Governo Lula não propôs taxar influenciadores digitais em 4%

Por Luiz Fernando Menezes

29 de novembro de 2023, 18h28

Não é verdade que o governo Lula (PT) propôs um projeto que cria uma contribuição de 4% sobre a receita de influenciadores digitais. As peças de desinformação que fazem essa afirmação distorcem propostas legislativas em tramitação no Congresso que não são de autoria do Executivo e que pretendem taxar plataformas de streaming, não criadores de conteúdo.

A publicação enganosa acumulava ao menos 10 mil visualizações no TikTok e centenas de curtidas no Instagram até a tarde desta quarta-feira (29).


Selo não é bem assim

Lula vai taxar influenciadores digitais em 4%

Mulher com boné de Lula diz, no TikTok, que Executivo vai taxar influenciadores digitais

Publicações que circulam nas redes enganam ao alegar que o governo Lula criou um projeto que pretende tributar em 4% a receita de influenciadores digitais. As peças que fazem essa alegação interpretam erroneamente dois projetos que tramitam no Congresso Nacional e que propõem a taxação para plataformas digitais, e não para criadores de conteúdo. Nenhum dos dois textos foi apresentado pelo Poder Executivo.

Há, hoje, duas propostas sobre o assunto aguardando votação. Em ambos os casos, as plataformas de serviço de vídeo sob demanda — conhecidas como streaming — são incluídas no rol de contribuidores da Condecine (Contribuição para o Desenvolvimento da Indústria Cinematográfica Nacional):

  • O substitutivo do PL 2.331/2022, do senador Eduardo Gomes (PL-TO), foi aprovado na CAE (Comissão de Assuntos Econômicos do Senado) no dia 22 de novembro e propõe a taxação de até 1% da receita bruta decorrente da atuação de empresas no mercado brasileiro. Além de serviços de streaming como Netflix e Disney+, estão incluídos YouTube e TikTok, consideradas plataformas de compartilhamento de conteúdos visuais;
  • E o PL 8.889/2017, que está em tramitação na Câmara dos Deputados e é de autoria de Paulo Teixeira (PT-SP) — que à época atuava como parlamentar e hoje é ministro do Desenvolvimento Agrário — cria uma alíquota de até 4% para empresas de vídeo sob demanda.

Em nenhum dos dois projetos há previsão de taxação das pessoas, ou seja, dos influenciadores digitais. No entanto, em entrevista ao Meio & Mensagem, a camara-e.net (Câmara Brasileira da Economia Digital), entidade que reúne plataformas como YouTube e TikTok, afirmou que há a possibilidade de as big techs repassarem parte da tributação aos criadores de conteúdo. Isso, no entanto, não consta no texto dos projetos de lei.

Leia mais
Nas Redes Governo Lula não criou taxa para uso de poços artesianos

A Condecine é uma contribuição criada em 2001, durante o governo de Fernando Henrique Cardoso (PSDB), que alimenta o FSA (Fundo Setorial do Audiovisual). Esse fundo, que é gerido pelo Ministério da Cultura, tem o objetivo de fomentar projetos audiovisuais e financiar o setor brasileiro.

Aos Fatos não encontrou nenhum projeto de lei do governo federal que determine a taxação de influenciadores digitais. A Secom (Secretaria de Comunicação Social), inclusive, publicou uma nota desmentindo as alegações.

O Comprova também publicou uma checagem sobre o assunto.

Referências:

1. Senado Federal
2. Tecmundo
3. Câmara dos Deputados
4. Meio & Mensagem
5. Condecine
6. Governo Federal (Fontes 1 e 2)

Topo

Usamos cookies e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade. Ao continuar navegando, você concordará com estas condições.