Quando é possível dizer que um remédio é eficaz?

Por Bruno Fávero, Luiz Fernando Menezes e Priscila Pacheco
11 nov. 2021

A recomendação de remédios que não funcionam contra a Covid-19 é uma peças de desinformação mais difundidas sobre a pandemia

Até hoje temos que explicar que a ivermectina não tem eficácia cientificamente comprovada contra o coronavírus...

...nem a hidroxicloroquina, a azitromicina, a nitazoxanida...

Só é possível dizer que um remédio é eficaz quando esta conclusão vem de pesquisas controladas

Esses estudos são chamados de padrão ouro, pelo seu rigor

Entre os métodos científicos usados, estão...

Grupo de controle



Os voluntários recrutados são divididos em dois grupos. Um recebe a substância estudada e o outro uma substância sem efeito

Duplo-cego



Os pesquisadores e os voluntários não sabem quem recebeu a substância pesquisada ou o placebo para evitar vieses nos resultados

Randomização



Voluntários com características similares, como faixa etária, são incluídos nos grupos de forma aleatória para evitar influências de outros fatores que não seja o objeto de teste

Publicação



Uma vez concluído, o estudo é publicado de forma preliminar, o chamado preprint, para ser revisado por pesquisadores independentes

É por isso que o potencial de um medicamento no tratamento ou prevenção de uma doença não pode ser medido com impressões pessoais ou especulações

Para saber se um remédio está interferindo nas taxas de internação e morte por determinada doença, são necessários dados sólidos sobre a distribuição e o consumo do medicamento

Doe agora

Ajude a combater a desinformação sobre a Covid-19. Faça parte do Aos Fatos Mais.

Leia mais
Leia mais