É falso que dois dos invasores do Capitólio seriam infiltrados do movimento antifascista

Por Marco Faustino

7 de janeiro de 2021, 19h16


Não é verdade que dois dos manifestantes pró-Donald Trump que invadiram o Congresso dos EUA nesta quarta-feira (6) seriam infiltrados do Antifa, o movimento antifascista, como alega o site Terça Livre (veja aqui). Os indícios disponíveis apontam que dois apoiadores integram, na realidade, grupos de extrema-direita.

O homem com o rosto pintado e usando um chapéu com chifres é Jake Angeli, faz parte do movimento conspiracionista QAnon e participou no ano passado de comícios de políticos da direita no Arizona. O outro é Jason Tankersley, que seria cofundador de um grupo supremacista branco chamado Maryland Skinheads e é apontado como neonazista.

O conteúdo enganoso reunia centenas de compartilhamentos no Facebook nesta quinta-feira (7) e foi marcado com o selo FALSO na ferramenta de verificação da rede social (entenda como funciona).


Investigação certifica que pelo menos 2 Antifas estariam infiltrados na invasão ao Senado Americano.

É falso que dois dos manifestantes que invadiram o Capitólio nesta quarta-feira (6) sejam apoiadores do Antifa, movimento antifascista, conforme alega o site bolsonarista Terça Livre. Ambos são membros de grupos de extrema-direita nos EUA.

Imagens em baixa qualidade anexadas na publicação do site reproduzem uma série de postagens das redes sociais de usuários afirmando, sem provas, que os dois homens seriam antifascistas infiltrados.

Um dos apontados é o manifestante que estava com o rosto pintado e um chapéu com chifres. Jake Angeli é um apoiador do grupo conspiracionista de extrema-direira QAnon, e participou dos comícios políticos de direita no Estado do Arizona, nos EUA, em 2020, segundo o jornal The Arizona Republic.

No ano passado, em uma entrevista ao veículo, Angeli disse que usa o boné de pele com chifres, pinta o rosto e anda sem camisa e com calças esfarrapadas para chamar a atenção das pessoas sobre as crenças da QAnon. Um dos pilares do grupo é a crença de que “uma rede mundial de pedófilos adoradores de Satã controla o mundo”, afirmou Travis View, em entrevista para O Globo.

Jake Angeli esteve em uma manifestação do movimento Vidas Negras Importam na cidade de Tempe, no Arizona, em junho de 2020, mas, diferentemente do que sugerem postagens nas redes, nunca fez parte ou apoiou essas marchas. A informação foi confirmada pelo fotógrafo Patrick Breen, do The Arizona Republic, à AFP. O fotógrafo disse ainda que, nessas ocasiões, Angeli queria ampliar a base de apoiadores da QAnon e prestar apoio a Donald Trump. O profissional de imagem contou ainda que, meses depois, fotografou o homem em protestos a favor do presidente americano.

Já o outro apontado enganosamente como infiltrado é um homem que aparece em diversos registros ao lado de Angeli, vestindo um moletom bege. Jason Tankersley seria cofundador de um grupo supremacista branco chamado Maryland Skinheads, e um neonazista de longa data, segundo o Philly Antifa — um grupo antifacista que denuncia nazistas e fascistas da Filadélfia.

Essa informação é corroborada por uma matéria do jornal The Daily Press de novembro de 2007, que apontou Tankersley como líder do grupo e apresentador de um programa de rádio skinhead chamado "The Insurgent".

Tankersley foi apontado como antifa por conta de uma tatuagem que reproduz um símbolo de Dishonored, uma franquia de jogos eletrônicos, e que foi confundido por usuários das redes sociais com a foice e o martelo, emblema do comunismo.

Procurado pelo Aos Fatos, o Terça Livre não respondeu até a publicação desta checagem.

Esta peça de desinformação também foi checada por Lupa, Lead Stories e AFP Faktencheck.

Referências:

1. The Arizona Republic
2. Philly Antifa
3. The Daily Press
4. Twitter
5. O Globo
6. Game Revolution
7. Lupa
8. Lead Stories
9. AFP Faktencheck

Usamos cookies e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade. Ao continuar navegando, você concordará com estas condições.