É falsa declaração com ameaça a Lula atribuída a Palocci em posts nas redes

Por Luiz Fernando Menezes

23 de setembro de 2021, 16h25

Não é verdade que o ex-ministro dos governos petistas Antonio Palocci disse que, se revelasse tudo que sabe, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) teria que se matar ou seria linchado, como sustentam postagens (veja aqui). Essa declaração não aparece nas redes sociais e na imprensa nem no acordo de delação premiada firmado por Palocci. A defesa dele também negou a veracidade da alegação.

Esta peça de desinformação surgiu em abril de 2018 e voltou a circular nesta semana, tendo acumulado ao menos 28 mil compartilhamentos até a tarde desta quinta-feira (23).


Não foi dita pelo ex-ministro da Fazenda e da Casa Civil Antonio Palocci a declaração “Se eu falar tudo que sei, o Lula vai ter que se matar ou será linchado pelo povo brasileiro”. A frase não consta em nenhuma entrevista, reportagem ou post na internet, e a autoria foi desmentida por seus advogados. Esta peça de desinformação viralizou originalmente em abril de 2018, mas voltou a ser compartilhada nas redes sociais na última semana.

Aos Fatos pesquisou pela declaração completa e por partes dela, e não encontrou indício de que tenha sido proferida pelo ex-ministro. A frase também não aparece no termo de colaboração ou na delação premiada de Palocci, publicada pelo Estadão em 2019, depois de a peça de desinformação ter sido criada.

A falsa declaração voltou a ser compartilhada após o ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Edson Fachin votar para manter a validade do acordo de delação premiada do ex-ministro, no dia 15 de setembro. A corte analisa um recurso da Procuradoria-Geral da República, que pede a anulação do acordo. O ministro Gilmar Mendes pediu vista e não há previsão de retomada do julgamento.

Referências:

1. Estado de Minas
2. Estadão
3. G1


Aos Fatos integra o Third-Party Fact-Checking Partners, o programa
de verificação de fatos do Facebook. Veja aqui como funciona a parceria.

Usamos cookies e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade. Ao continuar navegando, você concordará com estas condições.