É falso que urnas tinham votos pré-registrados para Lula em Serafina Corrêa (RS)

Compartilhe

Não é verdade que policiais militares apreenderam urnas eletrônicas com votos computados para o ex-presidente e candidato do PT ao cargo, Luiz Inácio Lula da Silva, antes do início da eleição em Serafina Corrêa (RS), como afirmam publicações nas redes sociais (veja aqui). As imagens compartilhadas retratam uma ação policial na região metropolitana de Manaus, em 2018, em que não houve apreensão ou constatação de fraude nas urnas, o que foi confirmado pelo TRE (Tribunal Regional Eleitoral) e pela Polícia Militar do estado.

Publicações com o conteúdo enganoso acumulavam 1.200 compartilhamentos no Facebook neste sábado (1°) e circulam também no Telegram e no WhatsApp, no qual não é possível estimar o alcance (fale com a Fátima).


Selo falso

Acabou de dar agora na Odisseia FM 104.9 que a Brigada Militar de Serafina Corrêa aprendeu 4 urnas eletrônicas no carro de Thiago Feronato, dessas 3 urnas estavam preenchida com voto para o Lula PT com pelo menos 81%. Repassem urgente, é um golpe contra o Bolsonaro e um crime contra seus seguidores

Postagem com a alegação falsa de que urnas de Serafina Corrêa (RS) já tinham votos para Lula antes do início da eleição

Fotos de uma operação policial realizada na região metropolitana de Manaus em 2018 vêm sendo difundidas para alegar que a Polícia Militar apreendeu, em Serafina Côrrea (RS), urnas eletrônicas “preenchidas” com votos para o ex-presidente e candidato do PT ao cargo, Luiz Inácio Lula da Silva.

As imagens mostram o momento em que um carro do TRE (Tribunal Regional Eleitoral) do Amazonas foi parado pela PM, em 20 de outubro daquele ano. Não houve, na ocasião, apreensão de equipamentos, nem foi constatada fraude eleitoral. Além disso, não há registro de qualquer apreensão de urnas fraudadas no município gaúcho de Serafina Corrêa.

Em nota publicada à época, o TRE-AM e a PM do estado informaram que policiais do município de Iranduba (AM) realizavam uma operação quando abordaram um veículo oficial da Justiça Eleitoral que transportava urnas para Careiro da Várzea (AM). Na abordagem, não foi constatada nenhuma irregularidade, mas um dos policiais fotografou as urnas sendo transportadas e divulgou as imagens em sua rede social.

Vale ressaltar que as urnas eletrônicas têm mecanismos de proteção para impedir que votos sejam computados antes do início das eleições. Esse tipo de fraude eleitoral era comum na época de urnas de lona e voto impresso e é conhecido como urna “grávida” ou “emprenhada”.

Antes de o primeiro eleitor registrar o voto, o presidente da seção eleitoral, na presença de mesários e fiscais, emite um documento chamado zerésima. Esse comprovante mostra todos os candidatos que estão registrados na seção e que não há nenhum voto computado.

As publicações checadas também alegam que o caso foi noticiado pela rádio Odisséia FM, o que foi negado pela emissora em 2018 e 2022.

Haddad. As mesmas imagens circularam em 2018 com a alegação falsa de que as urnas teriam sido apreendidas com votos pré-computados para o então candidato do PT à Presidência da República, Fernando Haddad.

Esta peça de desinformação também foi checada por Boatos.org, G1, Lupa e UOL Confere.


Neste fim de semana, o Aos Fatos se uniu às iniciativas de checagem AFP Checamos, Boatos.org, Comprova, E-Farsas, Fato ou Fake e Lupa para verificar em conjunto a desinformação sobre as eleições.

Referências

  1. D24AM
  2. TRE-AM
  3. TSE (1 e 2)
  4. Facebook (1 e 2)

Compartilhe

Leia também

falsoVídeo é editado para fazer crer que família Bolsonaro apoia pré-candidatura de Pablo Marçal

Vídeo é editado para fazer crer que família Bolsonaro apoia pré-candidatura de Pablo Marçal

falsoPosts usam foto de outra pessoa para sugerir que autor de atentado contra Trump era trans

Posts usam foto de outra pessoa para sugerir que autor de atentado contra Trump era trans

Pré-candidato, Marçal oferece prêmio a seguidores e especialistas veem infração eleitoral

Pré-candidato, Marçal oferece prêmio a seguidores e especialistas veem infração eleitoral