Mulher morta no Amazonas não havia denunciado abuso infantil no Marajó

Compartilhe

Não é verdade que Maricélia Pereira Leal, assassinada em novembro do ano passado em Itacoatiara (AM), foi morta depois de denunciar casos de abuso sexual infantil na Ilha de Marajó (PA), como afirmam peças de desinformação nas redes. Na realidade, a vítima foi atacada depois de afirmar em entrevista a um canal local de televisão que estava sendo ameaçada por um homem que a havia roubado.

Os posts enganosos acumulavam mais de 40 mil visualizações no Kwai e centenas de compartilhamentos no Facebook até a tarde desta segunda-feira (4). As peças de desinformação também circulam no WhatsApp, plataforma na qual não é possível estimar o alcance dos conteúdos (fale com a Fátima).

Leia mais
WHATSAPP Inscreva-se no nosso canal e receba as nossas checagens e reportagens

Selo falso

Mulher que deu entrevista denunciando os abusos lá no marajó é encontrada morta, quem será que mandou matar como fez com Celso Daniel?

Reportagem sobre assassinato em Itacoatiara é distorcido para tentar relacioná-lo a Marajó

Um crime ocorrido em novembro do ano passado em Itacoatiara (AM) tem sido descontextualizado nas redes para fazer crer que a vítima teria sido morta após denunciar casos de abuso sexual infantil na Ilha de Marajó. As peças distorcem um vídeo publicado pelo canal Portal LCJ no qual não há nenhuma menção ao arquipélago paraense.

A gravação noticia o assassinato de Maricélia Pereira Leal, conhecida como Macuxi. Segundo a imprensa local, a mulher foi vítima de um assalto em 23 de novembro daquele ano, e o ladrão a ameaçou de morte. Leal, então, registrou um boletim de ocorrência na delegacia da cidade e chegou a conceder uma entrevista ao Portal LCJ no mesmo dia. No dia 25, no entanto, o assaltante invadiu sua casa e a matou.

Cerca de um mês depois, a Polícia Civil da cidade prendeu o suspeito pelo homicídio. Em fevereiro deste ano, os policiais prenderam outro homem suspeito de ser o mandante do assassinato.

Leia mais
Explicamos O que é fato sobre as denúncias de abuso infantil na Ilha de Marajó
BIPE Show em reality gospel ressuscita denúncia sem provas de Damares sobre abuso infantil no Marajó

A exploração sexual de crianças e adolescentes na Ilha de Marajó voltou a ser assunto nas redes depois de a cantora gospel Aymeê Rocha fazer menção ao crime durante uma apresentação em um reality show no YouTube. Junto de sua fala e de relatos reais sobre abuso infantil na região, passaram a viralizar nas redes peças de desinformação e uma denúncia sem provas feita em 2022 pela senadora Damares Alves (Republicanos).

Referências

  1. CM7 Brasil
  2. O Login da Notícia (1 e 2)

Compartilhe

Leia também

Um estelionato a cada 16 segundos: por que os golpes digitais crescem no Brasil

Um estelionato a cada 16 segundos: por que os golpes digitais crescem no Brasil

falsoChina não homenageou Palestina em uniforme criado para a Olimpíada de Paris

China não homenageou Palestina em uniforme criado para a Olimpíada de Paris

falsoÉ montagem foto que mostra Kamala Harris ao lado de Jeffrey Epstein

É montagem foto que mostra Kamala Harris ao lado de Jeffrey Epstein