Redes prometem fazer nada mais que o mínimo durante eleições

Compartilhe

Aviso: este texto é uma análise e foi publicado originalmente na newsletter O Digital Disfuncional.


Assine de graça e receba análises exclusivas.


#24 | 🤏 Nada mais que o mínimo

Ainda que plataformas e representantes de partidos políticos tenham sinalizado, em audiência pública realizada pelo TSE (Tribunal Superior Eleitoral) nesta quinta-feira (25), até onde pretendem atuar para coibir ilegalidades em propagandas eleitorais, ainda há um longo caminho para entender se haverá mudanças em suas relações com a Justiça Eleitoral. Esse caminho passa por Washington, Nova Délhi e Jacarta — para ficar nas capitais de países cujo tamanho do eleitorado é mais eloquente.

As mais de 70 eleições deste ano impõem às plataformas caminhos mais ou menos uniformes para combater ilegalidades, já que, com equipes de integridade esfaceladas por demissões e interpretação criativa sobre o que é liberdade de expressão, é difícil acreditar que haverá estratégias ajustadas sob medida para as diversas realidades locais. O mais provável é que haja uma operação-padrão por parte das empresas — uma atuação limitada a procedimentos estabelecidos pelas matrizes.

Exemplo disso é que, na semana passada, o TikTok lançou uma ofensiva de relações públicas dizendo que, “com mais de 2 bilhões de pessoas” indo às eleições neste ano, fez parcerias com “17 organizações de checagem de fatos”. De acordo com a plataforma, 17 parceiros têm a capacidade de cobrir 60 mercados e mais de 50 idiomas. Sei lá, poderia ser pior.

A OpenAI, por sua vez, também anunciou que “trabalha para antecipar e prevenir abusos”, impedindo que suas ferramentas de inteligência artificial criem, entre outras possibilidades de enganação, personalização para campanhas políticas e lobby. Resta saber para quais idiomas essa regra vale — no Brasil, o ChatGPT não viu problemas em afirmar, num panfleto gerado artificialmente a pedido deste Digital Disfuncional, que o ex-presidente Jair Bolsonaro considera importante respeitar instituições democráticas, “o Congresso Nacional e o Supremo Tribunal Federal”.

Leia mais
BIPE Com eleições e ‘PL das Fake News’ estagnado, regulação de IA ganha força para 2024

Enquanto isso, em Brasília, as cerca de 3h30 da audiência pública foram tomadas por discussões sobre qual a medida da responsabilidade de campanhas e plataformas sobre publicações (e mentiras) sintéticas. Para O Digital Disfuncional, a repórter do Aos Fatos Ethel Rudnitzki narrou a audiência pública desta quinta-feira. Veja abaixo:


O principal tema de discussão foi em torno do artigo 9ºB da minuta, que propõe a sinalização de conteúdos eleitorais gerados por inteligência artificial. De representantes de plataformas a integrantes da sociedade civil, os expositores elogiaram a medida, mas discordaram a respeito da maneira que ela deve ser aplicada.

A representante do YouTube Brasil, Alana Rizzo, sugeriu que fosse acrescentado um parágrafo explicitando que a responsabilidade de sinalização de conteúdo manipulado seja do anunciante, não das plataformas.

“Destacamos que a sugestão também busca adequar a regra eleitoral ao regime de responsabilização previsto no Marco Civil, segundo o qual incide responsabilidade das plataformas apenas quando há o descumprimento da ordem judicial”, disse.

Rodrigo Ruf, representante da Meta, e Taís Cristina Tesser, do Google, pediram alterações nas regras que tratam do período de veiculação de anúncios, deixando a cargo dos anunciantes a desativação de seus impulsionamentos nesse período.

“Qualquer mudança que pretenda alterar o regime de responsabilidade atribuída aos anunciantes, no caso eleitoral, aos partidos, candidatos, candidatas, coligações e federações, avançaria contra o regime legal da lei das eleições e fora do espaço democrático de deliberação”, disse a representante do Google.

A Meta também pediu mudanças nos requisitos para decisões de remoção de conteúdo desinformativo vindas do TSE, entre elas a inclusão de precedentes jurídicos para remoção de conteúdos idênticos e explicitação de URLs.

Por outro lado, representantes da sociedade civil cobraram maior transparência das plataformas em anúncios nelas veiculados, com a criação e atualização permanente de Bibliotecas de Anúncios.

A representante do Internet Lab, Heloisa Massaro, sugeriu que as exigências de transparência em anúncios políticos sejam estendidas também ao período de pré-campanha. Paloma Rocilo, do Iris (Instituto de Referência em Internet e Sociedade), propôs que os provedores devem fornecer ferramentas para sinalização de conteúdo manipulado em anúncios.

Maria Paula Almada, do Alafia Lab, defendeu a abertura de mais dados sobre anúncios políticos nas bibliotecas, entre elas a disponibilização, para consulta. de conteúdos excluídos por anunciantes ou por decisão judicial, além de informações sobre a segmentação de público de cada anúncio. “Nossa preocupação se refere ao impulsionamento de desinformação, discurso de ódio e violência nesses espaços. Nesse sentido, a transparência dos anúncios é primordial para o monitoramento e, eventualmente, a responsabilização de possíveis ilícitos”, disse.

Além da responsabilização das plataformas, outros participantes também levantaram a necessidade de regulamentação da atividade de influenciadores digitais durante a campanha e de maior explicação sobre as regras de uso de conteúdos de lives de candidatos.

Participaram da audiência mais de 30 representantes de instituições e cidadãos, entre eles:

  • Representantes das plataformas Meta — responsável por Facebook, Instagram e WhatsApp — Google e YouTube;
  • Dos partidos políticos PT e PSDB;
  • De associações de empresas de comunicação;
  • E de organizações da sociedade civil que tratam de dados pessoais e direito digital.
Leia mais
WHATSAPP Inscreva-se no nosso canal e receba as nossas checagens e reportagens

Compartilhe

Leia também

Atentado contra Trump aponta riscos de uma moderação enfraquecida nas ‘big techs’

Atentado contra Trump aponta riscos de uma moderação enfraquecida nas ‘big techs’

falsoServiço Secreto não desautorizou disparo em autor de atentado contra Trump

Serviço Secreto não desautorizou disparo em autor de atentado contra Trump

não é bem assimReforma tributária não taxou em 25% todas as operações de compra e venda de imóveis

Reforma tributária não taxou em 25% todas as operações de compra e venda de imóveis