É falso que Globo ensina em vídeo como planejar atentado contra Bolsonaro

Por Priscila Pacheco

19 de julho de 2022, 11h43

É falso que a TV Globo tenha gravado um vídeo que ensina como planejar um atentado terrorista para assassinar o presidente Jair Bolsonaro (PL), conforme é dito nas redes sociais (veja aqui). As cenas que mostram um homem ensanguentado com a faixa presidencial são da gravação do filme “A Fúria”, do diretor Ruy Guerra, com previsão para ser lançado no próximo ano. A emissora afirmou em nota que não tem relação com as filmagens. A produção do filme diz que as imagens foram tiradas de contexto.

A peça de desinformação conta com ao menos 10.781 compartilhamentos no Facebook, centenas de interações no Instagram e dezenas de retuítes no Twitter nesta terça-feira (19).


Selo falso

TV Globo ensina como planejar um atentado terrorista e assassinar o Presidente Jair Bolsonaro.

Gravação de filme compartilhada como se fosse TV Globo ensinando a fazer atentado contra Bolsonaro

Um trecho dos bastidores da gravação do filme “A Fúria”, do diretor Ruy Guerra, tem sido compartilhado como se fosse uma produção da Globo que ensina como planejar um atentado terrorista para assassinar o presidente Jair Bolsonaro. As cenas mostram a gravação de uma cena em que um personagem semelhante ao presidente, usando a faixa presidencial, aparece caído de uma moto, ensanguentado. A emissora nega que esteja envolvida na produção do filme, que está previsto para ser lançado em 2023.

Em nota, a Globo disse que não está produzindo nenhuma série, novela ou programa que conte com as cenas disseminadas. A emissora tem participação acionária no Canal Brasil, que detém 3,61% nos direitos patrimoniais do filme, mas afirma não interferir na gestão e nos conteúdos do canal. O Aos Fatos não encontrou nenhum conteúdo do Grupo Globo que estimule ataques contra Bolsonaro.

O Canal Brasil, especializado em cinema, disse em nota que não interfere nas obras que apoia nem tinha conhecimento da cena que mostra um atentado, pois não havia assistido a nenhuma parte do filme, que ainda está sendo gravado.

A equipe produtora de “A Fúria” comentou que as imagens que circulam na internet foram captadas sem autorização e retiradas do contexto da história que será contada. Além disso, afirmou que o diretor Ruy Guerra falará sobre o filme somente quando ele estiver pronto. A previsão é que o longa seja lançado no fim de 2023. Em entrevista à Folha de S.Paulo o cineasta se negou a falar sobre a obra.

A “Fúria” é a terceira e última parte da trilogia de Ruy Guerra sobre a formação do Brasil moderno e conta a história de um filho que confronta o pai em um cenário de agitação política. Os primeiros filmes foram “Os Fuzis” (1963), que relata a chegada de policiais em uma cidade do Nordeste para evitar que a população faminta saqueie a região, e “A Queda” (1978), sobre um funcionário do metrô carioca que morre em um acidente de trabalho.

Para a produção de “A Fúria” foram captados R$ 2 milhões por meio do FSA (Fundo Setorial do Audiovisual), que conta com recursos públicos. A aprovação do projeto ocorreu em outubro de 2016, no governo de Michel Temer (MDB).

Referências:

1. G1
2. Poder360
3. Folha de S.Paulo
4. Revista de Cinema
5. Cinemateca (Fontes 1 e 2)
6. Ancine (Fontes 1 e 2)
7. BRDE


Aos Fatos integra o Programa de Verificação de Fatos Independente da Meta. Veja aqui como funciona a parceria.

Topo

Usamos cookies e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade. Ao continuar navegando, você concordará com estas condições.