Reforma no Hospital do Fundão foi custeada por doações, não pelo governo Bolsonaro

Por Marco Faustino

30 de julho de 2021, 17h51

Postagens nas redes sociais (veja aqui) enganam ao atribuir ao governo Bolsonaro a reforma do Hospital do Fundão, no Rio de Janeiro. De acordo com a UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro), mantenedora da instituição, as obras mostradas no vídeo só foram viabilizadas devido a doações do Movimento União Rio, organização social apoiada por empresas privadas.

Postagens com o vídeo enganoso reuniam ao menos 2.000 compartilhamentos no Facebook até a tarde desta sexta-feira (30) e foram marcadas com o selo FALSO na ferramenta de verificação da plataforma ‌(‌saiba‌ ‌como‌ ‌funciona‌).


BOLSONARO REFORMOU HOSPITAL ABANDONADO PELO LULA E DILMA.

Um vídeo que mostra um dos ambulatórios reformados do Hospital do Fundão, no Rio de Janeiro, engana ao atribuir a obra feita na unidade de saúde ao governo Bolsonaro. Na filmagem, uma voz masculina não identificada por Aos Fatos também critica gestões do PT pelas condições anteriores do hospital. Porém, a UFRJ nega que as obras, inauguradas em 30 de março, tenham relação com o atual governo, e afirma que elas só foram possíveis devido a doações de uma organização social apoiada pela iniciativa privada.

“Buscaram-se doações para a reforma estrutural, elétrica, hidráulica e ambiental dos consultórios e espaços comuns dos dois andares de ambulatórios, que possuem um total de 8.000 m². Essas doações foram realizadas pelo Movimento União Rio, por meio do Instituto da Criança”, diz um trecho da nota divulgada pela universidade, mantenedora do hospital.

A UFRJ também afirma ter recebido doações da Fundação Coppetec e da FUJB (Fundação Universitária José Bonifácio), que colaboraram com a readequação de leitos de terapia intensiva, enfermarias e consultórios ambulatoriais.

A assessoria da universidade negou aportes da União para as obras. “A UFRJ é uma instituição federal. A verba não foi nos enviada pelo governo com esta finalidade, ainda que pudesse ter sido. Ou seja, não houve destinação financeira do governo para nenhuma obra no HUCFF”, disse em nota.

A assessoria acrescentou que o valor total da reforma foi de R$ 2 milhões. Desse montante, foram aplicados R$ 500 mil da verba federal regularmente enviada para o custeio do hospital. A universidade também afirmou que os valores correspondentes às despesas obrigatórias vêm sendo repassados, mas houve reduções — a verba de 2021 constitui 20% a menos do que foi encaminhado no ano passado.

"O governo federal aplicou verba suplementar em 2020, devido à pandemia, para insumos e contratação temporária de profissionais de saúde. Os R$ 34 milhões agendados para 2021 ainda não foram repassados à UFRJ”, declarou a assessoria em nota.

Crises. O Hospital do Fundão sofre com crises financeiras e falta de manutenção há mais de dez anos. A precarização da estrutura já foi abordada por reportagens da TV Globo e da Record em pelo menos quatro ocasiões durante os governos Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e Dilma Rousseff (PT) — em 2010, 2012, 2013 e 2015.

Em 2017, durante o governo Michel Temer (MDB), a direção do hospital alertou que a instituição poderia fechar as portas e pediu à AGU (Advocacia-Geral da União) que mediasse um impasse com a reitoria sobre verbas do Ministério da Saúde.

Em março deste ano, diante da menor previsão orçamentária em mais de dez anos, a direção disse que o hospital poderia fechar em julho. Em maio, o governo federal liberou em torno de R$ 152,2 milhões para a UFRJ, valor que pode manter a universidade funcionando até setembro.

Referências:

1. HUCFF (Fontes 1 e 2)
2. Movimento União Rio
3. UFRJ (Fontes 1 e 2)
4. G1 (Fontes 1, 2 e 3)
5. Record TV
6. O Globo
7. CNN Brasil

Usamos cookies e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade. Ao continuar navegando, você concordará com estas condições.