Lista de ‘frequentadores da ilha’ de Jeffrey Epstein que associa celebridades a tráfico sexual é falsa

Compartilhe

É falsa a lista de supostos “frequentadores da ilha” do empresário americano Jeffrey Epstein (1953-2019) que tem sido compartilhada nas redes e associa nomes como o ex-presidente americano Barack Obama, a cantora Beyoncé e a apresentadora Oprah Winfrey à exploração sexual de menores. A maioria das pessoas citadas pelas peças de desinformação sequer aparece nos documentos liberados na última quarta-feira (4). Além disso, nem todas as personalidades citadas foram, necessariamente, acusadas de envolvimento com tráfico sexual.

A falsa lista tem viralizado principalmente no X, onde acumula mais de 3.000 compartilhamentos, e no TikTok, onde foi visualizada mais de 50 mil vezes até a tarde desta quinta-feira (4).


Selo falso

A lista de frequentadores da ilha de Epstein. Ao que parece, há videos de todos eles em situações completamente comprometedoras. Pânico em escala mundial da esquerda globalista.

Tuíte mostra lista de nomes de supostos frequentadores da ilha de Epstein, como Jimmy Kimmel, Madonna e Lady Gaga

Desde que os primeiros documentos judiciais envolvendo Jeffrey Epstein, bilionário americano acusado de exploração sexual de menores, foram revelados na última quarta-feira (3) a pedido da Justiça americana, falsas listas têm circulado nas redes para acusar personalidades de envolvimento com o crime. Uma delas, que tem viralizado nas redes brasileiras, cita nomes como Obama, Beyoncé e Oprah, além de outros artistas e políticos. A maioria dos citados, no entanto, não aparece nos documentos oficiais.

Até o momento, a Justiça americana retirou o sigilo de 943 páginas relacionadas ao processo da ex-namorada de Epstein, Ghislaine Maxwell. Ela e o bilionário são acusados de comandar uma rede de tráfico sexual de menores. Os crimes teriam sido cometidos nas propriedades de Epstein, incluindo uma ilha particular no Caribe.

Nos documentos divulgados constam nomes de diversas pessoas, algumas não necessariamente ligadas à acusação de tráfico sexual, como indivíduos que trabalhavam na casa do empresário, personalidades que poderiam atuar como testemunhas e até possíveis vítimas.

Leia mais
WHATSAPP Inscreva-se no nosso canal e receba as nossas checagens e reportagens

Aos Fatos pesquisou os nomes de todas as 168 pessoas que constam na lista compartilhada pelas peças de desinformação. Delas, apenas 20 foram citadas nos documentos liberados até o momento. A maioria, no entanto, aparece apenas na transcrição de um interrogatório em que a pessoa questionada nega tê-las conhecido.

Alguns indivíduos que constam na lista, porém, de fato foram associados a práticas sexuais:

  • Príncipe Andrew: nos documentos, é dito que o membro da família real britânica teria apalpado o seio da ex-nadadora sueca Johanna Sjoberg quando ela tinha 17 anos. O Palácio de Buckingham nega as acusações;
  • Bill Clinton: apesar de não ser acusado de cometer nenhuma ilegalidade, o nome do ex-presidente americano é citado diversas vezes. Sjoberg alega, por exemplo, que Epstein teria dito que Clinton gostava de “jovens” — não se referindo, necessariamente, a menores de idade;
  • E Jean Luc Brunel (1946-2022): Virginia Giuffre, uma das supostas vítimas de Epstein, disse, em depoimento, que recebeu ordens para ter relações sexuais com o agente de moda francês em diversas ocasiões.

Vale ressaltar que essas páginas são a primeira leva de documentos que tiveram o sigilo retirado a pedido da Justiça americana. A previsão é que mais informações sejam reveladas nos próximos dias.

Compartilhe

Leia também

Pré-candidato, Marçal oferece prêmio a seguidores e especialistas veem infração eleitoral

Pré-candidato, Marçal oferece prêmio a seguidores e especialistas veem infração eleitoral

Atentado contra Trump aponta riscos de uma moderação enfraquecida nas ‘big techs’

Atentado contra Trump aponta riscos de uma moderação enfraquecida nas ‘big techs’

falsoServiço Secreto não desautorizou disparo em autor de atentado contra Trump

Serviço Secreto não desautorizou disparo em autor de atentado contra Trump