Antonio Cruz/ABr

🕐 Esta reportagem foi publicada há mais de seis meses

Percepção sobre corrupção no Brasil piora, mas país está melhor do que há 20 anos

Por Sérgio Spagnuolo

21 de julho de 2016, 11h57

Casos como a Operação Lava Jato e a Operação Zelotes, de grande repercussão política e midiática, têm impacto em como o país vê a corrupção. São esses casos que também têm preponderância sobre os índices sociais e econômicos monitorados pela Transparência Internacional. Em 2015, auge das repercussões de ambos os escândalos, o Brasil caiu sete posições no ranking baseado no IPC (Índice de Percepções de Corrupção), desenvolvido pela entidade.

O índice mede essa percepção em uma escala de 0 a 100, sendo 0 a pior percepção possível e 100, a melhor. Suspeitas sobre autoridades, partidos, funcionários públicos, empresas, executivos e operadores, falta de transparência pública, pouco acesso a informação confiável sobre o poder — tudo isso tem impacto na avaliação. O país computou 38 pontos.

Essa medição é baseada em um cálculo feito a partir de 12 fontes de dados diferentes, abordando dimensões como cumprimento à Convenção Anti-Suborno da OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico), indicadores de controle de corrupção medidos pelo Banco Mundial, liberdade de imprensa e até o Índice de Orçamento Aberto, medido pela International Budget Partnership.

O Ministério Público Federal cita episódios considerados "emblemáticos" para o combate à corrupção no Brasil, como o caso da Sudam (Superintendência do Desenvolvimento da Amazônia), na década de 1990, e o Mensalão, em meados de 2000 — além da Zelotes e da Lava Jato. Esta última foi destaque no mais recente relatório da Transparência Internacional sobre o índice.

"Lidando com muitos casos de corrupção, o Brasil tem sido abalado pelo escândalo da Petrobras", notou a entidade.

Com isso em vista, Aos Fatos preparou um vídeo (veja acima) que localiza vários dos escândalos de corrupção brasileiros desde a década de 1990 e mostra como eles coincidem com oscilações na percepção de corrupção no país.

O levantamento também revela que o Brasil ainda se sai melhor do que alguns países de economia emergente. Aos Fatos analisou dados de China, Índia, México, Rússia e Turquia e constatou que, embora o Brasil não seja modelo internacional, seus pares não raro têm pior avaliação.

Gráfico 1 - Credito: Volt Data Lab

Nota: de 1995 a 2011, os dados foram multiplicados por 10, considerando que a metodologia mudou, sendo anteriormente o máximo 10, e posteriormente, 100


É possível ver que o Brasil está 11 pontos acima do patamar visto em 1995. A Turquia, que atualmente figura em melhor posição, só conquistou um ponto em 20 anos, após ter oscilado bastante no período.

A China, por sua vez, disparou 15 pontos, mas ainda fica aquém do Brasil, enquanto Rússia e México estão em uma posição ruim.

Para se ter uma ideia, quando se trata de disponibilidade de dados orçamentários, o Brasil é um dos países mais bem colocados do mundo, em sexto lugar entre pouco mais de 100 países, acordo com dados de 2015 do Open Budget Survey.

Considera-se também a existência de uma Lei de Acesso à Informação, em vigor desde 2012, que regulamenta o acesso de qualquer pessoa a dados do governo.

Gráfico 2 - Crédito: Volt Data Lab

No entanto, ainda pesam contra o Brasil uma percepção de burocracia pesada e ineficiente e, sobretudo, uma sensível piora nos níveis de cumprimento de combate à corrupção por parte do poder público.

Segundo a análise da Transparência Internacional, que reúne dados de institutos de pesquisa, centros de pesquisas, ONGs, empresas e organizações internacionais, o Brasil piorou significativamente sua capacidade de combater a corrupção. Em 2011, o país estava positivo em 0,15 ponto num ranking que vai de -2,5 pontos a 2,5 pontos. Agora, o país está com -0,38 pontos.

Gráfico 3 - Crédito: Volt Data Lab


* Gráficos por Volt Data Lab
** Você pode acessar todos os dados tabelados dessa reportagem nesta tabela ou na página do Volt no Github

Usamos cookies e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade. Ao continuar navegando, você concordará com estas condições.