Marcelo Camargo/ABr

🕐 Esta reportagem foi publicada há mais de seis meses

Veja tudo o que já checamos sobre Cunha

7 de julho de 2016, 13h38

Aos Fatos iniciou seu trabalho em 7 de julho de 2015 e, dez dias depois, em seu primeiro esforço de checagem em tempo real, analisou o pronunciamento do então presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB), em rede nacional. Desde então, Aos Fatos toca uma cobertura sistemática dos principais fatos políticos relacionados ao peemedebista — além de toda a cobertura do impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff.

A totalidade das checagens sobre Cunha está reunida neste índice. Veja, abaixo, o que checamos e clique nas declarações para ter acesso a mais detalhes.


FALSO
Quantos petistas estão denunciados? [Janot] age com seletividade e só se concentra no que lhe interessa.

EXAGERADO
Esta Casa Legislativa cumpriu seu papel de não apenas legislar, mas tratar com a mesma importância as demandas da sociedade.

VERDADEIRO
Nunca na história de um mandato houve tantos pedidos de impeachment.

IMPRECISO
Não declarei porque o recurso foi gerado fora do país. Pela legislação do país que ele existia, ele foi tributado. Você não tinha naquela época legislação clara sobre lucros no exterior, como tem hoje. Não houve uma evasão de divisas. O que houve foi ganhos no exterior que não foram declarados aqui.

VERDADEIRO
Eu já fui réu. Um ano depois, fui inocentado por unanimidade.

IMPRECISO
Me deixam até um pouco irritado porque só tenho duas opções: aceitar ou rejeitar os pedidos de impeachment. E botar na gaveta? Qual foi o presidente da Casa que deixou na gaveta um pedido de impeachment? Tem um livro aqui com o registro de todos os pedidos de impeachment [contra outros presidentes]. Não tem um caso que ficou na gaveta. Então eu não tenho esse direito. Tenho obrigação funcional.

EXAGERADO
Aprovamos projetos que combatem a impunidade, pois é ela que estimula o crime e amedronta a população. Com coragem e maturidade, votamos a redução da maioridade — e aprovamos o projeto com 323 votos, ampla maioria.

FALSO
Colocamos em votação o projeto que regulamenta os direitos do trabalhador terceirizado com o apoio de grande parte das centrais sindicais.

IMPRECISO
Também criamos o comprovante de voto impresso em papel, garantindo que o seu voto seja respeitado, e a eleição, mais transparente.

VERDADEIRO
Estamos avançando, votando temas que a sociedade aguarda há anos — em alguns casos, há décadas. Nunca a Câmara trabalhou tanto como agora.

Usamos cookies e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade. Ao continuar navegando, você concordará com estas condições.