Denúncia de fraude em urna eletrônica no MA é antiga e não foi comprovada pela PF

Por Marco Faustino

28 de julho de 2021, 12h44

Uma reportagem exibida no Jornal da Band em 2008 sobre denúncia de fraude em urnas eletrônicas nas eleições de Caxias (MA) circula em postagens nas redes sociais (veja aqui) sem contexto. A alegação feita à época por dois técnicos de informática contratados pela candidatura derrotada, de que os equipamentos teriam sido adulterados antes do pleito, não foi comprovada em investigação concluída pela PF (Polícia Federal) em 2009.

As publicações enganosas somavam ao menos 55.000 compartilhamentos nesta quarta-feira (14) no Facebook e foram marcadas como desinformação na ferramenta de verificação da rede social (saiba como funciona).



Sem contexto, uma reportagem exibida em 24 de novembro de 2008 (confira aqui e aqui) no Jornal da Band tem sido usada em posts nas redes sociais para lançar dúvidas sobre a segurança das urnas eletrônicas brasileiras. O telejornal mostrou na época uma denúncia de dois técnicos de informática de que equipamentos usados nas eleições em Caxias (MA) teriam sido manipulados. Uma investigação concluída pela PF (Polícia Federal) no ano seguinte, porém, não encontrou indícios de alterações nas máquinas.

Na ocasião, dez urnas eletrônicas foram questionadas pela candidatura da ex-prefeita Márcia Marinho (MDB), derrotada nas eleições, com supostas provas de que teriam sido adulteradas dois dias antes do pleito. Porém, em depoimento à PF, os técnicos contratados pela campanha disseram ter elaborado somente um laudo superficial, e que precisavam de informações complementares para análise mais profunda, o que foi feito pela polícia.

No laudo, a PF afirma que não houve violação ou inserção de dados capazes de mudar os votos computados pelas urnas eletrônicas. Não houve divergências, por exemplo, entre os boletins de urna publicados pelo TSE (Tribunal Superior Eleitoral) e os dados gerados a partir dos arquivos extraídos das dez urnas eletrônicas investigadas. O documento também apontou que as urnas possuíam instrumentos que permitiam a verificação de ocorrência de fraudes e mecanismos de segurança baseados em assinaturas digitais.

Como agora, na época o caso suscitou discussões sobre a implementação do voto impresso, defendido pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido), que também compartilhou a reportagem sem o devido contexto em suas redes sociais, no dia 12 de julho de 2021, ao questionar a confiabilidade do sistema eleitoral.

Em checagem anterior, Aos Fatos desmentiu a possibilidade de as urnas eletrônicas serem invadidas pela internet e que um hacker teria tido acesso a dados de eleitores.

Referências:

1. YouTube
2. JC (Fontes 1 e 2)
3. Congresso em Foco
4. Poder 360
5. Aos Fatos

Usamos cookies e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade. Ao continuar navegando, você concordará com estas condições.