Presidente da Anvisa não disse que quem se vacinar corre risco sanitário grave

Por Luiz Fernando Menezes

30 de julho de 2021, 18h15

Não é verdade que o diretor-presidente da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), Antônio Barra Torres, disse que quem se vacinar contra a Covid-19 corre risco sanitário grave, como alegam postagens (veja aqui). As publicações tiram de contexto uma fala dele à CNN Brasil em fevereiro deste ano, quando criticou uma proposta de lei que liberava o uso de vacinas que não passaram pelo crivo do órgão regulador.

Os pedidos de checagem deste conteúdo foram enviados por leitores ao Aos Fatos pelo WhatsApp (Fale com a Fátima). Devido à natureza da plataforma, não é possível estimar o alcance da desinformação. No Facebook, postagens semelhantes reuniram centenas de compartilhamentos nesta sexta-feira (30) e receberam selo FALSO na ferramenta de verificação da plataforma (saiba como funciona).


QUEM SE VACINAR CORRE RISCO SANITÁRIO GRAVE ADMITE DIRETOR PRESIDENTE DA ANVISA... A AGÊNCIA BRASILEIRA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA.

Um trecho de uma entrevista do presidente da Anvisa, Antônio Barra Torres, à CNN Brasil em fevereiro deste ano circulou nas redes sociais fora de contexto para atribuir a ele um alerta de que a vacinação contra a Covid-19 representaria risco sanitário grave.

Na verdade, durante sua fala, Torres apenas criticou trechos da MP n° 1003/2020, que permitia a aprovação de uso emergencial de vacinas sem análise da Anvisa. É a este aspecto específico da lei que ele se refere quando usa os termos “risco sanitário grave”.

Tanto a pergunta da apresentadora Luciana Barreto quanto a resposta de Barra Torres sobre esta particularidade da medida provisória foram editadas e retiradas de contexto para dar a entender que o tema abordado era o risco de ser vacinado.

A gravação que traz a entrevista completa, de cerca de 12 minutos, foi veiculada pela emissora no dia 10 de fevereiro. O diálogo entre Barra Torres e a apresentadora Luciana Barreto começa a 6 minutos e 44 segundos do vídeo. Confira a transcrição na íntegra:

Luciana Barreto: “Queria que o senhor explicasse, até para quem está nos vendo agora e para quem está nos ouvindo agora, tentando entender o que realmente está acontecendo. Todos nós desejamos a chegada da vacina, mais doses da vacina com mais celeridade, mas e o risco desse artigo 5º [da Medida Provisória] que o senhor falou agora, da retirada de autonomia da Anvisa. Na prática para a população, a gente corre algum risco?

Antonio Barra Torres: “Corre risco sanitário grave. Simples assim. Porque o fato de estar aprovado ou registrado em outro país não necessariamente autoriza o uso no Brasil sem riscos”.

Na época em que a MP foi enviada para sanção presidencial, a Anvisa se posicionou oficialmente contra o texto. Na nota, a agência reiterou o artigo mencionado por Torres na entrevista indicando que a medida provisória “pode contrariar o interesse público já que, na forma da redação final, haveria uma imposição para a aprovação das vacinas sem a prévia análise técnica de segurança, qualidade e eficácia. Ou seja, a norma retiraria o papel técnico de análise da Anvisa, delegando à agência uma função cartorial”.

O artigo acabou vetado pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

A peça de desinformação também foi desmentida pelo Fato ou Fake e pela CNN Brasil.

Referências:

1. Congresso Nacional (Fontes 1 e 2)
2. CNN Brasil (Fontes 1 e 2)
3. Governo Federal


De acordo com nossos esforços para alcançar mais pessoas com informação verificada, Aos Fatos libera esta reportagem para livre republicação com atribuição de crédito e link para este site.

Usamos cookies e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade. Ao continuar navegando, você concordará com estas condições.