Poster do agregador

27.mai.2021

“Segundo eles, tá em vídeo, tomaram chá de carapanaúba, saracura ou jambu [contra a Covid-19]. Não tem comprovação científica, mas tomaram isso.”

Com base em uma conversa que afirma ter tido com tribos indígenas do Amazonas, o presidente sugere que os chás de saracura, carapanaúba e jambu sejam eficazes no tratamento contra a Covid-19, o que é INSUSTENTÁVEL, porque não há qualquer tipo de evidência científica que sustente a alegação. Não há até o momento, segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde), nenhum medicamento ou substância capaz de curar ou prevenir a infecção. Alguns remédios são indicados apenas para o controle de sintomas da doença, como a febre, ou para uso em pacientes hospitalizados com quadros moderados ou graves. Nesse último caso, autoridades de saúde recomendam o corticóide dexametasona e o antiviral remdesivir, aprovados pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária).

FONTE ORIGEM

REPETIDA 6 VEZES. Em 2021: 27.mai, 24.jun, 14.out.

Tema: Coronavírus. Origem: Live

Em 1.318 dias como presidente, Bolsonaro deu 5.988 declarações falsas ou distorcidas

Esta base agrega todas as declarações de Bolsonaro feitas a partir do dia de sua posse como presidente. As checagens são feitas pela equipe do Aos Fatos semanalmente.

Atualizado em 11 de Agosto, 2022


Explore as afirmações

Filtros

Por tema

Por origem

Ordenar por

29.set.2019

“R$500 mi liberados para o Minha Casa Minha Vida.”

No início de setembro, o governo federal liberou R$ 443 milhões para o Minha Casa, Minha Vida. Os repasses, no entanto, ocorreram após pressão de deputados de centrão, que exigiram que o Ministério do Desenvolvimento Regional quitasse os pagamentos atrasados do programa, que se aproximavam de R$ 500 milhões. Os valores eram devidos às construtoras há cerca de dois meses e impactavam cerca de 200 mil trabalhadores de 600 empresas. Por isso, a informação é IMPRECISA.

FONTE ORIGEM

REPETIDA 2 VEZES. Em 2019: 27.set, 29.set.

Tema: Direitos e Assistência Social, Economia. Origem: Twitter

27.set.2019

“Somente em setembro, nosso governo, via @mdregional_br, liberou mais R$ 500 milhões para o Minha Casa Minha Vida.”

No início de setembro, o governo federal liberou R$ 443 milhões para o Minha Casa, Minha Vida. Os repasses, no entanto, ocorreram após pressão de deputados de centrão, que exigiram que o Ministério do Desenvolvimento Regional quitasse os pagamentos atrasados do programa, que se aproximavam de R$ 500 milhões. Os valores eram devidos às construtoras há cerca de dois meses e impactavam cerca de 200 mil trabalhadores de 600 empresas. A informação, portanto, é IMPRECISA.

FONTE ORIGEM

REPETIDA 2 VEZES. Em 2019: 27.set, 29.set.

Tema: Direitos e Assistência Social, Economia. Origem: Twitter

26.set.2019

“Nós temos 14% [do nosso território demarcado como terras indígenas]”

A declaração é IMPRECISA. De acordo com dados da Funai (Fundação Nacional do Índio), há atualmente 440 terras indígenas regularizadas e outras seis interditadas (com restrição de uso e entrada de terceiros, para proteção de tribos isoladas), que ocupam uma área correspondente a 12,6% do território nacional. Chega-se ao valor de 13,7%, mais próximo ao apresentado pelo presidente, quando inclui as que ainda estão em estudo ou que aguardam a sanção presidencial.

FONTE ORIGEM

REPETIDA 47 VEZES. Em 2019: 08.abr, 27.jul, 24.ago, 30.ago, 24.set, 26.set, 17.out, 23.nov. Em 2020: 11.fev, 14.fev, 19.fev, 10.mar, 23.mai, 15.jun, 16.jul, 11.ago, 03.set, 24.set. Em 2021: 04.mar, 01.abr, 29.abr, 20.mai, 25.jun, 02.jul, 04.ago, 12.ago, 19.ago, 26.ago, 28.ago, 02.set, 21.set, 01.out, 07.nov, 24.nov. Em 2022: 14.jan, 17.jan, 02.fev, 03.fev, 16.fev, 28.fev, 09.mai, 27.mai, 04.jun, 06.jun.

Tema: Indígenas e quilombolas. Origem: Live

26.set.2019

“Hoje são quase 14% [de terras indígenas demarcadas].”

A declaração é IMPRECISA. De acordo com dados da Funai (Fundação Nacional do Índio), há atualmente 440 terras indígenas regularizadas e outras seis interditadas (com restrição de uso e entrada de terceiros, para proteção de tribos isoladas), que ocupam uma área correspondente a 12,6% do território nacional. Chega-se ao valor de 13,7%, mais próximo ao apresentado pelo presidente, quando inclui as que ainda estão em estudo ou que aguardam a sanção presidencial.

FONTE ORIGEM

REPETIDA 47 VEZES. Em 2019: 08.abr, 27.jul, 24.ago, 30.ago, 24.set, 26.set, 17.out, 23.nov. Em 2020: 11.fev, 14.fev, 19.fev, 10.mar, 23.mai, 15.jun, 16.jul, 11.ago, 03.set, 24.set. Em 2021: 04.mar, 01.abr, 29.abr, 20.mai, 25.jun, 02.jul, 04.ago, 12.ago, 19.ago, 26.ago, 28.ago, 02.set, 21.set, 01.out, 07.nov, 24.nov. Em 2022: 14.jan, 17.jan, 02.fev, 03.fev, 16.fev, 28.fev, 09.mai, 27.mai, 04.jun, 06.jun.

Tema: Indígenas e quilombolas. Origem: Live

26.set.2019

“COMO FUNCIONA: Folha de SP publica Fake News sobre Bolsonaro, com a matéria o PT ajuiza ação no TSE... mas Bolsonaro é absolvido.”

A declaração de Bolsonaro é FALSA. O TSE (Tribunal Superior Eleitoral) não inocentou o presidente na ação que a coligação liderada pelo então candidato Fernando Haddad (PT) em 2018 move contra a chapa eleitoral de Bolsonaro por abuso de poder econômico e uso indevido dos meios de comunicação. A decisão do relator e ministro do TSE Jorge Mussi em 26 de setembro refere-se apenas aos pedidos de produção de provas no caso dos disparos de mensagens em massa pelo Whatsapp. Mussi negou a quebra de sigilo bancário e telefônico das empresas de disparo de mensagens mencionadas nas reportagens da Folha de S.Paulo que embasaram a abertura da ação, bem como a oitiva dos sócios das empresas e dos jornalistas autores das matérias. Na decisão, Mussi afirmou que as reportagens não apresentam provas materiais sobre a contratação de empresas de disparos em massa pela campanha de Bolsonaro. Vale destacar que a ação ainda está em tramitação.

FONTE ORIGEM

REPETIDA 4 VEZES. Em 2019: 26.set.

Tema: Eleições, Imprensa. Origem: Twitter

26.set.2019

“O TSE decidiu que não houve disparos em massa de mensagens via WhatsApp durante campanha eleitoral pelo então candidato à Presidência da República, Jair Messias Bolsonaro. Mais uma narrativa montada pelos canalhas jogada na latrina!”

A declaração de Bolsonaro é FALSA. O TSE (Tribunal Superior Eleitoral) não inocentou o presidente na ação que a coligação liderada pelo então candidato Fernando Haddad (PT) em 2018 move contra a chapa eleitoral de Bolsonaro por abuso de poder econômico e uso indevido dos meios de comunicação. A decisão do relator e ministro do TSE Jorge Mussi em 26 de setembro refere-se apenas aos pedidos de produção de provas no caso dos disparos de mensagens em massa pelo Whatsapp. Mussi negou a quebra de sigilo bancário e telefônico das empresas de disparo de mensagens mencionadas nas reportagens da Folha de S.Paulo que embasaram a abertura da ação, bem como a oitiva dos sócios das empresas e dos jornalistas autores das matérias. Na decisão, Mussi afirmou que as reportagens não apresentam provas materiais sobre a contratação de empresas de disparos em massa pela campanha de Bolsonaro. Vale destacar que a ação ainda está em tramitação.

FONTE ORIGEM

REPETIDA 4 VEZES. Em 2019: 26.set.

Tema: Eleições, Imprensa. Origem: Twitter

26.set.2019

“Repito. Segundo TSE. Não houve disparo em massa por causa da campanha eleitoral do candidato Jair Bolsonaro.”

Bolsonaro repete na mesma transmissão ao vivo uma declaração FALSA. O TSE (Tribunal Superior Eleitoral) não inocentou o presidente na ação que a coligação liderada pelo então candidato Fernando Haddad (PT) em 2018 move contra a chapa eleitoral de Bolsonaro por abuso de poder econômico e uso indevido dos meios de comunicação. A decisão do relator e ministro do TSE Jorge Mussi em 26 de setembro refere-se apenas aos pedidos de produção de provas no caso dos disparos de mensagens em massa pelo Whatsapp. Mussi negou a quebra de sigilo bancário e telefônico das empresas de disparo de mensagens mencionadas nas reportagens da Folha de S.Paulo que embasaram a abertura da ação, bem como a oitiva dos sócios das empresas e dos jornalistas autores das matérias. Na decisão, Mussi afirmou que as reportagens não apresentam provas materiais sobre a contratação de empresas de disparos em massa pela campanha de Bolsonaro. Vale destacar que a ação ainda está em tramitação.

FONTE ORIGEM

REPETIDA 4 VEZES. Em 2019: 26.set.

Tema: Eleições, Imprensa. Origem: Live

26.set.2019

“O TSE apurou. E a decisão foi hoje. Não houve disparo em massa pelo candidato Jair Bolsonaro. ”

A declaração de Bolsonaro é FALSA. O TSE (Tribunal Superior Eleitoral) não inocentou o presidente na ação que a coligação liderada pelo então candidato Fernando Haddad (PT) em 2018 move contra a chapa eleitoral de Bolsonaro por abuso de poder econômico e uso indevido dos meios de comunicação. A decisão do relator e ministro do TSE Jorge Mussi em 26 de setembro refere-se apenas aos pedidos de produção de provas no caso dos disparos de mensagens em massa pelo Whatsapp. Mussi negou a quebra de sigilo bancário e telefônico das empresas de disparo de mensagens mencionadas nas reportagens da Folha de S.Paulo que embasaram a abertura da ação, bem como a oitiva dos sócios das empresas e dos jornalistas autores das matérias. Na decisão, Mussi afirmou que as reportagens não apresentam provas materiais sobre a contratação de empresas de disparos em massa pela campanha de Bolsonaro. Vale destacar que a ação ainda está em tramitação.

FONTE ORIGEM

REPETIDA 4 VEZES. Em 2019: 26.set.

Tema: Eleições, Imprensa. Origem: Live

26.set.2019

“No ano passado, a Folha fez uma matéria me acusando de disparar em massa o WhatsApp para fins eleitorais.”

A reportagem publicada pela Folha de S.Paulo em outubro 2018 sobre disparo em massa de mensagens no Whatsapp não acusava Jair Bolsonaro por tal prática. Intitulada "Empresários bancam campanha contra o PT pelo WhatsApp", a matéria denunciava que empresas que apoiavam a candidatura de Bolsonaro estavam comprando pacotes de disparos de mensagens para atacar o PT. A prática seria considerada ilegal porque configura doação de campanha por empresas, o que é vedado pela legislação eleitoral.

FONTE ORIGEM

Tema: Eleições, Imprensa. Origem: Live

26.set.2019

“O Brasil preserva 61% de suas terras.”

Segundo dados do SFB (Serviço Florestal Brasileiro) de 2017, 57,6% do território nacional é coberto por vegetação nativa, distribuída pelos biomas Amazônia, Caatinga, Cerrado, Mata Atlântica, Pampas e Pantanal, número menor do que o mencionado por Bolsonaro. De acordo com órgão ligado ao Ministério do Meio Ambiente, estão preservados 490,2 milhões de hectares do território nacional. Um estudo de 2018 da Embrapa Territorial aponta um número maior do que o mencionado pelo presidente. Segundo os dados da Embrapa, a área total destinada à preservação, manutenção e proteção da vegetação nativa no Brasil ocupa 66,3% do território. Nesse número, estão os espaços preservados pelo segmento rural, as unidades de conservação integral, as terras indígenas e as terras devolutas. Elas somam 631 milhões de hectares. A fala, portanto, foi classificada como IMPRECISA.

FONTE ORIGEM

REPETIDA 3 VEZES. Em 2019: 05.ago, 24.set, 26.set.

Tema: Meio ambiente. Origem: Live

26.set.2019

“As queimadas desse ano estão abaixando da média dos últimos 15 anos.”

Até o dia 22 de setembro deste ano, foram queimados 92.991 km² na região da Amazônia Legal, segundo dados do Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais). Essa área queimada é 53% maior do que a registrada no mesmo período de 2018 e cerca de 0,25% maior do que a média registrada ao longo dos últimos 15 anos, que é de 92.745 km² no mesmo período. Isso torna a declaração IMPRECISA.

LEIA MAIS FONTE ORIGEM

REPETIDA 11 VEZES. Em 2019: 23.ago, 24.ago, 27.ago, 29.ago, 19.set, 26.set, 07.out, 17.out. Em 2020: 02.jan, 09.mar, 25.jun.

Tema: Meio ambiente. Origem: Live

24.set.2019

“[Os médicos cubanos] tiveram 75% do seu salário confiscado.”

É fato que o governo cubano recebia uma porcentagem do salário dos médicos integrantes do programa Mais Médicos, mas não é possível determinar o montante exato. Declarações públicas do ministro da Saúde do governo Dilma Rousseff, Arthur Chioro, e documentos apensados a processos judiciais de médicos cubanos indicam que era em torno de 70% do valor da bolsa recebida pelos profissionais. Não há, no entanto, informações oficiais públicas sobre qual era de fato a porcentagem. Aos Fatos, em checagem anterior, entrou em contato com o Ministério da Saúde e com a embaixada de Cuba, mas não recebeu respostas sobre os repasses feitos ao governo. Como não há dados que possibilitem verificar o que diz o presidente, a sua declaração foi classificada como INSUSTENTÁVEL.

LEIA MAIS FONTE ORIGEM

REPETIDA 9 VEZES. Em 2019: 27.mar, 24.set. Em 2021: 13.jul, 22.jul, 17.ago, 10.set. Em 2022: 18.abr, 22.jun, 02.ago.

Tema: Saúde. Origem: Discurso

24.set.2019

“Hoje, 14% do território brasileiro está demarcado como terra indígena.”

A declaração é IMPRECISA. De acordo com dados da Funai (Fundação Nacional do Índio), há atualmente 440 terras indígenas regularizadas e outras seis interditadas (com restrição de uso e entrada de terceiros, para proteção de tribos isoladas), que ocupam uma área correspondente a 12,6% do território nacional. Chega-se ao valor de 13,7%, mais próximo ao apresentado pelo presidente, quando se somam às áreas já regularizadas as que ainda estão em estudo ou que aguardam a sanção presidencial.

FONTE ORIGEM

REPETIDA 47 VEZES. Em 2019: 08.abr, 27.jul, 24.ago, 30.ago, 24.set, 26.set, 17.out, 23.nov. Em 2020: 11.fev, 14.fev, 19.fev, 10.mar, 23.mai, 15.jun, 16.jul, 11.ago, 03.set, 24.set. Em 2021: 04.mar, 01.abr, 29.abr, 20.mai, 25.jun, 02.jul, 04.ago, 12.ago, 19.ago, 26.ago, 28.ago, 02.set, 21.set, 01.out, 07.nov, 24.nov. Em 2022: 14.jan, 17.jan, 02.fev, 03.fev, 16.fev, 28.fev, 09.mai, 27.mai, 04.jun, 06.jun.

Tema: Indígenas e quilombolas. Origem: Discurso

24.set.2019

“Ela [a Amazônia] não está sendo devastada, nem consumida pelo fogo como diz mentirosamente a mídia”

A informação é FALSA. Um estudo da WWF mostra que um em cada três focos de incêndio (31%) registrados este ano estava localizado em áreas que eram floresta até julho de 2018. Isso indica que o incêndios que tem acontecido na Amazônia não ocorrem apenas em áreas que já estavam desmatadas e, ao contrário do que afirma Bolsonaro, o fogo também está destruindo a floresta. Vale ressaltar que, segundo os dados do Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais), foram detectados até o dia 23 de setembro 64.126 focos de incêndio na Amazônia. O número é 46% maior do que o de 2018 e o segundo maior desde 2013, perdendo apenas para 2017, quando foram registrados 67.374 focos de incêndio no mesmo período.

LEIA MAIS FONTE ORIGEM

Tema: Imprensa, Meio ambiente. Origem: Discurso

24.set.2019

“Nossa política é de tolerância zero para com a criminalidade e os crimes ambientais.”

A informação é FALSA. Ao longo dos primeiros meses da gestão Bolsonaro, o número de autuações ambientais aplicadas pelo Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis) caiu em 29,4%, segundo dados do órgão divulgados em matéria da BBC Brasil. De acordo com servidores, ex-servidores, ambientalistas e autoridades consultadas pela reportagem, isso se deve aos sinais emitidos pelo governo federal, que já fez críticas aos supostos excessos na fiscalização. De fato, desde a campanha presidencial, Bolsonaro tem se manifestado contra o que chamou de “farra das multas”. Isso também tem se refletido em atitudes tomadas pelo governo, que promulgou em abril um decreto que institui o Núcleo de Conciliação Ambiental, espécie de tribunal que pode anular a atuação dos agentes de fiscalização. Além disso, o presidente desautorizou, em abril, uma ação do Ibama contra madeireiros ilegais. Na ocasião, acusou fiscais do órgão de estarem queimando caminhões e tratores. Em julho, na mesma região, funcionários do Ibama foram rendidos e tiveram um caminhão de combustível incendiado por madeireiros durante uma operação.

FONTE ORIGEM

Tema: Meio ambiente. Origem: Discurso

Topo

Usamos cookies e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade. Ao continuar navegando, você concordará com estas condições.