Não é verdade que FBI pediu prisão de Moraes e o acusou de elo com narcotráfico

Compartilhe

É falso que o FBI, a polícia federal dos Estados Unidos, tenha pedido a prisão do ministro do STF Alexandre de Moraes após a deputada distrital Paula Belmonte (Cidadania-DF) apresentar provas de que o magistrado recebe dinheiro do narcotráfico. Diferentemente do que alegam as peças de desinformação, a parlamentar nunca denunciou o magistrado e a PGR afirmou que não há pedido de prisão nem procedimentos com esse teor contra ministros do STF.

Publicações com o conteúdo enganoso acumulavam 4.000 curtidas no Instagram e centenas de compartilhamentos no Facebook até a tarde desta terça-feira (9).

Leia mais
WHATSAPP Inscreva-se no nosso canal e receba as nossas checagens e reportagens

Selo falso

FBI volta a pedir a PRISÃO de Moraes após descobrir que ministro recebe dinheiro do narcotráfico

Vídeo difundido nas redes sociais alega que o FBI pediu a prisão do ministro Alexandre de Moraes por elo com o narcotráfico, o que é falso

Publicações nas redes mentem ao alegar que o FBI pediu a prisão de Alexandre de Moraes após a deputada Paula Belmonte apresentar provas de que o ministro do Supremo Tribunal Federal recebe dinheiro do narcotráfico. Segundo as peças de desinformação, a prisão já teria sido deferida pela Procuradoria-Geral da República.

A assessoria de Belmonte afirmou ao Aos Fatos que a parlamentar não fez qualquer denúncia ao FBI nem a autoridades brasileiras contra Moraes, o STF ou qualquer outro órgão. A assessoria também negou que a deputada tenha ido à sede da agência americana durante viagem a Washington – que ocorreu em 2019, e não no início de 2024, como alegam os posts enganosos.

Naquela época, Belmonte era deputada federal e vice-presidente da CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) que apurava contratos do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social). Segundo sua assessoria, a deputada viajou para a capital dos EUA junto com uma comitiva de parlamentares para apurar assuntos relacionados à comissão.

Leia mais
Nas Redes É falso que FBI enviou agentes ao Brasil para prender ministro Alexandre de Moraes
Nas Redes Vídeo mistura teoria conspiratória e acusações sem provas para atacar governo, STF e Exército

O vídeo desinformativo alega ainda que o pedido de prisão e extradição de Moraes foi aceito na última quinta-feira (4) pelo procurador-geral da República, Augusto Aras. Aras, no entanto, deixou a PGR em 2023, quando foi substituído por Paulo Gonet para um mandato de dois anos.

A PGR afirmou em nota que “não há procedimentos públicos em andamento que tratem dos fatos narrados ou relacionados a pedidos de prisão de ministros do Supremo Tribunal Federal”.

Procurado pelo Aos Fatos, o STF disse que o conteúdo do vídeo “não faz sentido”.

O Aos Fatos também não localizou qualquer informação sobre eventuais processos judiciais respondidos por Moraes nos EUA em busca na imprensa e no Court Listener, site que compila movimentações e documentos de ações judiciais que tramitam em tribunais americanos. O ministro tampouco aparece na lista de pessoas procuradas pelo FBI e pela Interpol.

Leia mais
Nas Redes Cumprimento de eventual ordem judicial de Alexandre de Moraes contra Elon Musk depende de aval da Justiça dos EUA

Ainda que houvesse um pedido de prisão em aberto contra Moraes, a decisão não cabe à PGR. O processo no Brasil começa com uma nota emitida pela embaixada do país estrangeiro, que pede a entrega do suposto contraventor ao Ministério das Relações Exteriores. O pedido é encaminhado ao Ministério da Justiça e então ao próprio STF. Além disso, a Constituição e a Lei de Migração vedam a extradição de brasileiros natos, a não ser em casos de perda de nacionalidade.

Referências

  1. Câmara dos Deputados (1 e 2)
  2. Metrópoles
  3. Court Listener
  4. FBI
  5. Interpol
  6. Direitonet
  7. Casa Civil da Presidência da República (1 e 2)

Compartilhe

Leia também

Pablo Marçal descumpre lei eleitoral ao remunerar seguidores na pré-campanha, dizem especialistas

Pablo Marçal descumpre lei eleitoral ao remunerar seguidores na pré-campanha, dizem especialistas

Atentado contra Trump aponta riscos de uma moderação enfraquecida nas ‘big techs’

Atentado contra Trump aponta riscos de uma moderação enfraquecida nas ‘big techs’

falsoServiço Secreto não desautorizou disparo em autor de atentado contra Trump

Serviço Secreto não desautorizou disparo em autor de atentado contra Trump