Poster do agregador

Em 1.407 dias como presidente, Bolsonaro deu 6.673 declarações falsas ou distorcidas

Esta base agrega todas as declarações de Bolsonaro feitas a partir do dia de sua posse como presidente. As checagens são feitas pela equipe do Aos Fatos semanalmente.

Atualizado em 08 de Novembro, 2022


Número de afirmações sobre




As três afirmações mais repetidas

REPETIDA 249 VEZES

Em 2019: 15.dez, 23.dez, 24.dez, 26.dez. Em 2020: 10.jan, 06.fev, 20.fev, 03.mar, 09.mar, 16.mar, 20.mar, 22.abr, 28.abr, 05.mai, 22.mai, 28.mai, 26.jul, 30.jul, 02.ago, 13.ago, 07.out, 08.out, 11.out, 15.out, 22.out, 29.out, 09.nov, 25.nov, 29.nov, 08.dez, 10.dez, 15.dez, 19.dez, 24.dez, 31.dez. Em 2021: 07.jan, 11.jan, 12.jan, 15.jan, 18.jan, 08.fev, 11.fev, 20.fev, 04.mar, 07.abr, 27.abr, 05.mai, 08.mai, 11.mai, 13.mai, 10.jun, 15.jun, 18.jun, 21.jun, 24.jun, 25.jun, 07.jul, 12.jul, 13.jul, 18.jul, 19.jul, 21.jul, 22.jul, 26.jul, 27.jul, 29.jul, 31.jul, 02.ago, 04.ago, 05.ago, 06.ago, 17.ago, 19.ago, 23.ago, 24.ago, 25.ago, 28.ago, 30.ago, 31.ago, 09.set, 10.set, 15.set, 17.set, 21.set, 23.set, 24.set, 30.set, 09.out, 13.out, 14.out, 18.out, 20.out, 21.out, 24.out, 25.out, 27.out, 07.nov, 09.nov, 10.nov, 19.nov, 22.nov, 23.nov, 25.nov, 26.nov, 02.dez, 07.dez, 09.dez, 10.dez, 15.dez, 19.dez, 27.dez, 30.dez, 31.dez. Em 2022: 06.jan, 12.jan, 20.jan, 31.jan, 02.fev, 07.fev, 09.fev, 10.fev, 11.fev, 12.fev, 16.fev, 18.fev, 21.fev, 23.fev, 24.fev, 25.fev, 28.fev, 04.mar, 07.mar, 16.mar, 21.mar, 22.mar, 23.mar, 27.mar, 04.abr, 08.abr, 11.abr, 12.abr, 15.abr, 05.mai, 12.mai, 30.mai, 02.jun, 08.jun, 15.jun, 18.jun, 24.jun, 09.jul, 23.jul, 24.jul, 27.jul, 30.jul, 22.ago, 24.ago, 03.set, 06.set, 07.set, 11.set, 13.set, 14.set, 16.set, 17.set, 20.set, 24.set, 29.set, 04.out, 12.out, 14.out, 21.out, 23.out, 26.out, 27.out, 28.out.

“Qual a corrupção no meu governo? Não tem, tem acusações vagas, levianas.”

Integrantes e ex-integrantes do governo Bolsonaro são alvos de investigações e denúncias de corrupção e outros delitos ligados à administração pública. Em junho de 2022, a PF (Polícia Federal) prendeu preventivamente o ex-ministro da Educação Milton Ribeiro por suposto envolvimento em um esquema de liberação de verbas na pasta. Ele é investigado por prevaricação, advocacia administrativa e tráfico de influência e foi liberado por habeas corpus. Atuais e antigos integrantes do governo também são investigados pela PF ou pelo Ministério Público por suspeita de corrupção, como o ministro-chefe da Casa Civil, Ciro Nogueira (PP); Ricardo Salles (PL), ex-titular do Meio Ambiente; o deputado federal Marcelo Álvaro Antônio (PL), que comandou o Turismo; e Fabio Wajngarten, que chefiou a Secom (Secretaria Especial de Comunicação Social). Além disso, relatório de junho deste ano da Americas Society/Council of the Americas afirma que as tentativas do presidente de controlar órgãos de investigação e os cortes orçamentários de agências independentes seriam sinais de recuo no combate à corrupção no Brasil.

REPETIDA 139 VEZES

Em 2020: 09.abr, 11.abr, 16.abr, 18.abr, 29.abr, 30.abr, 02.mai, 07.mai, 14.mai, 19.mai, 20.mai, 21.mai, 22.mai, 26.mai, 28.mai, 02.jun, 03.jun, 04.jun, 08.jun, 09.jun, 11.jun, 15.jun, 18.jun, 19.jun, 25.jun, 07.jul, 09.jul, 16.jul, 18.jul, 06.ago, 13.ago, 24.ago, 25.ago, 03.set, 16.set, 22.set, 24.set, 09.out, 19.out, 09.nov, 10.dez, 19.dez, 24.dez, 31.dez. Em 2021: 07.jan, 14.jan, 15.jan, 21.jan, 04.fev, 02.mar, 03.mar, 04.mar, 10.mar, 21.jul, 22.jul, 28.jul, 29.jul, 02.ago, 04.ago, 05.set, 15.set, 27.set, 09.out, 14.out, 31.out, 23.nov, 25.nov, 26.nov, 02.dez, 07.dez, 08.dez, 11.dez, 19.dez. Em 2022: 12.jan, 14.jan, 31.jan, 02.fev, 08.fev, 09.fev, 11.fev, 25.fev, 17.mar, 21.mar, 12.abr, 28.abr, 13.mai, 16.mai, 19.mai, 29.jun, 05.jul, 20.jul, 24.jul, 30.jul, 08.ago, 03.set.

“Eu fui desautorizado pelo Supremo Tribunal Federal [durante a pandemia de Covid-19].”

O STF (Supremo Tribunal Federal) não retirou do Executivo o poder de conduzir ações para controlar a pandemia da Covid-19 no Brasil, como afirma Bolsonaro. A corte entendeu, na verdade, que a União não poderia invadir as competências de municípios, de estados e do Distrito Federal. O presidente não poderia, por exemplo, derrubar medidas de isolamento social colocadas em práticas por prefeitos, mas a União não foi impedida de conduzir outras medidas de combate à Covid-19. “O plenário decidiu, no início da pandemia, em 2020, que União, estados, Distrito Federal e municípios têm competência concorrente na área da saúde pública para realizar ações de mitigação dos impactos do novo coronavírus. Esse entendimento foi reafirmado pelos ministros do STF em diversas ocasiões. Ou seja, conforme as decisões, é responsabilidade de todos os entes da federação adotarem medidas em benefício da população brasileira no que se refere à pandemia”, afirmou a corte em janeiro de 2021. Em entrevista ao Aos Fatos, Cecilia Mello, especialista em direito administrativo e ex-desembargadora do TRF3 (Tribunal Regional Federal da 3ª Região), explicou que o STF não excluiu a responsabilidade ou a atuação da União no enfrentamento da Covid-19: “Não houve qualquer suspensão de vigência da lei quanto às competências do presidente e dos órgãos federais para o combate à crise, tampouco foram eles eximidos de seus deveres e atribuições.”

REPETIDA 115 VEZES

Em 2020: 10.set, 16.set, 22.set, 08.out, 11.out, 14.out, 19.out, 27.out, 11.nov, 16.nov, 17.nov, 27.nov, 15.dez, 24.dez. Em 2021: 14.jan, 15.jan, 27.jan, 28.jan, 03.fev, 04.fev, 05.fev, 08.fev, 11.fev, 12.fev, 19.fev, 20.fev, 22.fev, 23.fev, 26.fev, 03.mar, 04.mar, 10.mar, 18.mar, 22.mar, 23.mar, 25.mar, 31.mar, 01.abr, 05.abr, 07.abr, 15.abr, 23.abr, 26.abr, 20.mai, 23.mai, 01.jun, 02.jun, 10.jun, 12.jun, 18.jun, 25.jun, 26.jun, 28.jun, 19.jul, 20.jul, 21.jul, 29.jul, 30.jul, 31.jul, 06.ago, 12.ago, 17.ago, 23.ago, 25.ago, 26.ago, 28.ago, 30.ago, 02.set, 10.set, 21.set, 29.set, 30.set, 07.out, 14.out, 21.out, 26.out, 27.out, 07.nov, 11.nov, 25.nov, 02.dez, 07.dez, 09.dez, 17.dez, 27.dez. Em 2022: 02.fev, 28.fev, 07.mar, 12.mar, 08.abr, 11.abr, 12.abr, 16.abr, 28.abr, 05.mai, 12.mai, 13.mai, 17.mai, 01.jul, 24.jul, 02.ago, 05.ago, 03.set, 23.set.

“Eu sempre falei que você deve combater sim o vírus, mas também combater o desemprego em nosso país.”

De fato, Bolsonaro tem destacado desde o início da pandemia, em março de 2020, que haveria dois problemas para o Brasil, um de saúde pública e um econômico, e que os dois deveriam ser tratados simultaneamente. Em levantamento feito nas redes e nas falas do presidente, o Aos Fatos identificou o início de declarações do tipo no dia 15 de março de 2020, data de uma entrevista à CNN Brasil. O presidente, porém, nunca tratou as duas questões com o mesmo peso, já que, desde o início do surto de Covid-19 no Brasil, tem minimizado os efeitos da doença e criticado suas principais formas de prevenção. Em diversas entrevistas e declarações públicas, Bolsonaro relacionou a doença a uma “gripezinha” e chegou a dizer em discurso que o isolamento social seria “conversinha mole” e que as medidas de restrição de circulação seriam para “os fracos”. O presidente também ataca reiteradamente as vacinas, que afirma serem experimentais e não terem comprovação científica. Por todos esses motivos, sua declaração é falsa.

Explore as afirmações

Filtros

Por tema

Por origem

Ordenar por

28.out.2022

“Vamos agora, queimada no bioma Amazônia. No teu governo, 430 mil quilômetros quadrados por ano. Está aqui, tá? Fontes, Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, INPE. No meu governo, 195. 430 mil no teu, 195 no meu.”

Dados do Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais) mostram que a média anual de queimadas no bioma Amazônia foi de 115.931 km² durante o governo Lula, de 2003 a 2010, e não 430 mil km², como afirmou Bolsonaro. Já os números citados do atual governo são próximos à soma da área queimada entre 2019 e 2021, de 195.431 km². A média nesses três anos é de 65.143 km². De janeiro a agosto de 2022, 35 mil km² do bioma Amazônia foram queimados, segundo o Inpe, uma área 33% maior em relação ao mesmo período do ano passado (26,8 mil km²).

LEIA MAIS FONTE ORIGEM

Tema: Meio ambiente. Origem: Debate

26.out.2022

“Preservamos dois terços da nossa vegetação natural que está da mesma forma como quando fomos descobertos em 1500.”

Não é verdade que o Brasil possui dois terços de sua vegetação intacta desde a chegada dos portugueses, em 1500. De acordo com dados do MapBiomas, o país contava, em 2021, com 66% do território coberto por vegetação nativa, mas isso não significa que essas áreas não sofreram ação humana. Isso porque ao menos 9,3% da vegetação nativa do país é secundária, ou seja, está localizada em áreas que já foram desmatadas e convertidas para uso humano ao menos uma vez. Dentre os espaços que nunca sofreram com o desmatamento, há ainda regiões que já foram degradadas pelo fogo ou pela exploração de madeira.

FONTE ORIGEM

REPETIDA 9 VEZES. Em 2021: 21.set, 01.out. Em 2022: 04.abr, 13.set, 18.set, 20.set, 29.set, 21.out, 26.out.

Tema: Meio ambiente. Origem: Entrevista

26.out.2022

“Sempre convido pessoas importantes a sobrevoar a Amazônia. Não vê um foco de calor. A nossa floresta ela é úmida, não pega fogo.”

O presidente repete o argumento falso de que a floresta amazônica não poderia ser incendiada por ser úmida. Por mais que ela seja, de fato, úmida, as plantas que a compõem podem sim entrar em combustão, desde que por meio da ação humana. Dados da ONG Ipam e da Nasa, agência espacial americana, indicam que os focos de incêndio que atingiram a região em 2019, por exemplo, aconteceram em áreas previamente desmatadas. Esta seria, segundo a bióloga Erika Berenguer, a única forma de incendiar a floresta. No processo de desmatamento, a vegetação é derrubada, colocada ao sol para secar e, então, queimada para a limpeza da área.

FONTE ORIGEM

REPETIDA 50 VEZES. Em 2020: 09.mar, 10.mar, 16.jul, 23.jul, 11.ago, 03.set, 22.set, 08.out, 11.out, 21.out, 22.out, 11.nov, 13.nov, 19.nov, 17.dez. Em 2021: 08.fev, 09.fev, 23.abr, 27.mai, 28.mai, 10.jun, 24.jun, 08.jul, 03.ago, 25.ago, 10.set, 09.out, 15.nov, 19.nov, 25.nov, 09.dez. Em 2022: 31.jan, 03.mar, 09.mar, 16.mai, 21.mai, 24.mai, 05.jun, 07.jun, 08.jun, 13.jun, 08.ago, 13.ago, 01.set, 26.out.

Tema: Meio ambiente. Origem: Entrevista

26.out.2022

“A Amazônia equivale a uma Europa Ocidental. ”

Diferentemente do que foi afirmado por Bolsonaro, a área ocupada pela Amazônia Legal (5 milhões de km²) é bastante superior à da Europa Ocidental (cerca de 1 milhão de km²).

FONTE ORIGEM

REPETIDA 18 VEZES. Em 2021: 21.set, 19.nov. Em 2022: 31.jan, 16.abr, 05.jun, 10.jun, 13.jun, 29.jun, 17.jul, 19.ago, 22.ago, 23.ago, 30.ago, 18.set, 20.set, 26.set, 29.set, 26.out.

Tema: Meio ambiente. Origem: Entrevista

26.out.2022

“Nós tentamos aprovar, não conseguimos, devemos conseguir o ano que vem, uma lei que chama-se regularização fundiária. Você poderia, via satélite, ao detectar qualquer desmatamento ou qualquer foco de calor, saber quem é o dono daquele pedaço de terra.”

Bolsonaro se refere ao projeto de lei 2.633/2020, apresentado pelo deputado Zé Silva (SD-MG), que trata da regularização fundiária. Ele afirma que essa medida permitiria determinar a origem de focos de incêndio e responsabilizar os culpados, o que não é amparado por documentos oficiais. O texto, na verdade, amplia o tamanho das propriedades que podem ser regularizadas sem vistoria prévia e prevê que essas terras passem a ser vistoriadas caso a propriedade seja alvo de termo de embargo ou de infração ambiental, lavrado pelo órgão ambiental federal. Apesar de o projeto definir parâmetros de respeito ao meio ambiente para a regularização de terras, não é possível afirmar que a legislação ajudaria a identificar autores de crimes ambientais. O projeto foi aprovado na Câmara com alterações, em 3 de agosto de 2021, e segue em tramitação no Senado.

FONTE ORIGEM

REPETIDA 28 VEZES. Em 2020: 03.set, 22.set, 19.nov, 10.dez, 17.dez, 24.dez. Em 2021: 15.jan, 21.jan, 08.fev, 22.abr, 23.abr, 01.nov, 19.nov. Em 2022: 31.jan, 23.fev, 11.abr, 12.abr, 16.abr, 07.jun, 13.jun, 22.jun, 22.ago, 30.ago, 26.set, 21.out, 26.out.

Tema: Congresso, Meio ambiente. Origem: Entrevista

21.out.2022

“Eu acho que a melhor proposta que pode ocorrer, que não conseguimos aprovar nos primeiros dois anos seria a regularização fundiária. O que seria isso? Todo e qualquer terreno do Brasil teria a sua localização definida por satélites e qualquer então desmatamento ou foco de calor você saberia quem está provocando aquilo, você poderia fiscalizar isso dessa forma.”

Bolsonaro se refere ao projeto de lei 2.633/2020, apresentado pelo deputado Zé Silva (SD-MG), que trata da regularização fundiária. Ele afirma que essa medida permitiria determinar a origem de focos de incêndio e responsabilizar os culpados, o que não é amparado por documentos oficiais. O texto, na verdade, amplia o tamanho das propriedades que podem ser regularizadas sem vistoria prévia e prevê que essas terras passem a ser vistoriadas caso a propriedade seja alvo de termo de embargo ou de infração ambiental, lavrado pelo órgão ambiental federal. Apesar de o projeto definir parâmetros de respeito ao meio ambiente para a regularização de terras, não é possível afirmar que a legislação ajudaria a identificar autores de crimes ambientais. O projeto foi aprovado na Câmara com alterações, em 3 de agosto de 2021, e segue em tramitação no Senado.

FONTE ORIGEM

REPETIDA 28 VEZES. Em 2020: 03.set, 22.set, 19.nov, 10.dez, 17.dez, 24.dez. Em 2021: 15.jan, 21.jan, 08.fev, 22.abr, 23.abr, 01.nov, 19.nov. Em 2022: 31.jan, 23.fev, 11.abr, 12.abr, 16.abr, 07.jun, 13.jun, 22.jun, 22.ago, 30.ago, 26.set, 21.out, 26.out.

Tema: Congresso, Meio ambiente. Origem: Entrevista

21.out.2022

“E hoje deixar bem claro, dois terços do nosso solo brasileiro, nossa terra é preservado, está da mesma forma como aí Pedro Álvares Cabral aqui chegou ao Brasil em 1500.”

Não é verdade que o Brasil possui dois terços de sua vegetação intacta desde a chegada dos portugueses, em 1500. De acordo com dados do MapBiomas, o país contava, em 2021, com 66% do território coberto por vegetação nativa, mas isso não significa que essas áreas não sofreram ação humana. Isso porque ao menos 9,3% da vegetação nativa do país é secundária, ou seja, está localizada em áreas que já foram desmatadas e convertidas para uso humano ao menos uma vez. Dentre os espaços que nunca sofreram com o desmatamento, há ainda regiões que já foram degradadas pelo fogo ou pela exploração de madeira.

FONTE ORIGEM

REPETIDA 9 VEZES. Em 2021: 21.set, 01.out. Em 2022: 04.abr, 13.set, 18.set, 20.set, 29.set, 21.out, 26.out.

Tema: Meio ambiente. Origem: Entrevista

16.out.2022

“No seu governo foi desmatado mais do dobro do que do meu. Dá um Google em casa. Dá um Google em casa.”

É fato que a média de desmatamento na Amazônia Legal durante o governo Bolsonaro foi menor do que a do governo Lula, mas o presidente omite que houve alta na devastação no seu mandato e queda no do petista. Dados do Inpe mostram que, entre 2019 e 2021 — último dado disponível — foram devastados 11,3 mil km² em média, ante 21,62 mil km² entre 2003 e 2006, período citado por Bolsonaro. Entretanto, a área desmatada caiu 43,86% nos quatro primeiros anos da gestão do petista, enquanto cresceu 73,33% no mandato atual. Em 2003, primeiro ano do governo Lula, foram desmatados 25,4 mil km² da Amazônia Legal — no quarto ano, 2006, a taxa desmatada foi de 14,26 mil km². A tendência de queda se manteve até o final do governo, quando a taxa chegou à mínima histórica, até então, de 7.000 km² em 2010 — uma queda de 72,44%. Já no governo Bolsonaro, os números subiram: em 2018 eram 7.536 km², foram 10,1 mil km² em 2019 e 13 mil km² em 2021, maior taxa desde 2006. Como os dados do Inpe são baseados no período entre julho e agosto, os índices de desmatamento de 2022 só serão revelados em agosto de 2023.

LEIA MAIS FONTE ORIGEM

REPETIDA 2 VEZES. Em 2022: 01.set, 16.out.

Tema: Meio ambiente. Origem: Debate

29.set.2022

“Dois terços das nossas florestas preservadas da mesma maneira como quando Cabral aqui chegou.”

Não é verdade que o Brasil possui dois terços de sua vegetação intacta desde a chegada dos portugueses, em 1500. De acordo com dados do MapBiomas, o país contava, em 2021, com 66% do território coberto por vegetação nativa, mas isso não significa que essas áreas não sofreram ação humana. Isso porque ao menos 9,3% da vegetação nativa do país é secundária, ou seja, está localizada em áreas que já foram desmatadas e convertidas para uso humano ao menos uma vez. Dentre os espaços que nunca sofreram com o desmatamento, há ainda regiões que já foram degradadas pelo fogo ou pela exploração de madeira.

LEIA MAIS FONTE ORIGEM

REPETIDA 9 VEZES. Em 2021: 21.set, 01.out. Em 2022: 04.abr, 13.set, 18.set, 20.set, 29.set, 21.out, 26.out.

Tema: Meio ambiente. Origem: Debate

29.set.2022

“Ela [Amazônia] equivale à Europa Ocidental.”

Diferentemente do que foi afirmado por Bolsonaro, a área ocupada pela Amazônia Legal (5 milhões de km²) é bastante superior à da Europa Ocidental (cerca de 1 milhão de km²).

LEIA MAIS FONTE ORIGEM

REPETIDA 18 VEZES. Em 2021: 21.set, 19.nov. Em 2022: 31.jan, 16.abr, 05.jun, 10.jun, 13.jun, 29.jun, 17.jul, 19.ago, 22.ago, 23.ago, 30.ago, 18.set, 20.set, 26.set, 29.set, 26.out.

Tema: Meio ambiente. Origem: Debate

29.set.2022

“No corrente ano, não tivemos notícia de incêndios nem no Pantanal nem na Floresta Amazônica.”

Bolsonaro mente quando afirma que não houve incêndios no Pantanal ou na Amazônia em 2022. De acordo com o Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais), foram registrados 11.429 focos de incêndio no Pantanal até esta quinta-feira (29). Em relação à floresta amazônica, o monitoramento identificou 86.819 focos até o momento. Esse número, inclusive, já superou os 75.090 focos de incêndios registrados na Amazônia em todo o ano de 2021.

LEIA MAIS FONTE ORIGEM

Tema: Meio ambiente. Origem: Debate

26.set.2022

“Tentamos resolver esse assunto em 2019 e 2020 com um projeto chamado regularização fundiária. Em havendo qualquer foco de calor, desmatamento, você ia saber o CPF daquela pessoa que tava lá. ”

Bolsonaro se refere ao projeto de lei 2.633/2020, apresentado pelo deputado Zé Silva (SD-MG), que trata da regularização fundiária. Ele afirma que essa medida permitiria determinar a origem de focos de incêndio e responsabilizar os culpados, o que não é amparado por documentos oficiais. O texto, na verdade, amplia o tamanho das propriedades que podem ser regularizadas sem vistoria prévia e prevê que essas terras passem a ser vistoriadas caso a propriedade seja alvo de termo de embargo ou de infração ambiental, lavrado pelo órgão ambiental federal. Apesar de o projeto definir parâmetros de respeito ao meio ambiente para a regularização de terras, não é possível afirmar que a legislação ajudaria a identificar autores de crimes ambientais. O projeto foi aprovado na Câmara com alterações, em 3 de agosto de 2021, e segue em tramitação no Senado.

FONTE ORIGEM

REPETIDA 28 VEZES. Em 2020: 03.set, 22.set, 19.nov, 10.dez, 17.dez, 24.dez. Em 2021: 15.jan, 21.jan, 08.fev, 22.abr, 23.abr, 01.nov, 19.nov. Em 2022: 31.jan, 23.fev, 11.abr, 12.abr, 16.abr, 07.jun, 13.jun, 22.jun, 22.ago, 30.ago, 26.set, 21.out, 26.out.

Tema: Congresso, Meio ambiente. Origem: Entrevista

26.set.2022

“E muitas vezes o incêndio é na área que é permitido, o fogo, né? Todo ano. E quem pratica isso aí? Em parte é o ribeirinho, é o caboclo, é o indígena. ”

Como forma de justificar as queimadas na Amazônia, Bolsonaro atribui recorrentemente a origem dos focos de incêndio a indígenas e pequenos produtores rurais, que usariam o fogo como método de limpeza de pasto para a agropecuária. Ainda que essa técnica seja, de fato, tradicionalmente utilizada na região, é FALSO que a maior parte dos incêndios seja causada por pequenos produtores. Em nota publicada em agosto de 2020, a ONG Ipam segmentou os dados de incêndio no bioma para apontar os principais responsáveis. De acordo com levantamento realizado a partir de dados do Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais) e da Nasa (agência espacial americana), 50% dos focos de incêndio identificados no primeiro semestre de 2020 ocorreram em propriedades rurais médias e grandes (com mais de quatro módulos fiscais). Enquanto isso, pequenas propriedades, assentamentos rurais e terras indígenas foram responsáveis, respectivamente, por 10%, 11% e 12% dos focos. Dados analisados pela ONG entre 2016 e 2019 também mostram que o manejo agropecuário é a causa mais comum dos focos de incêndio na Amazônia, sendo responsável, em média, por 42% das queimadas registradas.

FONTE ORIGEM

REPETIDA 7 VEZES. Em 2021: 01.nov, 19.nov, 09.dez. Em 2022: 24.mai, 05.jun, 13.ago, 26.set.

Tema: Meio ambiente. Origem: Entrevista

21.set.2022

“Se 80% da Amazônia também está preservada? Está exatamente da mesma forma como pisou aqui Pedro Álvares Cabral em 1500.”

Dados de 2021 do MapBiomas de fato apontam que 78,7% do bioma amazônico é recoberto por florestas. Isso não significa, no entanto, que essa vegetação permanece intocada desde a chegada dos portugueses ao Brasil em 1500, como afirma Bolsonaro. Segundo a ONG, 4% da cobertura florestal amazônica — o que corresponde a 13 milhões de hectares — é composta por vegetação secundária, o que mostra que essas áreas já foram desmatadas ao menos uma vez.

FONTE ORIGEM

REPETIDA 2 VEZES. Em 2022: 21.set.

Tema: Meio ambiente. Origem: Live

21.set.2022

“Como é que pode estar destruindo a Amazônia, tocando fogo na Amazônia, se dois terços do território brasileiro estão preservados?”

O presidente tenta negar a devastação da Amazônia ao afirmar que dois terços do território brasileiro estão preservados, o que é uma relação enganosa. De acordo com o MapBiomas, o país tinha 66% do território coberto por vegetação nativa em 2021, o que não impede a devastação da floresta: números divulgados pelo Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais) apontam que 33.800 km² da Amazônia Legal foram desmatados nos três primeiros anos de seu governo. A devastação total de 2021, que chegou a 12.400 km², é a maior taxa registrada desde 2008. Também houve um leve aumento no número de incêndios no bioma: foram registrados 267.427 focos entre 2019 e 2021, contra 263.545 entre 2016 e 2018, na gestão de Michel Temer (MDB). É importante ressaltar ainda que o total de focos registrados até setembro de 2022, 85.150, é maior do que todo o volume de 2021, quando foram levantados 75.090 pontos.

FONTE ORIGEM

Tema: Meio ambiente. Origem: Live

Topo

Usamos cookies e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade. Ao continuar navegando, você concordará com estas condições.