É falso que governo Lula gastou R$ 16 bilhões com Lei Rouanet em 2023

Compartilhe

Não é verdade que o governo Lula (PT) gastou R$ 16 bilhões com a Lei Rouanet em 2023, como alegam peças de desinformação nas redes. O montante citado se refere, na realidade, ao limite de recursos que todos os projetos culturais aprovados neste ano poderiam captar com pessoas físicas e empresas, que, em troca, abatem o valor investido do Imposto de Renda. Segundo o Ministério da Cultura, a renúncia fiscal em 2023 era de R$ 1,27 bilhão até o dia 19 de dezembro.

A alegação falsa circula principalmente no YouTube e no TikTok, onde acumula mais de 100 mil visualizações.


Selo falso

Faz o L! Lula já gastou R$ 16 bilhões com a Lei Rouanet.

 Homem diz, em vídeo, que governo Lula teria gasto R$ 16 bilhões com a Lei Rouanet em 2023

São enganosas as publicações que afirmam que o governo Lula gastou R$ 16 bilhões com a Lei Rouanet (lei nº 8.313/1991) em 2023. A cifra, na realidade, representa o valor total para que os projetos culturais aprovados captem recursos com a iniciativa privada, que depois pode abater os valores do Imposto de Renda. Até o dia 19, essa renúncia fiscal — ou seja, os recursos que o governo deixará de arrecadar — era de R$ 1,27 bilhão. A previsão é que esse montante chegue a R$ 2,5 bilhões ao fim de 2023, ficando próximo do renunciado em 2022 (R$ 2,1 bilhões), segundo o Ministério da Cultura.

De acordo com o Poder360, que veiculou a reportagem usada de maneira distorcida nas peças de desinformação, o governo federal autorizou a captação de R$ 16,5 bilhões via Lei Rouanet em 2023. O valor é superior ao montante autorizado durante a gestão de Bolsonaro — R$ 3,6 bilhões em 2022, R$ 2,5 bilhões em 2021, R$ 4,3 bilhões em 2020 e R$ 4,8 bilhões em 2019. Diferentemente dos posts checados, a reportagem destaca que isso não significa que os R$ 16,5 bilhões serão gastos.

Isso acontece porque a Lei Rouanet funciona da seguinte maneira:

  • As iniciativas culturais apresentam um projeto e solicitam um montante para captar;
  • Cada projeto é analisado pelo governo para averiguar se atende às exigências necessárias e se está no escopo das formas de expressão contempladas pela lei de incentivo;
  • Caso seja aprovada, a proposta pode tentar captar o valor autorizado junto a empresas e pessoas físicas. Como incentivo, o investidor pode abater o valor do Imposto de Renda;
  • Há um limite para renúncia fiscal com incentivos à cultura: 4% do imposto devido para pessoas jurídicas e 6% para pessoas físicas.
Leia mais
Nas Redes É falso que ‘dança da picanha fatiada’ ganhou R$ 6,7 milhões de incentivo via Lei Rouanet
Nas Redes É falso que MC Pipokinha recebeu R$ 1 milhão pela Lei Rouanet
Nas Redes É falso que Pabllo Vittar recebeu R$ 5 milhões via Rouanet enquanto hospital fechou por falta de verba

O valor autorizado para um projeto, portanto, pode ou não ser captado totalmente. E é bastante comum que as propostas não atinjam o montante previsto. O Versalic — sistema do Ministério da Cultura — mostra que, entre os projetos que solicitaram mais de R$ 500 mil entre janeiro e dezembro de 2023, há vários que não conseguiram captar o valor total (veja abaixo):

tela do Versalic, sistema do Ministério da Cultura, mostra valores solicitados e arrecadados pelos projetos Festival de Fotografia de Paranapiacaba, Arte e Cultura, Palco Lab Moda e Festival Gonzagão
Captação. Vários projetos de alto custo não conseguem arrecadar todo o montante previsto da iniciativa privada (Reprodução)

Além disso, a legislação determina que o projeto só pode movimentar recursos captados caso tenha atingido o mínimo de 20% do valor proposto. Antes disso, os recursos permanecem bloqueados.

Referências

  1. Palácio do Planalto
  2. Ministério da Cultura (1 e 2)
  3. Poder360
  4. Secom
  5. Portal do Incentivo

Compartilhe

Leia também

Por um uso ético da IA no jornalismo

Por um uso ético da IA no jornalismo

falsoBolsonaro não admitiu em áudio participação de Flávio em ‘rachadinha’

Bolsonaro não admitiu em áudio participação de Flávio em ‘rachadinha’

falsoFilho de Lula não comprou a Azul Linhas Aéreas

Filho de Lula não comprou a Azul Linhas Aéreas