É falso que Pfizer lançou remédio contra Covid-19 que copia ivermectina

Por Priscila Pacheco

25 de outubro de 2021, 12h47

Não é verdade que a Pfizer lançou um medicamento para prevenir Covid-19 que seria "clone da ivermectina" após não ter conseguido a patente do antiparasitário, como alegam postagens nas redes sociais (veja aqui). As duas drogas testadas pela farmacêutica com essa finalidade não têm qualquer similaridade com a ivermectina.

O conteúdo enganoso acumulava ao menos centenas de compartilhamentos no Facebook nesta segunda-feira (25), e circulava no WhatsApp (Fale com Fátima).


Selo falso

4 meses atrás eu disse para os meus amigos que a Pfizer estava querendo patentear a IVERMECTINA para vender com outro nome e vender mais caro. E não deu outra. Problema resolvido: Pfizer lança “Pfizermectine” para profilaxia da Covid. (Vulgo “tratamento precoce”). A partir do lançamento deste clone da Ivermectina, o tratamento precoce da Covid-19 “milagrosamente” passará de um remédio demonizado para incentivado. Quem viver, verá.

Postagens nas redes sociais enganam ao alegar que a Pfizer lançou um “clone da ivermectina” para prevenir a Covid-19. A farmacêutica atualmente testa dois medicamentos com esse objetivo, mas nenhum deles é semelhante ao vermífugo, segundo a empresa.

Um deles é o antirretroviral ritonavir, administrado com uma molécula antiviral. No fim de setembro, a Pfizer havia anunciado o início das fases 2 e 3 das pesquisas para prevenção sintomática — quando as medicações começam a ser testadas em voluntários — após estudos em laboratório. O laboratório espera concluir essa etapa em 25 de dezembro e publicar os resultados em 2022.

Segundo o Clinical Trials, plataforma mundial de registro para ensaios clínicos, a Pfizer conduz 108 estudos relacionados à Covid-19, entre testes com a vacina e medicamentos. A ivermectina não consta entre as substâncias investigadas.

Ana Paula Hermann, professora de Farmacologia da UFRGS (Universidade Federal do Rio Grande do Sul), explica que não existe semelhança entre a ivermectina e as substâncias testadas pela Pfizer. A ivermectina atua para matar parasitas em organismos, enquanto os antirretrovirais têm o objetivo de atingir a proteína do vírus SarS-CoV-2, que transmite a Covid-19. “São moléculas específicas que têm um alvo específico. Não é abrangente como a ivermectina”, diz Hermann.

A Pfizer também afirmou que solicitou à Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) autorização emergencial para o uso do tofacitinibe (Xeljanz) para tratamento da pneumonia causada pela Covid-19. O medicamento fabricado pela própria farmacêutica é usado no Brasil para tratar artrite reumatóide, artrite psoriásica e retocolite ulcerativa. Também não há semelhança entre este medicamento e a ivermectina.

A OMS (Organização Mundial da Saúde), a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), a FDA (Food and Drug Administration, órgão regulador americano), a EMA (European Medicines Agency, da União Europeia) e a Merck, fabricante nos EUA, não recomendam o uso de ivermectina para tratar ou prevenir sintomas da Covid-19.

Patente. As postagens também enganam ao afirmar que a Pfizer não obteve a patente da ivermectina. O vermífugo já está em domínio público, ou seja, qualquer instituição pode fabricá-la. No Brasil, quatro empresas produzem o medicamento: Vitamedic, Germed, Nova Química e Legrand Pharma. A droga é indicada por todos esses laboratórios no tratamento de verminoses, ácaros e piolhos.

Em buscas no Latipat, banco de informações sobre patentes, Aos Fatos encontrou apenas um registro em nome da Pfizer a respeito de uma substância antiparasitária que contém ivermectina entre os componentes. Entretanto, o registro é do ano 2000, muito anterior à pandemia. No site Drugbank, que reúne informações sobre remédios, a Pfizer não aparece entre as instituições que têm patentes de produtos com ivermectina nos EUA.

Referências:

1. Pfizer (Fontes 1 e 2)
2. Clinical Trials (Fontes 1 e 2)
3. OMS
4. FDA
5. EMA
6. Merck
7. Anvisa (Fontes 1 e 2)
8. Latipat
9. Drugbank


Aos Fatos integra o Third-Party Fact-Checking Partners, o programa
de verificação de fatos do Facebook. Veja aqui como funciona a parceria.

Usamos cookies e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade. Ao continuar navegando, você concordará com estas condições.