Poster do agregador

24.jun.2022

“E diferente do Bolsa Família, lá atrás com o Bolsa Família, quem fosse trabalhar perdia o Bolsa Família. Com o Auxílio Brasil pode trabalhar que não vai perder o Auxílio Brasil.”

É falso que beneficiários do Bolsa Família que entrassem para o mercado formal perdessem o direito ao auxílio. Segundo explica o próprio Ministério da Cidadania em sua página oficial, o principal critério para a participação no programa era a renda familiar, que não poderia exceder R$ 89 mensais por pessoa ou entre R$ 89 e R$ 178 em caso de famílias com crianças entre 0 e 17 anos. A família só perdia o direito ao benefício caso sua renda com o novo emprego formal excedesse o total estipulado pelo programa. Nesse caso, os beneficiários ainda eram incluídos na regra de permanência, em que recebiam o auxílio por mais dois anos caso seus rendimentos não ultrapassassem meio salário mínimo. No caso do Auxílio Brasil, têm direito os que recebem até R$ 210 por pessoa, independentemente de estarem integrados ou não ao mercado formal. Caso o beneficiário seja contratado com carteira assinada enquanto integra o programa, ele tem direito a um bônus de R$ 200 por dois anos.

FONTE ORIGEM

REPETIDA 10 VEZES. Em 2022: 19.mai, 05.jun, 24.jun, 28.jun, 13.ago, 28.ago, 13.set, 14.set, 29.set.

Tema: Direitos e Assistência Social. Origem: Discurso

Em 1.367 dias como presidente, Bolsonaro deu 6.353 declarações falsas ou distorcidas

Esta base agrega todas as declarações de Bolsonaro feitas a partir do dia de sua posse como presidente. As checagens são feitas pela equipe do Aos Fatos semanalmente.

Atualizado em 29 de Setembro, 2022


Explore as afirmações

Filtros

Por tema

Por origem

Ordenar por

20.set.2022

“Concluímos o projeto de transposição do rio São Francisco levando água para o Nordeste brasileiro.”

Bolsonaro costuma afirmar que levou água para o Nordeste com a transposição do rio São Francisco, mas oculta que, quando assumiu a Presidência, 96% das obras já estavam concluídas. Segundo o Ministério do Desenvolvimento Regional, o Eixo Leste já estava pronto desde março de 2017 e só faltavam ser entregues obras do Eixo Norte. Além do projeto previsto desde 2013, o governo Bolsonaro anunciou que pretende retomar a proposta original da transposição, que totaliza 669 quilômetros de obras e 3.000 quilômetros de canais e adutoras auxiliares. As novas estruturas, no entanto, ainda não foram concluídas.

LEIA MAIS FONTE ORIGEM

REPETIDA 4 VEZES. Em 2022: 18.set, 20.set, 21.set.

Tema: Infraestrutura. Origem: Discurso

20.set.2022

“Pois alimentamos mais de 1 bilhão de pessoas ao redor do mundo.”

Segundo estudo publicado pela Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária) em março de 2021, a produção e a exportação de grãos e de carne bovina brasileira foi responsável por alimentar 772,6 milhões de pessoas em todo o mundo em 2020, não 1 bilhão de pessoas, como diz o presidente. Descontados 212,3 milhões de brasileiros, os autores do estudo concluem que 560,3 milhões de cidadãos de outros países são beneficiados pela produção brasileira de alimentos. Os dados são ligeiramente superiores aos estimados com base em números da FAO (Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura), que apontam um total de 628,2 milhões de pessoas alimentadas com produtos brasileiros. O Departamento de Agricultura dos EUA calcula que esse número seja de 625 milhões de pessoas, e o IGC (International Grains Council) indica um total de 636,9 milhões. Bolsonaro já repetiu essa desinformação pelo menos 39 vezes, conforme aponta a base de declarações mantida por Aos Fatos.

LEIA MAIS FONTE ORIGEM

REPETIDA 45 VEZES. Em 2021: 06.mar, 15.mai, 10.set, 17.set, 21.set, 22.set, 23.set, 01.nov, 15.nov, 16.nov. Em 2022: 17.mar, 23.mar, 19.abr, 29.abr, 11.mai, 10.jun, 30.jun, 05.jul, 18.jul, 21.jul, 23.jul, 24.jul, 25.jul, 11.ago, 16.ago, 18.ago, 19.ago, 23.ago, 24.ago, 31.ago, 07.set, 11.set, 12.set, 13.set, 16.set, 18.set, 20.set, 29.set.

Tema: Economia. Origem: Discurso

20.set.2022

“Dois terços de todo o território brasileiro permanecem com vegetação nativa que se encontra exatamente como estava quando o Brasil foi descoberto em 1500.”

Não é verdade que o Brasil possui dois terços de sua vegetação intacta desde a chegada dos portugueses, em 1500. De acordo com dados do MapBiomas, o país contava, em 2021, com 66% do território coberto por vegetação nativa, mas isso não significa que essas áreas não sofreram ação humana. Isso porque ao menos 9,3% da vegetação nativa do país é secundária, ou seja, está localizada em áreas que já foram desmatadas e convertidas para uso humano ao menos uma vez. Dentre os espaços que nunca sofreram com o desmatamento, há ainda regiões que já foram degradadas pelo fogo ou pela exploração de madeira.

LEIA MAIS FONTE ORIGEM

REPETIDA 7 VEZES. Em 2021: 21.set, 01.out. Em 2022: 04.abr, 13.set, 18.set, 20.set, 29.set.

Tema: Meio ambiente. Origem: Discurso

20.set.2022

“Na Amazônia brasileira, área equivalente à Europa Ocidental...”

Diferentemente do que foi afirmado por Bolsonaro, a área ocupada pela Amazônia Legal (5 milhões de km²) é superior à da Europa Ocidental (cerca de 1 milhão de km²).

LEIA MAIS FONTE ORIGEM

REPETIDA 16 VEZES. Em 2021: 21.set, 19.nov. Em 2022: 31.jan, 16.abr, 05.jun, 10.jun, 13.jun, 29.jun, 17.jul, 19.ago, 22.ago, 23.ago, 30.ago, 18.set, 20.set, 29.set.

Tema: Outros. Origem: Discurso

20.set.2022

“Quero também destacar aqui a prioridade que temos atribuído à proteção das mulheres.”

A verba destinada a ações de combate à violência contra as mulheres caiu no governo atual, por isso a declaração do presidente é FALSA. Dados do Siga Brasil, portal de transparência do Orçamento, mostram que, em 2019, ainda sob planejamento de Michel Temer (MDB), foram pagos R$ 55 milhões (em valores corrigidos pela inflação) em políticas de igualdade e enfrentamento à violência contra as mulheres. Essa quantia caiu para R$ 6,4 milhões em 2020, R$ 2,1 milhões em 2021 e, neste ano, foram gastos R$ 3,4 milhões para essa finalidade até 18 de setembro. Segundo a Folha de S.Paulo, o orçamento do Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos caiu 90%, e, neste ano, teve R$ 9,1 milhões. No projeto de Orçamento de 2023 está previsto um leve aumento na verba para proteção das mulheres. Porém, a quantia ainda é menor do que o necessário e pode fazer com que o serviço Ligue 180, canal de denúncias de violência doméstica, seja paralisado no ano que vem. A pasta afirmou ao jornal que pretende usar recursos que estão previstos para outras ações, como a Ouvidoria Nacional de Direitos Humanos.

LEIA MAIS FONTE ORIGEM

Tema: Segurança. Origem: Discurso

20.set.2022

“Nosso esforço em sancionar mais de 70 normas legais sobre o tema desde o início do meu governo em 2019 é prova cabal desse compromisso.”

O governo Bolsonaro não sancionou mais de 70 leis em defesa das mulheres. Em levantamento no Diário Oficial da União, Aos Fatos encontrou 41 normas que beneficiam mulheres e que entraram em vigor durante o atual governo. Entre elas, quatro foram vetadas parcialmente por Bolsonaro no momento da sanção e uma, totalmente — a inscrição da psiquiatra Nise da Silveira no livro de heróis e heroínas da Pátria, veto posteriormente derrubado pelo Congresso. Entre as mudanças aprovadas estão alterações à Lei Maria da Penha que reforçam o combate à violência doméstica, mudanças em procedimentos do SUS (Sistema Único de Saúde) que permitem a realização de ultrassonografia mamária para prevenção de câncer e a inclusão de conteúdo sobre a prevenção da violência contra a mulher nos currículos da educação básica. O Aos Fatos também encontrou outras 12 leis que, apesar de não dizerem respeito especificamente a direitos femininos, contêm trechos que beneficiam as mulheres, como um dispositivo da lei Aldir Blanc que garante duas cotas da renda emergencial para mulher provedora de família monoparental. Mesmo ao somá-las às outras 41 leis, no entanto, não se chega ao número citado pelo presidente.

LEIA MAIS FONTE ORIGEM

REPETIDA 3 VEZES. Em 2022: 13.jul, 20.jul, 20.set.

Tema: Segurança. Origem: Discurso

20.set.2022

“Queda de 7,7% no número de feminicídios (...)”

Diferentemente do que Bolsonaro afirma, a taxa de feminicídios no Brasil não apresentou queda durante seu governo. Em 2018, último ano de Michel Temer (MDB) no Palácio do Planalto, a taxa era de 1,1 a cada 100 mil mulheres. Em 2019, subiu para 1,2. Em 2020, ela foi para 1,3 e, em 2021, últimos dados disponíveis, voltou a 1,2. As informações são do Anuário Brasileiro de Segurança Pública e consideram os assassinatos por motivos ligados ao gênero, tanto em contexto de violência doméstica quanto em decorrência de misoginia.

LEIA MAIS FONTE ORIGEM

Tema: Segurança. Origem: Discurso

20.set.2022

“Em 2017 eram 30 mortes por 100 mil habitantes. Agora são 19.”

O Brasil de fato registrou uma taxa de mortes violentas intencionais (homicídio doloso, latrocínio, lesão corporal seguida de morte e mortes em decorrência de intervenções policiais) de 30,8 por 100 mil habitantes em 2017, de acordo com o Anuário Brasileiro de Segurança Pública, elaborado pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública. Em 2021, dados mais recentes disponíveis, a proporção caiu para 22,3%, e não para 19%, como afirma o presidente. O Monitor da Violência de 2021, organizado pelo site G1, apresenta um dado semelhante ao mencionado pelo presidente. Esse documento, contudo, tem diferenças metodológicas em relação ao anuário — não leva em consideração, por exemplo, mortes em decorrência de intervenções policiais.

LEIA MAIS FONTE ORIGEM

Tema: Segurança. Origem: Discurso

20.set.2022

“Desde 2018 mais de 6 milhões de irmãos venezuelanos foram obrigados a deixar seu país.”

De acordo com levantamento da Acnur (Agência da ONU para Refugiados), havia 3,4 milhões de venezuelanos em situação de refúgio em 2018. Esse contingente saltou para 6,1 milhões em 2021, também segundo a agência. O número de venezuelanos que deixaram o país desde 2018, portanto, foi de cerca de 2,7 milhões, abaixo do citado pelo presidente.

LEIA MAIS FONTE ORIGEM

Tema: Outros. Origem: Discurso

20.set.2022

“Nos últimos meses chegam por dia ao Brasil a pé cerca de 600 venezuelanos (...)”

É FALSO que cerca de 600 venezuelanos cruzem a fronteira com o Brasil todos os dias, como afirma Bolsonaro. De acordo com os dados mais recentes da Operação Acolhida, o fluxo diário médio de entrada por Pacaraima (RR) é de 239 venezuelanos por dia. O número é similar ao observado em abril e maio, quando as médias foram de 263 e 243, respectivamente. Os valores não chegam aos citados por Bolsonaro nem se for considerado o mês com maior fluxo migratório, o de abril, quando 419 venezuelanos cruzaram a fronteira por dia rumo a Pacaraima.

FONTE ORIGEM

Tema: Outros. Origem: Discurso

18.set.2022

“Ninguém tem dois terços do teu território preservado, que se encontra da mesma forma quando Pedro Álvares Cabral descobriu o Brasil em 1500.”

É FALSO que dois terços da cobertura vegetal brasileira não tenham sofrido alterações desde 1500. De acordo com dados do MapBiomas, o país conte com 66,8% do território coberto por vegetação nativa, mas isso não significa que as áreas não sofreram necessariamente com a ação humana. Isso porque ao menos 9,3% da vegetação nativa do país é secundária, ou seja, está localizada em áreas que já foram desmatadas e convertidas para uso humano ao menos uma vez. Dentre os espaços que nunca foram desmatados, há ainda regiões que já foram degradadas pelo fogo ou pela exploração de madeira.

FONTE ORIGEM

REPETIDA 7 VEZES. Em 2021: 21.set, 01.out. Em 2022: 04.abr, 13.set, 18.set, 20.set, 29.set.

Tema: Meio ambiente. Origem: Entrevista

18.set.2022

“O Brasil, além do agronegócio, além de alimentar mais de 1 bilhão de pessoas ao redor do mundo (...)”

Segundo estudo publicado pela Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária) em março de 2021, a produção e a exportação de grãos e de carne bovina brasileira foi responsável por alimentar 772,6 milhões de pessoas em todo o mundo em 2020, não 1 bilhão de pessoas, como diz o presidente. Descontados 212,3 milhões de brasileiros, os autores do estudo concluem que 560,3 milhões de cidadãos de outros países são beneficiados pela produção brasileira de alimentos. Os dados são ligeiramente superiores aos estimados com base em números da FAO (Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura), que apontam um total de 628,2 milhões de pessoas alimentadas com produtos brasileiros. O Departamento de Agricultura dos EUA calcula que esse número seja de 625 milhões de pessoas, e o IGC (International Grains Council) indica um total de 636,9 milhões.

FONTE ORIGEM

REPETIDA 45 VEZES. Em 2021: 06.mar, 15.mai, 10.set, 17.set, 21.set, 22.set, 23.set, 01.nov, 15.nov, 16.nov. Em 2022: 17.mar, 23.mar, 19.abr, 29.abr, 11.mai, 10.jun, 30.jun, 05.jul, 18.jul, 21.jul, 23.jul, 24.jul, 25.jul, 11.ago, 16.ago, 18.ago, 19.ago, 23.ago, 24.ago, 31.ago, 07.set, 11.set, 12.set, 13.set, 16.set, 18.set, 20.set, 29.set.

Tema: Economia. Origem: Entrevista

18.set.2022

“(...) criamos o Pix (...)”

Apesar de ter sido lançado em novembro de 2020, durante a gestão de Jair Bolsonaro, o Pix começou a ser estudado pelo Banco Central em 2016 e teve suas principais diretrizes definidas em 2018, ainda durante a gestão de Michel Temer (MDB). Em dezembro de 2016, o então presidente da instituição, Ilan Goldfajn, afirmou à imprensa que o BC se preparava para lançar uma ferramenta inspirada no Zelle, modelo de pagamentos instantâneos anunciado por uma fintech dos EUA. Ainda em 2016, servidores do banco produziram um relatório sobre os possíveis benefícios desse tipo de sistema, que passou a ser mais discutido ao longo de 2017. Por fim, em maio de 2018, foi instituído um grupo de trabalho chamado "Pagamentos Instantâneos", que estabeleceu as principais diretrizes para o que viria a ser o Pix. Posteriormente, já no início do governo Bolsonaro, foram realizados processos técnicos de desenvolvimento de sistema e criação da marca, segundo nota enviada pelo Banco Central ao UOL.

LEIA MAIS FONTE ORIGEM

REPETIDA 16 VEZES. Em 2022: 05.mai, 17.mai, 30.mai, 05.jun, 28.jun, 01.jul, 05.jul, 13.jul, 15.jul, 28.jul, 02.ago, 08.ago, 13.set, 15.set, 18.set.

Tema: Economia. Origem: Entrevista

18.set.2022

“Nós alimentamos mais de 1 bilhão de pessoas ao redor do mundo (...)”

Segundo estudo publicado pela Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária) em março de 2021, a produção e a exportação de grãos e de carne bovina brasileira foi responsável por alimentar 772,6 milhões de pessoas em todo o mundo em 2020, não 1 bilhão de pessoas, como diz o presidente. Descontados 212,3 milhões de brasileiros, os autores do estudo concluem que 560,3 milhões de cidadãos de outros países são beneficiados pela produção brasileira de alimentos. Os dados são ligeiramente superiores aos estimados com base em números da FAO (Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura), que apontam um total de 628,2 milhões de pessoas alimentadas com produtos brasileiros. O Departamento de Agricultura dos EUA calcula que esse número seja de 625 milhões de pessoas, e o IGC (International Grains Council) indica um total de 636,9 milhões.

FONTE ORIGEM

REPETIDA 45 VEZES. Em 2021: 06.mar, 15.mai, 10.set, 17.set, 21.set, 22.set, 23.set, 01.nov, 15.nov, 16.nov. Em 2022: 17.mar, 23.mar, 19.abr, 29.abr, 11.mai, 10.jun, 30.jun, 05.jul, 18.jul, 21.jul, 23.jul, 24.jul, 25.jul, 11.ago, 16.ago, 18.ago, 19.ago, 23.ago, 24.ago, 31.ago, 07.set, 11.set, 12.set, 13.set, 16.set, 18.set, 20.set, 29.set.

Tema: Economia. Origem: Entrevista

18.set.2022

“Agora, é mentira a matéria da Folha e UOL que é dinheiro vivo. Ela tem que dizer quais imóveis foram comprados em dinheiro vivo porque isso não tá lá na escritura, a escritura diz moeda corrente. ”

O presidente engana ao afirmar que uma reportagem do UOL se baseou apenas na expressão "moeda corrente" presente em documentos oficiais para afirmar que a família Bolsonaro adquiriu 51 imóveis em dinheiro vivo desde 1990. A reportagem confirmou com oficiais de cartórios e vendedores de imóveis quais negócios foram realizados com valores em espécie, e algumas das escrituras trazem expressões que se referem especificamente ao uso de dinheiro em cédulas, ou dinheiro vivo, como “moeda corrente contada e achada certa” ou “em espécie”. Essas expressões, segundo as fontes citadas, são discriminadas nas escrituras para diferenciar o uso de dinheiro vivo de outras formas de pagamento, como cheques, notas promissórias, depósitos bancários ou cartões de crédito e débito. Dos 107 bens listados na reportagem, 17 estão elencados nas investigações do Ministério Público do Rio de Janeiro sobre supostos casos de corrupção nos gabinetes de dois filhos do presidente, o vereador carioca Carlos Bolsonaro (PL) e o senador Flávio Bolsonaro (PL-RJ), no âmbito do chamado “escândalo das rachadinhas”. Outros 24 foram registrados em São Paulo, estado onde os cartórios, desde 1989, precisam especificar nas escrituras qual a forma de pagamento adotada. O levantamento considera apenas os imóveis negociados desde o início dos anos 1990, quando Jair Bolsonaro assumiu o cargo de deputado federal pela primeira vez.

FONTE ORIGEM

REPETIDA 4 VEZES. Em 2022: 06.set, 08.set, 18.set, 26.set.

Tema: Família Bolsonaro, Imprensa. Origem: Entrevista

Topo

Usamos cookies e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade. Ao continuar navegando, você concordará com estas condições.