É falso que biblioteca da Universidade Petrobras foi destruída

Compartilhe

Não é verdade que a biblioteca e uma exposição da Universidade Petrobras, no Rio de Janeiro, foram destruídas na semana passada, como afirma publicação que circula nas redes sociais (veja aqui). As fotos que mostrariam o suposto desmantelamento do acervo são, na verdade, da mudança das instalações para outro edifício, também no Rio de Janeiro.

A informação falsa foi publicada originalmente pelo site Jornal GGN, que a atribuiu a uma fonte anônima, e reproduzida por diversos sites e perfis nas redes sociais antes de ser corrigida pelo portal.

Mesmo depois da correção, as informações falsas ainda aparecem em perfis pessoais no Facebook e somam mais de 3.000 compartilhamentos até a tarde desta segunda-feira (29). Todas as postagens foram marcadas com o selo FALSO na ferramenta de verificação do Facebook (veja como funciona).


FALSO

A Petrobras mantinha uma biblioteca e um museu de geologia no Rio de Janeiro, vinculado a Universidade da Petrobras, responsável pela formação e atualização de seus profissionais e intercâmbio com universidades. Homens chegaram na biblioteca e avisaram que os profissionais da Petrobras deveriam retirar o que quisessem, porque tudo seria triturado.

Destruíram o acervo e os registros de pesquisas. Lembram nazifascistas queimando livros.

Publicação que circula nas redes sociais afirma que uma biblioteca e um museu de geologia vinculados à Universidade Petrobras, no Rio de Janeiro, teriam sido destruídos na semana passada, assim como o acervo do local e os registros de pesquisa. A série de fotos que acompanha a publicação, no entanto, retrata a transferência das instalações da unidade para outro edifício. A Petrobras nega que o acervo tenha sido destruído e afirma que as imagens mostram apenas os adesivos das paredes que não serão reutilizados.

A Universidade Petrobras é uma unidade da empresa responsável por treinamentos para seus empregados. Segundo a Petrobras, as suas instalações "estão passando por um processo planejado de migração, que envolve a transferência de laboratórios e exposições para o Edihb [Edifício General Horta Barbosa]”.

A Petrobras diz ainda que os adesivos das paredes do Espaço de Geociência Terra e Petróleo foram descartados por já estarem “danificados pelo uso”, mas que o acervo do espaço “se encontra completamente preservado aguardando apenas a sua montagem em local apropriado”.

A informação falsa foi originalmente publicada pelo Jornal GGN e republicada por diversos outros sites, como The World News.net e Diário do Centro do Mundo, que, mais tarde, corrigiram o texto. Algumas publicações dizem, inclusive, que livros e pesquisas seriam triturados.

Segundo a nota da Petrobras, "a biblioteca faz uma triagem periódica de seu acervo e das doações que recebe. Livros em bom estado de uso são mantidos em seu acervo físico ou encaminhados para doação. Única e exclusivamente quando apresentam conteúdo defasado ou sem condições de uso, são encaminhados para reciclagem".

Após o esclarecimento da Petrobras, o Jornal GGN excluiu o texto original e publicou uma correção. Segundo o site, a fonte da informação sobre a destruição teria partido de “um leitor que pediu para não se identificar” e que “encaminhou as imagens ao GGN e disse que funcionários do local foram abordados por homens avisando que eles retirassem o que quisessem, porque o local seria destruído”.

Referências

  1. Petrobras

Compartilhe

Leia também

falsoFilho de Lula não comprou a Azul Linhas Aéreas

Filho de Lula não comprou a Azul Linhas Aéreas

falsoVídeo é editado para fazer crer que família Bolsonaro apoia pré-candidatura de Pablo Marçal

Vídeo é editado para fazer crer que família Bolsonaro apoia pré-candidatura de Pablo Marçal

falsoPosts usam foto de outra pessoa para sugerir que autor de atentado contra Trump era trans

Posts usam foto de outra pessoa para sugerir que autor de atentado contra Trump era trans