É falso que Vai-Vai recebeu R$ 2,1 milhões via Lei Rouanet para desfile de 2024

Compartilhe

Não é verdade que a Vai-Vai, escola de samba que retratou policiais como demônios em uma de suas alas do desfile do Carnaval de São Paulo deste ano, recebeu R$ 2,1 milhões via Lei Rouanet, como afirmam publicações nas redes. Ainda que tenha solicitado o montante e tenha tido seu projeto aprovado pelo Ministério da Cultura, a agremiação não conseguiu captar o dinheiro. Não houve, portanto, verba da lei de fomento no financiamento do desfile deste ano, conforme afirmou a própria Vai-Vai em nota.

A peça de desinformação acumulava mais de dez mil curtidas no Instagram e centenas de compartilhamentos no Facebook até a tarde desta quinta-feira (15).

Leia mais
WHATSAPP Inscreva-se no nosso canal e receba as nossas checagens e reportagens

Selo falso

Escola que retratou PMs como diabos recebeu R$ 2,1 milhões da Lei Rouanet.

Foto do desfile de 2024 mostra policial com asas e chifres de demônio; abaixo, legenda diz que Vai-Vai foi financiada com dinheiro público

São enganosas as publicações que afirmam que a escola de samba Vai-Vai, do Grupo Especial do Carnaval de São Paulo, recebeu R$ 2,1 milhões via Lei Rouanet para o desfile de 2024. Conforme é possível verificar no Versalic, sistema do Ministério da Cultura, a agremiação teve um projeto aprovado para captar recursos via lei de fomento, mas não conseguiu arrecadar o valor mínimo (veja abaixo).

Print da base de dados da Lei Rouanet mostra que desfile da Vai-Vai solicitou R$ 2,19 milhões, mas não conseguiu captar nenhum valor
Sem caixa. Vai-Vai foi autorizada a captar R$ 2,1 milhões para seu desfile, mas não conseguiu arrecadar nada (Reprodução)

A informação incorreta foi publicada inicialmente na coluna de Igor Gadelha, no Metrópoles, na última quarta-feira (14), em texto intitulado “Escola que retratou PMs como diabos recebeu R$ 2,1 mi da Lei Rouanet”. Horas depois, no entanto, a reportagem foi atualizada e teve seu título alterado para “Governo autorizou R$ 2,1 mi a escola que satirizou PMs via Lei Rouanet”.

Conforme consta no próprio texto, a Vai-Vai explicou que “a agremiação não usou os recursos no desfile de 2024 porque não conseguiu arrecadar o mínimo exigido pela Lei Rouanet, de 20% do montante autorizado pelo governo”. A legislação de fato determina que o projeto só pode começar a movimentar os recursos se captar esse valor mínimo. A escola, portanto, deveria ter conseguido ao menos R$ 439,8 mil para poder sacar o dinheiro, o que não ocorreu.

Mesmo após a correção do Metrópoles, no entanto, usuários e políticos continuaram disseminando a alegação enganosa para criticar a escola, o governo federal e a própria Lei Rouanet.

Leia mais
Nas Redes É falso que governo Lula gastou R$ 16 bilhões com Lei Rouanet em 2023

Polêmica. A Vai-Vai escolheu homenagear os 40 anos da cultura Hip Hop no Brasil em seu enredo do Carnaval 2024. Uma das alas, intitulada “Sobrevivendo ao Inferno” — referência ao álbum de mesmo nome do Racionais MC’s — gerou polêmica nas redes por retratar policiais como figuras demoníacas.

O Sindpesp (Sindicato dos Delegados de Polícia do Estado de São Paulo) emitiu uma nota repudiando o desfile da escola, alegando que ele desrespeitava as forças de segurança e demonizava a polícia. Deputados também enviaram ao governo de São Paulo um ofício para pedir que a agremiação não receba mais verba pública.

Em nota, a Vai-Vai disse que “a ala retratada no desfile de sábado, da escola de samba Vai-Vai, à luz da liberdade e ludicidade que o Carnaval permite, fez uma justa homenagem ao álbum e ao próprio Racionais MCs, sem a intenção de promover qualquer tipo de ataque individualizado ou provocação”.

A escola ficou em oitavo lugar do Grupo Especial do Carnaval de São Paulo, com 269,4 pontos. A campeã foi a Mocidade Alegre, com 270 pontos, que desfilou com o enredo “Brasileia Desvairada: a Busca de Mário de Andrade por um País”.

Referências

  1. Ministério da Cultura
  2. Metrópoles (1 e 2)
  3. Portal do Incentivo
  4. Planalto
  5. CNN Brasil (1 e 2)
  6. UOL
  7. Exame

Compartilhe

Leia também

Por um uso ético da IA no jornalismo

Por um uso ético da IA no jornalismo

falsoBolsonaro não admitiu em áudio participação de Flávio em ‘rachadinha’

Bolsonaro não admitiu em áudio participação de Flávio em ‘rachadinha’

falsoFilho de Lula não comprou a Azul Linhas Aéreas

Filho de Lula não comprou a Azul Linhas Aéreas