Nunca houve tantos pedidos de impeachment na história, diz Cunha

2 de dezembro de 2015, 22h33

O presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), decidiu abrir nesta quarta-feira (2) o processo que pode resultar no impeachment da presidente Dilma Rousseff. Ao anunciar o ato, se disse amparado pela opinião pública — e por vários pedidos de impedimento recebidos pelo Legislativo.

Em parceria com o Volt Data Lab, Aos Fatos checou fala de Cunha sobre esses pedidos.


VERDADEIRO
É uma decisão de muita reflexão e dificuldade. Nunca na história de um mandato houve tantos pedidos de impeachment. Não tenho nenhuma felicidade no ato que estou praticando.

De acordo com dados extraídos a partir do histórico de denúncias deimpeachment apresentados à Câmara dos Deputados a partir de 1990, nunca houve tantos pedidos de impedimento contra um presidente quanto houve contra Dilma.

O histórico foi enviado pela assessoria de imprensa da Câmara para Aos Fatos e Volt em outubro. Segundo esses dados, houve o seguinte montante de denúncias de impeachment protocoladas na Casa desde 1990:

  • Collor: 20
  • Itamar: 4
  • FHC: 17
  • Lula: 30
  • Dilma: 42

O problema é Cunha usa o argumento do ‘clamor popular’ para dar legitimidade às suas ações. Cunha acusou o golpe com a provável admissibilidade do processo contra ele no Conselho de Ética da Casa que preside. Além disso, segundo pesquisa Datafolha, a rejeição de Cunha pode ser superior à de Dilma.

Em levantamento realizado entre os dias 25 e 26 de novembro, o instituto apontou que 65% dos entrevistados acham que deputados e senadores deveriam desencadear o processo, enquanto em agosto o número era 66%. Para 56%, entretanto, ela não será afastada. 62% disseram preferir a renúncia à Presidência.

Já 81% dos entrevistados disseram querer a cassação do mandato parlamentar de Cunha.

Usamos cookies e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade. Ao continuar navegando, você concordará com estas condições.