É falso que CEO da Pfizer não foi vacinado contra Covid-19

Compartilhe

Postagens nas redes sociais distorcem e falseiam fatos ao alegar que o CEO da Pfizer, Albert Bourla, cancelou recentemente uma viagem a Israel porque não foi vacinado contra a Covid-19 (veja aqui). A mudança de planos ocorreu em março deste ano e, mesmo naquela época, o executivo já havia recebido a primeira dose do imunizante. A segunda foi aplicada três dias após o anúncio do cancelamento.

Esta peça de desinformação tem sido compartilhada no Facebook, onde reunia ao menos centenas de compartilhamentos, e no WhatsApp (Fale com Fátima).


Selo falso

Com a marca d'água de falso por cima, reprodução de mensagem que circulou nas redes com a foto do CEO da Pfizer, Albert Bourla, de terno e óculos, e a informação mentirosa de que ele não teria se vacinado contra a Covid-19

Não é verdade que Albert Bourla, CEO da Pfizer, cancelou recentemente uma viagem que faria a Israel porque não se vacinou contra a Covid-19. As postagens checadas trazem um enunciado do Jerusalem Post, mas omitem que a notícia foi publicada em 7 de março deste ano, quando, de fato, o executivo anunciou o cancelamento de uma visita ao país. Naquela época, Bourla já havia tomado a primeira dose do imunizante. A segunda foi aplicada três dias depois da desistência da viagem, conforme ele divulgou no Twitter.

O executivo apresentou como motivo para o cancelamento da viagem o fato de não estar completamente vacinado, embora a entrada de pessoas nessa situação não fosse proibida em Israel. Em fevereiro, o jornal Haaretz noticiou que cientistas e acadêmicos mandaram uma carta a Bourla pedindo para que ele adiasse a visita para evitar exploração política pelo então premiê Binyamin Netanyahu.

Em dezembro, o CEO da farmacêutica, que tem 59 anos, disse em entrevistas às emissoras CNN e CNBC que não furaria a fila da vacinação e que esperaria sua vez no cronograma estabelecido em Nova York (EUA), onde mora. Na época, Aos Fatos checou postagem enganosa de que ele havia dito que não tomaria o imunizante da Pfizer.


Aos Fatos integra o Third-Party Fact-Checking Partners, o programa
de verificação de fatos do Facebook. Veja aqui como funciona a parceria.


De acordo com nossos esforços para alcançar mais pessoas com informação verificada, Aos Fatos libera esta reportagem para livre republicação com atribuição de crédito e link para este site.

Compartilhe

Leia também

Como investigar as 'big techs' sem usar as soluções vendidas por elas

Como investigar as 'big techs' sem usar as soluções vendidas por elas

falsoImagem não prova que Trump foi baleado no peito em atentado

Imagem não prova que Trump foi baleado no peito em atentado

falsoÉ falso que X suspendeu perfil do ‘Globo’ após notícia sobre atentado contra Trump

É falso que X suspendeu perfil do ‘Globo’ após notícia sobre atentado contra Trump