É falso que Lula recusou vacina japonesa contra a dengue para esperar imunizante nacional

Por Luiz Fernando Menezes

3 de janeiro de 2024, 15h20

Não é verdade que o governo Lula (PT) se recusou a comprar a vacina japonesa contra a dengue QDenga no ano passado para esperar que o Instituto Butantan produzisse um imunizante nacional contra a doença. A vacina produzida pela farmacêutica Takeda foi incorporada ao SUS (Sistema Único de Saúde) em dezembro de 2023.

Publicações com a alegação enganosa acumulavam 2.000 compartilhamentos no Twitter e milhares de visualizações no TikTok e no Telegram até a tarde desta quarta-feira (3).


Selo falso

Lula descartou a vacina japonesa contra a dengue para esperar a vacina nacional do Butantan, que só estará disponível em 2025. Detalhe: O Brasil está registrando números alarmantes de mortes por dengue. Já pode chamar o Lula de #LulaGenocida?

Tweet mostra mulher com cartaz ‘Em 2023, Lula se recusou a comprar vacinas contra a dengue e ninguém o chamou de genocida’ e manchetes  descontextualizadas

São mentirosas as publicações que afirmam que o governo Lula teria rejeitado a compra da vacina japonesa QDenga para aguardar a produção de um imunizante nacional, que seria concluído apenas em 2025 pelo Instituto Butantan. Os posts que fazem essa alegação reciclam uma desinformação antiga e omitem que o governo federal incorporou a QDenga ao SUS (Sistema Único de Saúde) no ano passado.

Após passar por várias etapas de análise, o imunizante japonês passou a integrar o PNI (Programa Nacional de Imunizações) em dezembro de 2023. Vale ressaltar que, dado o número restrito de doses ofertadas pela Takeda, o governo afirmou que irá atender apenas regiões e públicos prioritários. A vacinação pelo programa federal ainda não foi iniciada. O imunizante, no entanto, passou a ser aplicado nesta quarta-feira (3) em Dourados (MS), cidade que realizou parceria com a farmacêutica japonesa.

As publicações enganosas reciclam uma desinformação que circulou nas redes em julho do ano passado e que distorcia informações sobre a QDenga:

  • Em março de 2023, a Anvisa (Agência de Vigilância Sanitária) aprovou o imunizante da Takeda. Isso permitiu que o produto passasse a ser comercializado na rede privada;
  • Meses depois, o jornal O Globo publicou uma reportagem em que afirmava que a vacina não deveria ser incorporada ao SUS em 2023, já que a legislação determinava que ela ainda teria que passar por outras etapas de análise;
  • Publicações enganosas começaram a alegar então que a culpa da demora seria do governo Lula, o que não é verdade: até julho do ano passado, a Takeda sequer havia enviado a documentação necessária para a análise.
Leia mais
Nas Redes Não é verdade que governo Lula recusou vacina contra a dengue aprovada pela Anvisa

É fato, no entanto, que o Butantan está desenvolvendo um imunizante próprio contra a dengue. De acordo com os resultados das três fases dos ensaios clínicos, a vacina possui 79,6% de eficácia geral na prevenção da infecção. Não há, no entanto, nenhuma data prevista para que o imunizante seja aprovado e incorporado ao SUS.

Mortes. De acordo com o Ministério da Saúde, o Brasil registrou 1.079 mortes por dengue em 2023. Trata-se do maior número da série histórica, iniciada em 2000 (veja abaixo). Segundo a pasta, o aumento dos casos e das mortes se deve principalmente à variação climática e à mudança na circulação de variantes do vírus.

A Reuters também desmentiu esta peça de desinformação.

Referências:

1. Ministério da Saúde (1, 2, 3 e 4)
2. G1
3. Aos Fatos
4. O Globo
5. Fiocruz
6. Butantan
7. EBC

Topo

Usamos cookies e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade. Ao continuar navegando, você concordará com estas condições.