É falso que Pazuello disse a Randolfe que não foi fardado à CPI para evitar 'fetiche de gazela'

Por Luiz Fernando Menezes

21 de maio de 2021, 14h46

Não é verdade que, em depoimento à CPI da Covid-19, o ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello disse ao senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) que não foi fardado à comissão para evitar "satisfazer fetiche de gazela", como alegam postagens nas redes (veja aqui). Tal diálogo não consta nas notas taquigráficas do Senado nem foi ouvido pela equipe do Aos Fatos que acompanhou os dois dias de sessão com o general.

Esta peça de desinformação reunia ao menos 4.300 compartilhamentos no Facebook nesta sexta-feira (21) e foi marcada com o selo FALSO na ferramenta de verificação da rede social (veja como funciona).


Randolfe para Pazuello: ‘Por que o senhor não veio fardado?’ Pazuello para Randolfe: ‘Não estou aqui para satisfazer fetiche de gazela’

Em nenhum dos dois dias de depoimento à CPI da Covid-19, o ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello foi questionado pelo senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) por que não foi fardado à sessão nem respondeu que não estava lá “para satisfazer fetiche de gazela”.

Nas notas taquigráficas de quarta (19) e quinta-feira (20), não há registro de que o general ou senadores tenham dito as palavras “fardado”, “farda” ou “gazela”. A equipe do Aos Fatos que acompanhou ao vivo o depoimento de Pazuello (veja as checagens aqui e aqui) também não ouviu diálogo parecido.

O uniforme do Exército foi citado apenas uma vez, na terça-feira, quando Pazuello falou sobre o convite para assumir a secretaria-executiva do Ministério da Saúde: “No dia 16 de abril à tarde, quando o Comandante Supremo das Forças Armadas, o nosso Presidente da República, me ligou e se posicionou de forma clara e direta para eu vir. A partir daquele momento, organizei a minha partida, peguei meus uniformes, embarquei com meu assistente-secretário, para vir cumprir a missão”.

Esta não é a primeira vez que Aos Fatos desmente alegação falsa atribuída a depoentes da CPI da Covid-19. No início de maio, postagens sustentaram, de maneira enganosa, que o ex-ministro Nelson Teich disse que os senadores “torceriam pelo caos”.

Referências:

1. Senado (1 e 2)
2. Aos Fatos (1, 2 e 3)


De acordo com nossos esforços para alcançar mais pessoas com informação verificada, Aos Fatos libera esta reportagem para livre republicação com atribuição de crédito e link para este site.

Usamos cookies e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade. Ao continuar navegando, você concordará com estas condições.