Estudos citados em post não concluíram que hidroxicloroquina é eficaz contra Covid-19

Compartilhe

Publicações nas redes enganam ao indicar que haveria consenso de que a hidroxicloroquina é eficaz para tratar a Covid-19. As pesquisas citadas no texto, do site Médicos pela Vida, concluem, na realidade, que o antimalárico não tem eficácia no tratamento da doença. Além disso, com a evolução da pandemia, outros estudos também comprovaram que a droga não age contra a Covid-19.

Publicações com o conteúdo enganoso acumulavam 12 mil curtidas no Instagram nesta segunda-feira (6).


Selo falso

A ciência mostra a eficácia da hidroxicloroquina no tratamento da Covid-19

Posts difundem texto publicado pelo Médicos pela Vida para afirmar que a ciência mostrou a eficácia da hidroxicloroquina no tratamento da Covid-19, o que é falso

O trecho de um texto publicado pelo site Médicos pela Vida em outubro do ano passado tem sido difundido nos últimos dias por publicações nas redes para afirmar que a ciência mostrou que a hidroxicloroquina é eficaz para tratar a Covid-19, o que é falso. O fármaco não é eficaz no tratamento ou na prevenção de mortes contra a doença. Tampouco há estudos suficientes que corroborem o uso profilático da substância — ou seja, antes do contato com o vírus.

Os seis estudos citados no texto como prova de eficácia da droga, na realidade, concluem o oposto: que a droga não funciona contra a doença. Confira abaixo:

  • O estudo intitulado "Hydroxychloroquine with or without azithromycin for treatment of early Sars-CoV-2 infection among high-risk outpatient adults: A randomized clinical trial" concluiu que a hidroxicloroquina, assim como sua combinação com o antibiótico azitromicina, não são terapias eficazes para tratamento ambulatorial da infecção pelo Sars-CoV-2;
  • O estudo "Hydroxychloroquine in Nonhospitalized Adults With Early Covid-19" mostrou que a hidroxicloroquina não reduziu substancialmente a gravidade dos sintomas em pacientes ambulatoriais com Covid-19 leve ou no estágio inicial da doença;
  • O estudo "Effect of Early Treatment With Hydroxychloroquine or Lopinavir and Ritonavir on Risk of Hospitalization Among Patients With Covid-19" concluiu que a droga não mostrou qualquer benefício significativo para diminuir a hospitalização associada a Covid-19 ou outros resultados clínicos secundários;
  • O estudo "Hydroxychloroquine for Early Treatment of Adults With Mild Coronavirus Disease 2019: A Randomized, Controlled Trial" apontou que nenhum benefício foi observado em pacientes com Covid-19 tratados com a hidroxicloroquina além dos cuidados habituais;
  • As conclusões do estudo "Hydroxychloroquine versus placebo in the treatment of non-hospitalised patients with Covid-19 (COPE – Coalition V): A double-blind, multicentre, randomised, controlled trial" não deram suporte ao uso rotineiro de hidroxicloroquina para tratamento de Covid-19 em ambiente ambulatorial;
  • O estudo "Randomized double-blinded placebo-controlled trial of hydroxychloroquine with or without azithromycin for virologic cure of non-severe Covid-19" concluiu que a combinação de hidroxicloroquina e azitromicina não contribuiu para a cura de pacientes com Covid-19 leve ou assintomáticos.

Os supostos benefícios do fármaco são baseados em distorções difundidas pela plataforma HCQ Meta, de autoria anônima, e que apresenta problemas metodológicos que põem em xeque a credibilidade das informações fornecidas, como verificado em fevereiro de 2021 pelo Aos Fatos.

Com a evolução da pandemia, no entanto, diversos estudos duplo-cego randomizados — considerados padrão-ouro das pesquisas científicas — não comprovaram que a cloroquina e a hidroxicloroquina, bem como o vermífugo ivermectina e a azitromicina, seriam benéficas para prevenir ou tratar a Covid-19 em suas diferentes etapas.

Leia mais
Explicamos Sites que embasam manifesto por 'tratamento precoce' adotam metodologias duvidosas

No texto publicado pelo Médicos pela Vida também é citado que a Prevent Senior foi inocentada em inquérito da Polícia Civil de São Paulo. Em abril de 2022, o órgão concluiu que a operadora de plano de saúde não cometeu atos ilícitos ao usar e recomendar medicamentos sem indicação e eficácia contra a Covid-19. A conclusão foi criticada por um grupo que afirma ser vítima da Prevent Senior. O Ministério Público prossegue com as investigações.

Procurado por Aos Fatos, o Médicos pela Vida não retornou o contato até a publicação desta checagem.

O grupo reúne profissionais de saúde favoráveis a terapias que não se provaram eficazes contra a Covid-19 em estudos científicos sólidos. Em 2021, o movimento publicou um manifesto nos principais jornais do país em que defendia a prescrição de medicamentos como a cloroquina e a ivermectina para tratar a infecção pelo novo coronavírus. O texto foi baseado em informações extraídas de sites com metodologias duvidosas, como Aos Fatos revelou.

Compartilhe

Leia também

Ações clandestinas da ‘Abin paralela’ realçam violências reais

Ações clandestinas da ‘Abin paralela’ realçam violências reais

falsoIdosa foi presa por tráfico, não por participar dos atos golpistas do 8 de Janeiro

Idosa foi presa por tráfico, não por participar dos atos golpistas do 8 de Janeiro

falsoLula devolveu 423 presentes recebidos durante mandatos anteriores

Lula devolveu 423 presentes recebidos durante mandatos anteriores