Poster do agregador

Em 1.407 dias como presidente, Bolsonaro deu 6.673 declarações falsas ou distorcidas

Esta base agrega todas as declarações de Bolsonaro feitas a partir do dia de sua posse como presidente. As checagens são feitas pela equipe do Aos Fatos semanalmente.

Atualizado em 08 de Novembro, 2022


Número de afirmações sobre




As três afirmações mais repetidas

REPETIDA 249 VEZES

Em 2019: 15.dez, 23.dez, 24.dez, 26.dez. Em 2020: 10.jan, 06.fev, 20.fev, 03.mar, 09.mar, 16.mar, 20.mar, 22.abr, 28.abr, 05.mai, 22.mai, 28.mai, 26.jul, 30.jul, 02.ago, 13.ago, 07.out, 08.out, 11.out, 15.out, 22.out, 29.out, 09.nov, 25.nov, 29.nov, 08.dez, 10.dez, 15.dez, 19.dez, 24.dez, 31.dez. Em 2021: 07.jan, 11.jan, 12.jan, 15.jan, 18.jan, 08.fev, 11.fev, 20.fev, 04.mar, 07.abr, 27.abr, 05.mai, 08.mai, 11.mai, 13.mai, 10.jun, 15.jun, 18.jun, 21.jun, 24.jun, 25.jun, 07.jul, 12.jul, 13.jul, 18.jul, 19.jul, 21.jul, 22.jul, 26.jul, 27.jul, 29.jul, 31.jul, 02.ago, 04.ago, 05.ago, 06.ago, 17.ago, 19.ago, 23.ago, 24.ago, 25.ago, 28.ago, 30.ago, 31.ago, 09.set, 10.set, 15.set, 17.set, 21.set, 23.set, 24.set, 30.set, 09.out, 13.out, 14.out, 18.out, 20.out, 21.out, 24.out, 25.out, 27.out, 07.nov, 09.nov, 10.nov, 19.nov, 22.nov, 23.nov, 25.nov, 26.nov, 02.dez, 07.dez, 09.dez, 10.dez, 15.dez, 19.dez, 27.dez, 30.dez, 31.dez. Em 2022: 06.jan, 12.jan, 20.jan, 31.jan, 02.fev, 07.fev, 09.fev, 10.fev, 11.fev, 12.fev, 16.fev, 18.fev, 21.fev, 23.fev, 24.fev, 25.fev, 28.fev, 04.mar, 07.mar, 16.mar, 21.mar, 22.mar, 23.mar, 27.mar, 04.abr, 08.abr, 11.abr, 12.abr, 15.abr, 05.mai, 12.mai, 30.mai, 02.jun, 08.jun, 15.jun, 18.jun, 24.jun, 09.jul, 23.jul, 24.jul, 27.jul, 30.jul, 22.ago, 24.ago, 03.set, 06.set, 07.set, 11.set, 13.set, 14.set, 16.set, 17.set, 20.set, 24.set, 29.set, 04.out, 12.out, 14.out, 21.out, 23.out, 26.out, 27.out, 28.out.

“Qual a corrupção no meu governo? Não tem, tem acusações vagas, levianas.”

Integrantes e ex-integrantes do governo Bolsonaro são alvos de investigações e denúncias de corrupção e outros delitos ligados à administração pública. Em junho de 2022, a PF (Polícia Federal) prendeu preventivamente o ex-ministro da Educação Milton Ribeiro por suposto envolvimento em um esquema de liberação de verbas na pasta. Ele é investigado por prevaricação, advocacia administrativa e tráfico de influência e foi liberado por habeas corpus. Atuais e antigos integrantes do governo também são investigados pela PF ou pelo Ministério Público por suspeita de corrupção, como o ministro-chefe da Casa Civil, Ciro Nogueira (PP); Ricardo Salles (PL), ex-titular do Meio Ambiente; o deputado federal Marcelo Álvaro Antônio (PL), que comandou o Turismo; e Fabio Wajngarten, que chefiou a Secom (Secretaria Especial de Comunicação Social). Além disso, relatório de junho deste ano da Americas Society/Council of the Americas afirma que as tentativas do presidente de controlar órgãos de investigação e os cortes orçamentários de agências independentes seriam sinais de recuo no combate à corrupção no Brasil.

REPETIDA 139 VEZES

Em 2020: 09.abr, 11.abr, 16.abr, 18.abr, 29.abr, 30.abr, 02.mai, 07.mai, 14.mai, 19.mai, 20.mai, 21.mai, 22.mai, 26.mai, 28.mai, 02.jun, 03.jun, 04.jun, 08.jun, 09.jun, 11.jun, 15.jun, 18.jun, 19.jun, 25.jun, 07.jul, 09.jul, 16.jul, 18.jul, 06.ago, 13.ago, 24.ago, 25.ago, 03.set, 16.set, 22.set, 24.set, 09.out, 19.out, 09.nov, 10.dez, 19.dez, 24.dez, 31.dez. Em 2021: 07.jan, 14.jan, 15.jan, 21.jan, 04.fev, 02.mar, 03.mar, 04.mar, 10.mar, 21.jul, 22.jul, 28.jul, 29.jul, 02.ago, 04.ago, 05.set, 15.set, 27.set, 09.out, 14.out, 31.out, 23.nov, 25.nov, 26.nov, 02.dez, 07.dez, 08.dez, 11.dez, 19.dez. Em 2022: 12.jan, 14.jan, 31.jan, 02.fev, 08.fev, 09.fev, 11.fev, 25.fev, 17.mar, 21.mar, 12.abr, 28.abr, 13.mai, 16.mai, 19.mai, 29.jun, 05.jul, 20.jul, 24.jul, 30.jul, 08.ago, 03.set.

“Eu fui desautorizado pelo Supremo Tribunal Federal [durante a pandemia de Covid-19].”

O STF (Supremo Tribunal Federal) não retirou do Executivo o poder de conduzir ações para controlar a pandemia da Covid-19 no Brasil, como afirma Bolsonaro. A corte entendeu, na verdade, que a União não poderia invadir as competências de municípios, de estados e do Distrito Federal. O presidente não poderia, por exemplo, derrubar medidas de isolamento social colocadas em práticas por prefeitos, mas a União não foi impedida de conduzir outras medidas de combate à Covid-19. “O plenário decidiu, no início da pandemia, em 2020, que União, estados, Distrito Federal e municípios têm competência concorrente na área da saúde pública para realizar ações de mitigação dos impactos do novo coronavírus. Esse entendimento foi reafirmado pelos ministros do STF em diversas ocasiões. Ou seja, conforme as decisões, é responsabilidade de todos os entes da federação adotarem medidas em benefício da população brasileira no que se refere à pandemia”, afirmou a corte em janeiro de 2021. Em entrevista ao Aos Fatos, Cecilia Mello, especialista em direito administrativo e ex-desembargadora do TRF3 (Tribunal Regional Federal da 3ª Região), explicou que o STF não excluiu a responsabilidade ou a atuação da União no enfrentamento da Covid-19: “Não houve qualquer suspensão de vigência da lei quanto às competências do presidente e dos órgãos federais para o combate à crise, tampouco foram eles eximidos de seus deveres e atribuições.”

REPETIDA 115 VEZES

Em 2020: 10.set, 16.set, 22.set, 08.out, 11.out, 14.out, 19.out, 27.out, 11.nov, 16.nov, 17.nov, 27.nov, 15.dez, 24.dez. Em 2021: 14.jan, 15.jan, 27.jan, 28.jan, 03.fev, 04.fev, 05.fev, 08.fev, 11.fev, 12.fev, 19.fev, 20.fev, 22.fev, 23.fev, 26.fev, 03.mar, 04.mar, 10.mar, 18.mar, 22.mar, 23.mar, 25.mar, 31.mar, 01.abr, 05.abr, 07.abr, 15.abr, 23.abr, 26.abr, 20.mai, 23.mai, 01.jun, 02.jun, 10.jun, 12.jun, 18.jun, 25.jun, 26.jun, 28.jun, 19.jul, 20.jul, 21.jul, 29.jul, 30.jul, 31.jul, 06.ago, 12.ago, 17.ago, 23.ago, 25.ago, 26.ago, 28.ago, 30.ago, 02.set, 10.set, 21.set, 29.set, 30.set, 07.out, 14.out, 21.out, 26.out, 27.out, 07.nov, 11.nov, 25.nov, 02.dez, 07.dez, 09.dez, 17.dez, 27.dez. Em 2022: 02.fev, 28.fev, 07.mar, 12.mar, 08.abr, 11.abr, 12.abr, 16.abr, 28.abr, 05.mai, 12.mai, 13.mai, 17.mai, 01.jul, 24.jul, 02.ago, 05.ago, 03.set, 23.set.

“Eu sempre falei que você deve combater sim o vírus, mas também combater o desemprego em nosso país.”

De fato, Bolsonaro tem destacado desde o início da pandemia, em março de 2020, que haveria dois problemas para o Brasil, um de saúde pública e um econômico, e que os dois deveriam ser tratados simultaneamente. Em levantamento feito nas redes e nas falas do presidente, o Aos Fatos identificou o início de declarações do tipo no dia 15 de março de 2020, data de uma entrevista à CNN Brasil. O presidente, porém, nunca tratou as duas questões com o mesmo peso, já que, desde o início do surto de Covid-19 no Brasil, tem minimizado os efeitos da doença e criticado suas principais formas de prevenção. Em diversas entrevistas e declarações públicas, Bolsonaro relacionou a doença a uma “gripezinha” e chegou a dizer em discurso que o isolamento social seria “conversinha mole” e que as medidas de restrição de circulação seriam para “os fracos”. O presidente também ataca reiteradamente as vacinas, que afirma serem experimentais e não terem comprovação científica. Por todos esses motivos, sua declaração é falsa.

Explore as afirmações

Filtros

Por tema

Por origem

Ordenar por

13.nov.2019

“O Brasil é exemplo mundial ao conciliar preservação do meio ambiente e produção agropecuária.”

O Brasil não pode ser considerado um exemplo de preservação do meio ambiente, por isso a declaração foi classificada como FALSA. De acordo com dados do Banco Mundial, o país ocupa a 30ª posição no ranking de países que mais protegem suas florestas. Já no último Enviromental Perfomance Index, que avalia a sustentabilidade, o país apareceu na 69ª posição. O estudo é feito pelas Universidades de Yale e Columbia em colaboração com o Fórum Econômico Mundial e usa 24 indicadores — entre eles a emissão de gases, a proteção da biodiversidade e a porcentagem de água potável — para fazer um ranking de 180 países.

LEIA MAIS FONTE ORIGEM

REPETIDA 2 VEZES. Em 2019: 28.jun, 13.nov.

Tema: Economia, Meio ambiente. Origem: Discurso

31.out.2019

“Um decreto ambiental, quem revoga é uma lei.”

Bolsonaro diz que um decreto ambiental só pode ser revogado por meio de uma lei, diferentemente do que ocorre com um decreto normal, que pode ser revogado por outro decreto. No entanto, não são todos os decretos que legislam em questões ambientais que possuem essa exigência no caso de uma revogação. Segundo o artigo 225 da Constituição Federal, "a alteração e a supressão [de espaços territoriais protegidos são] permitidas somente através de lei". Ou seja, apenas decretos que definem áreas de proteção ambiental não podem ser revogados por outro decreto. Portanto, a declaração é IMPRECISA.

FONTE ORIGEM

REPETIDA 9 VEZES. Em 2019: 31.out. Em 2020: 05.mar, 13.ago. Em 2021: 29.jul, 02.ago, 22.out, 15.dez.

Tema: Congresso, Meio ambiente. Origem: Live

31.out.2019

“Me acusaram de cometer um crime ambiental, mais ou menos às 11h30 da manhã. Só que por volta das 14h, tava meu dedo no painel de presença em Brasília. ”

Em 25 de janeiro de 2012, Bolsonaro foi autuado por um fiscal do Ibama pela prática de pesca na Estação Ecológica de Tamoios, em Angra dos Reis. No momento da aplicação da multa, o funcionário do órgão ambiental tirou uma foto do então deputado federal para comprovar sua presença em local proibido. A declaração, portanto, é FALSA. Vale ressaltar que no dia em que a conduta foi flagrada, em 25 de janeiro, a Câmara estava em recesso parlamentar.

FONTE ORIGEM

REPETIDA 23 VEZES. Em 2019: 11.jun, 30.ago, 31.out, 23.nov, 26.nov, 19.dez, 20.dez. Em 2020: 06.fev, 20.fev, 05.mai, 22.mai, 13.ago, 10.nov. Em 2021: 02.mar, 15.jun, 05.ago, 22.nov, 25.nov. Em 2022: 19.jan, 23.ago.

Tema: Congresso, Meio ambiente. Origem: Live

31.out.2019

“(...) E quem revoga decreto ambiental é lei.”

Bolsonaro diz que um decreto ambiental só pode ser revogado por meio de uma lei, diferentemente do que ocorre com um decreto normal, que pode ser revogado por outro decreto. No entanto, não são todos os decretos que legislam em questões ambientais que possuem essa exigência no caso de uma revogação. Segundo o artigo 225 da Constituição Federal, "a alteração e a supressão [de espaços territoriais protegidos são] permitidas somente através de lei". Ou seja, apenas decretos que definem áreas de proteção ambiental não podem ser revogados por outro decreto. Portanto, a declaração é IMPRECISA.

FONTE ORIGEM

REPETIDA 9 VEZES. Em 2019: 31.out. Em 2020: 05.mar, 13.ago. Em 2021: 29.jul, 02.ago, 22.out, 15.dez.

Tema: Congresso, Meio ambiente. Origem: Entrevista

31.out.2019

“Nós temos 61% do território brasileiro reservado para alguma coisa.”

A declaração de Bolsonaro é IMPRECISA. Segundo estudo da Embrapa Territorial, a área total destinada à preservação, manutenção e proteção da vegetação nativa no Brasil ocupa 66,3% do território, número acima do mencionado pelo presidente. Nessa proporção, estão os espaços preservados pelo segmento rural, as unidades de conservação integral, as terras indígenas e as terras devolutas.

FONTE ORIGEM

REPETIDA 4 VEZES. Em 2019: 31.out, 23.nov, 26.dez. Em 2020: 15.jun.

Tema: Meio ambiente. Origem: Entrevista

27.out.2019

“18- O governo trabalha, desde 2/set, no combate ao óleo no Nordeste.”

A declaração de Bolsonaro é FALSA. O governo vem sendo criticado pela demora na tomada de decisões referentes ao derramamento de petróleo cru (ou hidrocarboneto, conhecido também como piche) nas praias do Nordeste por uma série de motivos. Um deles é o fato de o departamento de emergências ambientais do Ministério do Meio Ambiente, que lida com esse tipo de problema, só ter ganhado um diretor no dia 4 de outubro, mais de um mês depois da detecção das primeiras manchas. O órgão teve sua diretora anterior exonerada em março de 2019, e desde então permanecia sem liderança. Outro ponto apontado por críticos é a demora para o início das investigações: foi só no dia 5 de outubro, também mais de um mês depois do início do desastre, que o presidente Jair Bolsonaro determinou que fossem investigadas as causas do derramamento.

FONTE ORIGEM

REPETIDA 2 VEZES. Em 2019: 10.out, 27.out.

Tema: Meio ambiente. Origem: Twitter

22.out.2019

“No mínimo estranho o silêncio de ONGs e esquerda brasileira sobre o óleo nas praias do Nordeste.”

A declaração de Bolsonaro é FALSA, porque tanto ONGs quanto a esquerda brasileira já se manifestaram a respeito do derramamento de óleo nas praias do Nordeste. A WWF Brasil, por exemplo, falou sobre o desastre em seu site e tem postado sobre o tema também nas redes sociais. Já o Greenpeace publicou uma nota em que critica a atuação do governo e discute os impactos ambientais do derramamento. Além disso, conforme mostrado por Aos Fatos em reportagem, pelo menos outras nove ONGs, como a Instituto Verde Luz e o Instituto Biota, também realizaram ou programaram atividades nas regiões afetadas. Entre a esquerda no espectro político, congressistas de partidos como PSOL, PT e PC do B discursaram e publicaram em suas redes mensagens de repúdio à atuação do governo.

LEIA MAIS FONTE ORIGEM

REPETIDA 2 VEZES. Em 2019: 12.out, 22.out.

Tema: Meio ambiente. Origem: Twitter

17.out.2019

“Deixo claro: a menor média de incêndios dos últimos 15 anos tem sido no nosso governo.”

Até o dia 15 de outubro deste ano, foram registrados no Brasil 155.283 focos de incêndio, de acordo com dados do Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais). O número, diferentemente do informado por Bolsonaro, não representa a menor média dos últimos 15 anos. Na verdade, o número de focos de incêndio de 2019 é o oitava maior neste período. Se considerarmos apenas os últimos dez anos, 2019 salta para a quarta posição. A afirmação é, portanto, FALSA.

FONTE ORIGEM

REPETIDA 11 VEZES. Em 2019: 23.ago, 24.ago, 27.ago, 29.ago, 19.set, 26.set, 07.out, 17.out. Em 2020: 02.jan, 09.mar, 25.jun.

Tema: Meio ambiente. Origem: Live

12.out.2019

“Estranhamos o silêncio da ONU e ONGs [sobre o derramamento de óleo nas praias do Nordeste], sempre tão vigilantes com o meio ambiente.”

A declaração de Bolsonaro é EXAGERADA, porque, apesar de a ONU não ter se manifestado sobre o derramamento de óleo nas praias do Nordeste, diversas ONGs se pronunciaram sobre o assunto. A WWF Brasil, por exemplo, falou sobre o óleo em seu site e tem postado sobre o tema também nas redes sociais. Já o Greenpeace publicou uma nota em que critica a atuação do governo e discute os impactos ambientais do derramamento. A ONG Oceânica também vem cobrando ações para reduzir os problemas decorrentes dos vazamentos nas praias do Rio Grande do Norte, onde atua.

FONTE ORIGEM

REPETIDA 2 VEZES. Em 2019: 12.out, 22.out.

Tema: Meio ambiente. Origem: Twitter

10.out.2019

“[A Amazônia] É uma área lindíssima, quase totalmente preservada.”

Praticamente um quinto da Amazônia foi perdido desde a década de 1980, logo é FALSO afirmar que o bioma está "quase totalmente preservada". De acordo com a análise feita pelo Mapbiomas, a Amazônia perdeu 18% de área de floresta entre 1985 e 2017, o que dá cerca de 36 milhões de hectares.

FONTE ORIGEM

REPETIDA 3 VEZES. Em 2019: 24.set, 10.out. Em 2022: 31.jan.

Tema: Meio ambiente. Origem: Discurso

10.out.2019

“Nós já estávamos monitorando e analisando as amostras de piche, que aquilo é um piche, não é um petróleo em si, desde o dia 2 do mês passado.”

A declaração de Bolsonaro é FALSA. O governo vem sendo criticado pela demora na tomada de decisões referentes ao derramamento de petróleo cru (ou hidrocarboneto, conhecido também como piche) nas praias do Nordeste por uma série de motivos. Um deles é o fato de o departamento de emergências ambientais do Ministério do Meio Ambiente, que lida com esse tipo de problema, só ter ganhado um diretor no dia 4 de outubro, mais de um mês depois da detecção das primeiras manchas. O órgão teve sua diretora anterior exonerada em março de 2019, e desde então permanecia sem liderança. Outro ponto apontado por críticos é a demora para o início das investigações: foi só no dia 5 de outubro, também mais de um mês depois do início do desastre, que o presidente Jair Bolsonaro determinou que fossem investigadas as causas do derramamento.

FONTE ORIGEM

REPETIDA 2 VEZES. Em 2019: 10.out, 27.out.

Tema: Meio ambiente. Origem: Discurso

07.out.2019

“Devemos ter a menor média dos meses de setembro [em relação aos incêndios na Amazônia]. A menor média desde o século passado.”

Segundo o Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais), foram registrados 19.925 focos de incêndio no bioma Amazônia em setembro de 2019. O número, apesar de baixo se comparado aos de anos anteriores, não é o menor nem da última década. Em 2013, foram registrados 16.786 focos no mesmo período. Em 2011, foram 16.987. A afirmação, portanto, é FALSA.

FONTE ORIGEM

REPETIDA 11 VEZES. Em 2019: 23.ago, 24.ago, 27.ago, 29.ago, 19.set, 26.set, 07.out, 17.out. Em 2020: 02.jan, 09.mar, 25.jun.

Tema: Meio ambiente. Origem: Entrevista

03.out.2019

“Na questão de queimadas no Brasil, setembro foi o mês que teve menos queimada e também menos foco de incêndio desde 2013.”

Segundo o Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais), o Brasil registrou 53.234 focos de incêndio em todo o país em setembro de 2019. Esse número não é nem mesmo inferior ao do ano passado, quando foram registrados 42.251 incêndios no mesmo mês. A declaração de Bolsonaro, no entanto, está correta se ele se referir somente aos focos de incêndio do bioma Amazônia: foram registrados 19.925 focos de incêndio em setembro deste ano, o menor número desde 2013, quando foram registrados 16.786. A declaração, portanto, foi classificada como IMPRECISA.

FONTE ORIGEM

Tema: Meio ambiente. Origem: Live

03.out.2019

“Então é aqueles números exagerados [de níveis de mercúrio utilizados] só para criticar o garimpeiro.”

Na ocasião, Bolsonaro discutia a necessidade de dar melhores condições de trabalho aos garimpeiros, que teriam sua profissão marginalizada em razão dos impactos ambientais. Ao mencionar um dado apresentado por uma rádio a respeito da quantidade de mercúrio usada na extração de minérios, o presidente afirmou que os números são geralmente inflados para prejudicar o trabalho de garimpeiros, que não usariam o recurso em grandes quantidades. No entanto, o estudo da ONU Technical Background Report for the Global Mercury Assessment 2018, que traz dados de 2015, aponta que o Brasil consumiu naquele ano, em média, 105 toneladas métricas de mercúrio apenas em atividades ligadas à mineração de ouro em pequenas quantidades. O volume é o quinto maior dentre os registrados nos cerca de 40 países pesquisados. A declaração de Bolsonaro é, portanto, IMPRECISA.

FONTE ORIGEM

Tema: Meio ambiente. Origem: Live

29.set.2019

“Criação do ROTA 2030: programa gerado para pesquisas de inovação, desenvolvimento e meio ambiente;”

A declaração é FALSA, porque o programa Rota 2030 não foi criado pelo governo Bolsonaro, como afirma o presidente na lista de "realizações" do governo. Ele foi sancionado pelo ex-presidente Michel Temer em novembro de 2018. Além de incentivos, o programa institui regras como etiquetagem de veículos e novas obrigatoriedades de equipamentos. No dia 20 de setembro, foram lançados os Programas Prioritários do Rota 2030, que determinam que as montadoras poderão investir a alíquota que seria paga sobre a importação de peças sem equivalente no Brasil em desenvolvimento tecnológico.

FONTE ORIGEM

Tema: Economia, Meio ambiente. Origem: Twitter

Topo

Usamos cookies e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade. Ao continuar navegando, você concordará com estas condições.