Quem é responsável pela saúde, segurança e garantia dos direitos indígenas

Compartilhe

Diante de casos de desnutrição grave, malária e infecção respiratória, o Ministério da Saúde decretou emergência em saúde pública no território Yanomami no último sábado (21).

  • O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) visitou a região, descreveu a situação nas redes como “genocídio” e afirmou se tratar de um “crime premeditado” por seu antecessor, Jair Bolsonaro (PL);
  • Já o ex-presidente e seus ministros se defenderam dizendo que os cuidados com a saúde indígena sempre foram prioridade do governo federal — alegação que não tem respaldo na realidade.

Contrário às políticas de demarcação de terras, Bolsonaro promoveu o desmonte das estruturas de fiscalização que coibiam o garimpo e atuavam na proteção dos povos indígenas. O governo também ignorou pedidos do MPF (Ministério Público Federal) de Roraima, que apontava desde 2020 a necessidade de garantir assistência ao povo Yanomami e combater o garimpo, que polui as águas e contamina os indígenas. Reportagens e relatórios divulgados por organizações também já alertavam para os casos de desnutrição e contaminação pelo mercúrio.

Diante de declarações de membros do antigo governo, como a da senadora eleita Damares Alves (Republicanos-DF) — ex-ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos —, que negou ter havido omissão das autoridades, Aos Fatos explica quais as atribuições de cada órgão governamental na assistência aos povos originários.

Além de consultar documentos oficiais, a reportagem entrevistou Fernando Vianna, indigenista da Funai (Fundação Nacional dos Povos Indígenas) e presidente da Indigenistas Associados, e Juliana Batista, assessora jurídica do ISA (Instituto Socioambiental).

  1. Quem é responsável pela saúde dos povos indígenas?
  2. Quem é responsável pela segurança das terras indígenas?
  3. Qual é o papel da Funai?
  4. O que mudou com a criação do Ministério dos Povos Indígenas?

1) QUEM É RESPONSÁVEL PELA SAÚDE E INTEGRIDADE DOS POVOS INDÍGENAS?

A saúde indígena é de responsabilidade da Sesai (Secretaria de Saúde Indígena), vinculada ao Ministério da Saúde. Criada em 2010, no fim do segundo mandato do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), a secretaria era uma demanda antiga de lideranças indígenas, que pediam que questões sanitárias dos povos originários fossem tratadas diretamente pela Saúde.

Antes disso, o sistema de saúde indígena era gerido pela Funasa (Fundação Nacional de Saúde), também vinculada ao Ministério da Saúde, mas responsável por ações de saneamento e prevenção e combate a doenças de forma geral. A fundação foi extinta e teve suas atribuições repassadas a outros órgãos neste ano.

Descentralizado, o sistema de atendimento aos povos indígenas tem como estrutura primária os DSEIs (Distritos Sanitários Especiais Indígenas), criados em 1999 e delimitados a partir de critérios epidemiológicos, geográficos e etnográficos. O povo Yanomami, por exemplo, possui um distrito próprio.

Dentro da estrutura de atendimento dos DSEIs estão:

  • As unidades básicas de saúde indígenas, localizadas dentro das terras demarcadas e destinadas ao atendimento primário;
  • Os pólos-base, destinados a administração e organização dos serviços de saúde e saneamento;
  • As Casai (Casas de Saúde Indígena), responsáveis por ações complementares de saúde, além de apoio e acolhimento aos pacientes e aos acompanhantes.

De acordo com os dados mais recentes, a Sesai possui 22 mil profissionais de saúde em atividade, 52% deles indígenas. A secretaria atende, em média, 762 mil indígenas distribuídos pelo território nacional.

Integridade. O Ministério dos Direitos Humanos tem entre suas funções garantir a integridade e assegurar direitos fundamentais aos povos indígenas. De acordo com os especialistas consultados por Aos Fatos, as principais atividades envolvem o recebimento de denúncias de violações de direitos e ações como a distribuição de cestas básicas.

No decreto que regulamentava o antigo Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, constava como atribuição da Secretaria Nacional de Políticas de Promoção da Igualdade Racial “articular e acompanhar a execução das políticas públicas desenvolvidas em favor das comunidades indígenas”, em parceria com o Ministério da Justiça e a Funai.

Apesar de essa informação não constar no decreto do atual Ministério dos Direitos Humanos e da Cidadania, o ministro Silvio Almeida anunciou em suas redes uma série de ações para atender aos yanomami, como diagnósticos de violações de direitos, fomento à participação de indígenas em conselhos tutelares, implantação de centros de atendimento a crianças vítimas ou testemunhas de violência com apoio à realização de atividades em terras indígenas, e a criação de uma rede de proteção para crianças e adolescentes da etnia.

Destruição causada pelo garimpo no rio Uraricoera, na Terra Indígena Yanomami
Garimpo. Destruição causada no rio Uraricoera, na Terra Indígena Yanomami (Bruno Kelly/HAY/Licenciado por ISA)

2) QUEM É RESPONSÁVEL PELA SEGURANÇA DAS TERRAS INDÍGENAS?

A Constituição Federal de 1988 reconhece o direito dos povos originários aos seus territórios e determina que é função da União demarcar, proteger e fazer respeitar todos os bens neles contidos. As ações de vigilância, no entanto, não estão restritas à atuação de um órgão específico: elas são fruto de um intercâmbio entre ministérios como Meio Ambiente, Defesa e Justiça.

A Funai (Fundação Nacional dos Povos Indígenas) é uma autarquia federal que atua para garantir o usufruto exclusivo das terras dos povos originários. Para isso, ela realiza ações de fiscalização, por vezes em parceria com órgãos do Ministério do Meio Ambiente, como o Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis), que combate crimes ambientais, e o ICMBio (Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade), que atua em unidades de conservação.

Caso surjam evidências de crimes, são acionados o Ministério da Justiça e o Ministério da Defesa:

  • A Justiça coordena a atuação da Polícia Federal, órgão de investigação, e da Força Nacional, acionada para garantir a segurança de pessoas e do patrimônio e em situações de emergência ou calamidade;
  • A Defesa entra em ação quando é necessária a atuação das Forças Armadas, que têm estrutura logística mais capilar e poder de polícia em áreas de fronteira.

Um exemplo de atuação conjunta é a Operação Guardiões do Bioma, conduzida até o ano passado pela Polícia Federal em parceria com o Ibama e a Funai. Um dos eixos de atividade foi justamente o desmonte de pontos de garimpo no território Yanomami.

Vale ressaltar que, ao longo do governo Bolsonaro, ocorreu um desmonte progressivo das políticas de fiscalização ambiental e de combate a crimes contra os povos indígenas. Além de paralisar os procedimentos de demarcação de terras, necessários para garantir a segurança dos povos, a antiga gestão do governo federal reduziu os orçamentos da Funai, do Ibama e do ICMBio, esvaziou seu quadro de funcionários e se posicionou abertamente contra ações de desmonte de estruturas para práticas ilícitas, como o desmatamento e o garimpo.

3) QUAL É O PAPEL DA FUNAI?

Criada em 1967, a Funai é o principal órgão indigenista do Estado brasileiro. Antes vinculada ao Ministério da Justiça, a autarquia agora compõe a estrutura do recém-criado Ministério dos Povos Indígenas.

Estão entre as suas atribuições:

  • Promover estudos de identificação e demarcação de terras indígenas, em parceria com o Ministério da Justiça e a presidência da República;
  • Garantir o reconhecimento dos povos indígenas e de suas respectivas culturas, formas de organização social, costumes, línguas, crenças, tradições e do direito inalienável à terra;
  • Proteger e garantir os direitos dos povos isolados;
  • Garantir a proteção e a preservação do meio ambiente e do desenvolvimento sustentável nas terras indígenas;
  • Promover e apoiar levantamentos, censos, estudos e pesquisas sobre os povos indígenas, de forma a valorizar e divulgar suas culturas;

A lei também determina que a Funai atue em parceria com outros ministérios em ações ligadas aos povos indígenas. Tanto na saúde quanto na educação, o órgão age monitorando os trabalhos, que são executados no primeiro caso pela Sesai, vinculada ao Ministério da Saúde, e, no segundo, pelas secretarias municipais e estaduais de educação, em parceria com o Ministério da Educação.

Como já explicado em tópicos anteriores, a autarquia também atua em ações de fiscalização das terras indígenas, auxiliada, por vezes, por órgãos de fiscalização ambiental. No caso do combate a ilícitos, a atuação é em conjunto com o Ministério da Justiça e o Ministério da Defesa.

O orçamento do órgão segue uma tendência de queda há dez anos, como mostra o gráfico abaixo. Para 2023, estão previstos 645,9 milhões para a autarquia.

4) O QUE MUDA COM A CRIAÇÃO DO MINISTÉRIO DOS POVOS INDÍGENAS?

Antes concentradas na Funai, as políticas indigenistas ganharam status ministerial com a criação da pasta dos Povos Indígenas pelo governo Lula. O decreto que descreve a estrutura do novo ministério entrou em vigor na última terça-feira (24) e prevê como principais atribuições:

  • Reconhecer e promover os direitos indígenas;
  • Demarcar, defender e garantir o usufruto exclusivo das terras indígenas;
  • Proteger os povos isolados e de recente contato;
  • Articular tratados e acordos internacionais relacionados aos povos indígenas.

Especialistas consultados pelo Aos Fatos afirmam que, mesmo com a criação do ministério, as políticas públicas indígenas ligadas à saúde, à educação e à segurança devem continuar sendo descentralizadas e fruto de parcerias interministeriais. “Em tese, o ministério vem para fortalecer o que todos os outros órgãos fazem e dar mais pujança dentro do próprio Estado brasileiro, vão conseguir mais recursos e mais força política para que isso seja executado de maneira mais articulada, com mais orçamento”, afirmou o indigenista Fernando Vianna, da Funai.

Referências

  1. Governo federal (1, 2, 3 e 4)
  2. Metrópoles (1 e 2)
  3. CNN Brasil
  4. Poder 360
  5. UOL (1 e 2)
  6. MPF
  7. O Globo
  8. Fantástico
  9. ISA (1 e 2)
  10. Indigenistas Associados
  11. Planalto (1, 2, 3, 4 e 5)
  12. Terras Indígenas
  13. Ministério da Saúde (1 e 2)
  14. Funasa
  15. Senado
  16. Instagram
  17. Aos Fatos
  18. G1
  19. Estado de Minas
  20. Correio Braziliense
  21. Estadão

Compartilhe

Leia também

Por um uso ético da IA no jornalismo

Por um uso ético da IA no jornalismo

falsoBolsonaro não admitiu em áudio participação de Flávio em ‘rachadinha’

Bolsonaro não admitiu em áudio participação de Flávio em ‘rachadinha’

falsoFilho de Lula não comprou a Azul Linhas Aéreas

Filho de Lula não comprou a Azul Linhas Aéreas