Após encontrar Netanyahu e negar ódio a judeus, Musk recomendou perfis com mentiras sobre Israel

Compartilhe

Há três semanas, o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, teve um encontro público com Elon Musk na Califórnia. Ambos aproveitaram a conversa — que está no YouTube de Netanyahu — para abordar críticas recentes:

  • Musk negou que o antissemitismo no X esteja pior do que quando a empresa se chamava Twitter. No mês passado, ele ameaçou processar a ADL (Anti-Defamation League), entidade que combate o ódio a judeus nos Estados Unidos há mais de um século;
  • Já o premiê israelense defendeu sua tentativa de reforma do Judiciário, que gerou queda no apoio da população e protestos nas ruas, e buscou posar como um político que incentiva a inovação e que modernizou a economia do país.

Os ataques terroristas do Hamas são o primeiro evento geopolítico de impacto global que irrompe com o Twitter sob Musk, já que a invasão russa à Ucrânia começou meses antes da aquisição.

No domingo (8), o dono da plataforma recomendou a seus 159,6 milhões de seguidores dois perfis que teriam informações confiáveis sobre o conflito. Na verdade, como mostrou o Washington Post, esses perfis já haviam divulgado mentiras. Musk deletou a recomendação.

Sem funcionários de moderação e segurança, que foram demitidos, e contando apenas com “notas da comunidade”, que não são confiáveis, o X manteve o poder e jogou fora a responsabilidade de pautar conversas relevantes, característica que possui mesmo com audiência menor do que quando era Twitter.

A Plataforma de hoje é sobre as escolhas de Musk e suas consequências.


Conversa. Montagem sobre frame do vídeo de Musk e Netanyahu (Méuri Elle/Aos Fatos)


A newsletter Plataforma chega ao seu email toda quarta-feira.

Assine de graça e receba análises exclusivas.


Musk, Netanyahu e ódio a judeus no X

Na biografia de Musk recém-lançada (Editora Intrínseca), Walter Isaacson escreve que “a questão da moderação de conteúdo dominou a primeira semana” dele como dono do Twitter. Pouco antes de a aquisição ser selada, o rapper Ye (ex-Kanye West) havia sido banido após tuitar: “Quando acordar eu vou detonar os JUDEUS”.

“A saga de Ye”, escreve Isaacson, “acabaria ensinando a Musk uma série de lições sobre a complexidade da liberdade de expressão e as desvantagens de criar regras por impulso”.

O autor relata uma reunião em que esteve presente e na qual Musk disse a Yoel Roth, então chefe da área de confiabilidade e segurança: “Discurso de ódio não tem lugar no Twitter. Não dá para aceitar isso”.

De lá para cá, o novo dono demitiu Roth e disseminou mentiras sobre o ex-funcionário, insinuando que ele, um homem gay, havia publicado um artigo acadêmico incentivando a pedofilia, o que resultou em ameaças de morte.

“Eu tive que vender a minha casa”, relatou Roth em 29 de setembro, durante entrevista no evento Code Conference. “Tive que me mudar e morei em diferentes lugares durante alguns meses, com o meu marido, o meu cachorro e todas as nossas coisas.”

Horas depois, a executiva escolhida por Musk para ser CEO do X, Linda Yaccarino, subiu ao mesmo palco para defender o chefe e rebater Roth em uma entrevista. “Eu trabalho no X, ele trabalhou no Twitter”, soltou.

“O X é uma nova empresa, cuja fundação é a liberdade de expressão”, continuou Yaccarino. “O Twitter operava com regras diferentes, como ele próprio disse, filosofias e ideologias diferentes, que beiravam a censura.”

Os fatos contradizem o que a CEO do X afirma. O que ela chama de “censura”, na verdade, eram regras de governança que buscavam mitigar problemas reais.

A ADL, que Musk ameaçou processar na Justiça dos Estados Unidos, fez críticas à falta de moderação e incentivou anunciantes do X a pararem de financiar, mesmo que indiretamente, o discurso de ódio. As objeções são legítimas diante da liberdade de expressão que o bilionário diz defender.

Como escrevi na Plataforma #01, a debandada de clientes do ex-Twitter — que hoje fatura uma fração da receita que um dia já teve — é reflexo da falta de “segurança de marca”, efeito colateral da falta de moderação de conteúdo. Digo e repito: nenhuma empresa quer ver sua inserção em um print lado a lado com conteúdo neonazista.

Na terça (10), o comissário europeu Thierry Breton enviou um documento à empresa demandando explicações em até 24 horas sobre a circulação de desinformação. No início da semana, o X já havia divulgado um comunicado dizendo que estava investigando o problema.

As consequências da inconsequência de Musk para o próprio bolso já eram sabidas. Os ataques terroristas em Israel e a contraofensiva contra o Hamas servirão para avaliar também as consequências nefastas para o debate público.

Compartilhe

Leia também

Por um uso ético da IA no jornalismo

Por um uso ético da IA no jornalismo

falsoBolsonaro não admitiu em áudio participação de Flávio em ‘rachadinha’

Bolsonaro não admitiu em áudio participação de Flávio em ‘rachadinha’

falsoFilho de Lula não comprou a Azul Linhas Aéreas

Filho de Lula não comprou a Azul Linhas Aéreas