Vídeo sobre ônibus incendiado e grito de ‘fora, Bolsonaro’ é antigo

Compartilhe

Não é recente e nem tem relação com os atos de vandalismo em Brasília na última segunda-feira (12) o vídeo em que uma cobradora de ônibus diz que um homem gritou “fora, Bolsonaro” ao atear fogo no veículo. As peças de desinformação usam uma gravação publicada em junho de 2020 pelo site Metrópoles que diz respeito a um caso ocorrido próximo ao Palácio do Planalto.

O vídeo descontextualizado circula em diversas redes sociais e acumula centenas de compartilhamentos. A peça de desinformação também tem sido disseminada no Telegram e no WhatsApp (fale com a Fátima).


Selo não é bem assim

Cobradora fala do atentado ao ônibus em Brasília. Veja. A revelação pegou a imprensa de surpresa.

Vídeo antigo sobre denúncia vandalismo é usado para apontar que atos em Brasília teriam sido obra de infiltrados

Um vídeo gravado pelo site Metrópoles em junho de 2020 tem sido compartilhado nas redes sociais como se provasse que os atos de violência registrados em Brasília, na segunda-feira (12), teriam sido orquestrados por militantes de esquerda infiltrados. O registro original, na verdade, mostra uma entrevista em que a cobradora de ônibus Deusilde Santana narra um ataque realizado por um manifestante, que gritou “fora Bolsonaro” após atear fogo no veículo.

De acordo com relatos da época, o homem embarcou em um ônibus na rodoviária do Plano Piloto, que fica na região central da cidade, no fim da tarde do dia 25 de junho daquele ano. Ele espalhou gasolina pelo veículo, ateou fogo e desceu em uma parada próxima ao STF (Supremo Tribunal Federal), em frente à praça dos Três Poderes, onde também se encontram o Congresso Nacional e o Palácio do Planalto, sede do Poder Executivo. O manifestante foi detido e ninguém se feriu.

Leia mais
BIPE Sem provas, bolsonaristas já acusavam ‘infiltrados’ antes mesmo de vandalismo em Brasília

Na segunda-feira (12), manifestantes depredaram um prédio da Polícia Federal, que fica em outra área da cidade, e incendiaram veículos. Antes mesmo dos atos violentos, passaram a circular publicações nas redes com a alegação, sem provas, de que os vândalos seriam “esquerdistas infiltrados” nas manifestações até então pacíficas. Além de usarem indícios frágeis, apoiadores do atual presidente também têm compartilhado imagens antigas para atribuir o episódio a grupos de esquerda.

Referências

  1. Metrópoles
  2. CNN Brasil
  3. G1
  4. Aos Fatos (1 e 2)

Compartilhe

Leia também

Por um uso ético da IA no jornalismo

Por um uso ético da IA no jornalismo

falsoBolsonaro não admitiu em áudio participação de Flávio em ‘rachadinha’

Bolsonaro não admitiu em áudio participação de Flávio em ‘rachadinha’

falsoFilho de Lula não comprou a Azul Linhas Aéreas

Filho de Lula não comprou a Azul Linhas Aéreas