importante adotar alguns cuidados com a sua chave Pix para proteger sua privacidade. Isso porque golpistas e pessoas mal intencionadas também podem usar números de celular ou CPF para descobrir suas informações.

A principal recomendação é não compartilhar as chaves associadas a dados pessoais (email, telefone ou CPF) com pessoas desconhecidas ou em publicações nas redes. Nesses casos, é preferível usar a chave aleatória, que combina letras e números.

Por outro lado, também é importante ter seu CPF e celular cadastrados como chaves Pix para evitar que criminosos usem esses dados para aplicar golpes.

Segundo o Banco Central, foram feitas em 2023 cerca de 35,3 milhões de transferências via Pix de R$0,01 – indício de que o uso da ferramenta como forma de obter informações ou como meio de comunicação tem sido mais comum do que imaginamos, para o bem ou para o mal.

Invertendo a lógica do ditado, quem não deve também precisa temer.


🔄 ATUALIZAÇÃO

Na semana passada, a Meta anunciou oficialmente o fim das atividades do CrowdTangle — ferramenta para análise e coleta de dados de Facebook e Instagram — no dia 14 de agosto. Embora o fim do recurso já estivesse sendo especulado há um tempo (conforme comentado na edição #71 desta newsletter), a mensagem foi motivo de lamento de pesquisadores e jornalistas.

Leia mais
Análise Fim do Crowdtangle exige revisão de mecanismos de transparência das plataformas

Em compensação, a Meta concedeu acesso à sua Biblioteca de Conteúdo a pessoas de instituições acadêmicas qualificadas ou sem fins lucrativos que realizem pesquisas científicas ou de interesse público. Se esse for o seu caso, basta fazer a solicitação ao Consórcio Interuniversitário para Pesquisa Política e Social da Universidade de Michigan.

Como parte do programa de checagem da Meta, a equipe do Aos Fatos também teve acesso ao novo recurso.

Compartilhe

Leia também

Como investigar as 'big techs' sem usar as soluções vendidas por elas

Como investigar as 'big techs' sem usar as soluções vendidas por elas

Como impedir que a Meta use seus dados para alimentar modelos de IA

Como impedir que a Meta use seus dados para alimentar modelos de IA

Formato PDF dificulta a análise de grandes volumes de dados e ainda pode esconder ameaças

Formato PDF dificulta a análise de grandes volumes de dados e ainda pode esconder ameaças