É falso que sobrinho de Lula foi preso com R$ 6 milhões no Mato Grosso

Por Luiz Fernando Menezes

13 de setembro de 2021, 16h06

Não é verdade que um sobrinho do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) tenha sido preso em Canarana (MT) com cerca de R$ 6 milhões, como alegam nas redes sociais (veja aqui). Esta peça de desinformação foi inspirada em um caso ocorrido em 2015, quando um suspeito de tráfico internacional de drogas foi preso pela Polícia Civil de Mato Grosso com R$ 3,2 milhões. Não há parentesco nem indício de proximidade entre o detido e o petista.

Postagens com a alegação enganosa reuniam ao menos mil compartilhamentos no Facebook na tarde desta segunda-feira (13).


Postagens nas redes sociais enganam ao alegar que um sobrinho do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) teria sido preso recentemente em Canarana (MT) com cerca de R$ 6 milhões em dinheiro. A peça desinformativa faz alusão a um caso que ocorreu em 2015, sem qualquer relação com o petista.

Em abril daquele ano, a Polícia Civil de Mato Grosso prendeu em flagrante José Silvan de Mello, conhecido como “Abençoado”. Investigado por tráfico internacional de drogas, ele carregava R$ 3,2 milhões em sua caminhonete – não R$ 6 milhões, como alegam os posts.

Logo após a notícia de sua prisão, passou a circular nas redes sociais e na internet que Mello era sobrinho de Lula, mas não há qualquer referência ao ex-presidente nas notícias publicadas na época (veja aqui, aqui e aqui) ou na nota oficial da Polícia Civil sobre o caso. O Instituto Lula também negou qualquer parentesco entre o traficante e o petista.

A peça de desinformação tem circulado com duas fotos. A primeira mostra policiais federais escoltando dois homens (veja abaixo) que são, na verdade, os ex-deputados Luiz Argôlo e André Vargas. No registro, eles estão saindo do IML (Instituto Médico Legal) de Curitiba, em abril de 2015, onde fizeram exames de corpo de delito após serem presos pela Operação Lava-Jato.

A segunda foto mostra um monte de dinheiro apreendido (veja abaixo) na operação em Canarana. A imagem foi publicada no site da Polícia Judiciária Civil do Mato Grosso.

Referências:

1. Terra
2. R7
3. G1
4. PNB Online
5. Polícia Civil de Mato Grosso
6. Instituto Lula
7. Folha de S.Paulo

Usamos cookies e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade. Ao continuar navegando, você concordará com estas condições.