Poster do agregador

05.set.2019

“não tem terra agricultável [Israel]”

De acordo com artigo do Ministério das Relações Exteriores de Israel, a agricultura é uma importante atividade do país. A estimativa é que 70% da demanda por comida da nação seja atendida por produtos do mercado interno. Em regiões como Aravá e o Vale do Jordão, a agricultura é uma das principais atividades econômicas. Isso torna a afirmação de Bolsonaro FALSA.

FONTE ORIGEM

REPETIDA 5 VEZES. Em 2019: 05.set. Em 2020: 14.mai. Em 2021: 01.mar, 14.out. Em 2022: 09.ago.

Tema: Economia, Relações internacionais. Origem: Discurso

Em 1.459 dias como presidente, Bolsonaro deu 6.685 declarações falsas ou distorcidas

Esta base agrega todas as declarações de Bolsonaro feitas a partir do dia de sua posse como presidente. As checagens são feitas pela equipe do Aos Fatos semanalmente.

Atualizado em 30 de Dezembro, 2022


Explore as afirmações

Filtros

Por tema

Por origem

Ordenar por

05.mai.2019

“Nós escolhemos um time de ministros técnicos.”

A declaração é FALSA. Apesar de não ter recorrido a alianças com partidos no Congresso, a montagem do ministério de Bolsonaro seguiu, sim, critérios políticos na escolha de nomes, inclusive dos considerados "técnicos". Ao preterir as lideranças partidárias nas indicações, o presidente ampliou a influência de outros grupos de interesse, como as bancadas que representam ruralistas e evangélicos e os militares. Um exemplo foi a nomeação de Tereza Cristina (DEM) para a pasta da Agricultura. Engenheira agrônoma, ela se cacifou junto ao presidente para o cargo ainda nas eleições, quando a Frente Parlamentar para a Agricultura, da qual era a chefe, manifestou apoio a Bolsonaro. A bancada ruralista também pressionou pela indicação de Ricardo Salles ao Ministério do Meio Ambiente, que teve apoio de entidades ligadas ao setor, além do ramo da construção civil. A bancada evangélica emplacou não só Damares Alves, que é pastora, no Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, como conseguiu barrar a indicação do educador Mozart Neves Ramos para o Ministério da Educação. Os parlamentares da frente também avalizaram a escolha do professor Ricardo Veléz para o MEC. Já poder de barganha dos militares no atual governo fica evidente ao observarmos que integrantes das Forças Armadas ocupam hoje sete dos 22 ministérios, além de cargos-chave no segundo escalão.

LEIA MAIS FONTE ORIGEM

REPETIDA 73 VEZES. Em 2019: 01.jan, 02.jan, 22.jan, 07.mar, 23.mar, 02.abr, 05.mai, 11.jun, 30.jun, 01.ago, 25.out, 30.out, 27.nov, 02.dez. Em 2020: 01.jan, 03.jan, 04.jan, 16.jan, 10.mar, 05.abr, 08.jul, 29.ago, 24.set, 08.out, 15.out, 16.out, 22.out, 06.nov, 29.nov, 15.dez. Em 2021: 07.abr, 26.abr, 14.mai, 12.jun, 01.jul, 20.jul, 21.jul, 29.jul, 31.jul, 14.ago, 02.set, 05.set, 14.out, 27.out. Em 2022: 06.jan, 14.jan, 11.fev, 16.mar, 18.mar, 13.abr, 25.abr, 26.abr, 12.mai, 25.jul, 26.jul, 30.jul, 14.ago, 19.ago, 22.ago, 23.ago, 28.ago, 13.set, 29.set, 04.out, 14.out, 20.out, 27.out, 30.dez.

Tema: Equipe de governo. Origem: Entrevista

05.mai.2019

“Lá atrás, eu comecei com o Clodovil, que era deputado comigo, a ideia de criar a semana [anual] da saúde masculina.”

Ainda que existam relatos na imprensa de que o deputado federal Clodovil Hernandes, morto em 2009, apoiou a criação de uma Semana Nacional da Saúde Masculina, Bolsonaro assinou sozinho o projeto de lei 1127/07, que a institui. O texto foi aprovado no Câmara em 2010, mas não avançou no Senado e foi arquivado esse ano. Em reportagem da Agência Câmara de maio de 2010, Bolsonaro mencionou que o projeto era uma homenagem ao colega Clodovil, que, segundo o político, pretendia apresentar um projeto semelhante.

FONTE ORIGEM

Tema: Congresso. Origem: Entrevista

05.mai.2019

“O brasileiro é mais propenso a ter problemas de saúde [na comparação com outros países].”

Uma pesquisa do Institute for Health Metrics and Evaluation, da Universidade de Washington, analisou o aspecto geral da saúde de diversos países do mundo com base em riscos de morte divididos em três grupos: doenças contagiosas, maternas, neonatais e decorrentes de problemas nutricionais; doenças não-contagiosas; e ferimentos não-intencionais. Considerando os dois primeiros grupos, que se referem especificamente a doenças, pode-se perceber que o Brasil está abaixo ou próximo da média mundial. No primeiro grupo, de doenças contagiosas, a média global de anos de vida saudável perdidos é de 9.109,2 a cada 100 mil habitantes contra 3.963,9/100 mil em 2017. No segundo grupo, de doenças não-contagiosas, o país está levemente acima da média global, mas dentro da margem de erro: são 20.316,5 anos para cada 100 mil habitantes no Brasil contra 20.298,4/100 mil na média global. Por isso, a declaração de Bolsonaro é EXAGERADA.

FONTE ORIGEM

Tema: Saúde. Origem: Entrevista

05.mai.2019

“O sistema de saúde não tem [bolsas de colostomia] e custa caro.”

Desde 2009, o SUS (Sistema Único de Saúde) oferece aos pacientes o procedimento cirúrgico e a bolsa de colostomia, de acordo com a portaria nº 400/2009, pelo Ministério da Saúde. A declaração de Bolsonaro, portanto, é FALSA. A partir de 2012, com a lei nº 12.738, operadoras de plano de saúde passaram a ser obrigadas a fornecerem bolsas coletoras às pessoas ostomizadas.

FONTE ORIGEM

Tema: Saúde. Origem: Entrevista

05.mai.2019

“Mais de 90% dos colostomizados usa saco plástico, não usa aquela bolsa [de colostomia] porque custa caro.”

A declaração de Bolsonaro é INSUSTENTÁVEL. Segundo o presidente da Associação Brasileira de Ostomizados (Abraso), Antonio Amaral, não existem levantamentos oficiais sobre o número exato de pacientes colostomizados que recebem bolsas de colostomia. Desde 2009, o SUS (Sistema Único de Saúde) oferece aos pacientes o procedimento cirúrgico e a bolsa de colostomia, de acordo com a portaria nº 400/2009, pelo Ministério da Saúde. A partir de 2012, com a lei nº 12.738, operadoras de plano de saúde passaram a ser obrigadas a fornecer bolsas coletoras às pessoas ostomizadas. Em nota a Aos Fatos, o Ministério da Saúde informou que os dados de atendimento de pacientes colostomizados são "de responsabilidade dos gestores locais".

FONTE ORIGEM

Tema: Saúde. Origem: Entrevista

05.mai.2019

“São mais ou menos 200 mil colostomizados no Brasil.”

A declaração de Bolsonaro é INSUSTENTÁVEL. O presidente da Associação Brasileira de Ostomizados (Abraso), Antonio Amaral, afirmou que não existem levantamentos oficiais sobre o número exato de pacientes colostomizados. Segundo Amaral, a associação usa como referência a estimativa da OMS (Organização Mundial da Saúde) — entre 0,1% a 0,2% da população mundial é ostomizada, segundo o órgão da ONU — para prever que, no Brasil, há entre 200 mil e 350 mil ostomizados. A colostomia (a exteriorização no abdômen de uma parte do intestino grosso) é apenas um dos tipos de ostomia e representa, segundo estimativas mundiais da OMS, menos da metade das ostomias realizadas. O Ministério da Saúde informou, em nota a Aos Fatos, que não tem levantamento nacional do número de pacientes colostomizados.

FONTE ORIGEM

Tema: Saúde. Origem: Entrevista

05.mai.2019

“Hoje em dia, em muitos tipos de crime, o elemento fica um sexto [da pena] e vai embora. A ideia é passar para um terço.”

A lei 11.464/07 determina que réus primários ou reincidentes condenados por crimes comuns (roubo, furto, homicídio simples) tenham direito a progressão depois de cumprir 1/6 da pena. No caso de crimes hediondos, a possibilidade de progressão se dá a partir de 2/5 da pena para réus primários e 3/5 para reincidentes. O Pacote Anticrime apresentado pelo ministro da Justiça, Sergio Moro, endurece a progressão apenas para os crimes hediondos: ao invés da possibilidade de partir para o semiaberto depois de 2/5 da pena, todos os condenados seriam obrigados a passar 3/5 da pena em regime fechado. Considerando que a declaração do presidente Jair Bolsonaro não esclarece esse aspecto do projeto e ainda confunde os números propostos pelo texto, a declaração é IMPRECISA.

FONTE ORIGEM

Tema: Segurança. Origem: Entrevista

05.mai.2019

“Lá nos Estados Unidos a posse e o porte de armas é liberado.”

A legislação de porte, posse e compra de armas de fogo nos Estados Unidos varia muito de estado para estado. De acordo com o instituto de pesquisa sobre armas e violência Giffords Law Center, três estados proíbem portar abertamente armas de fogo: Califórnia, Flórida e Illinois. Em outros, é proibido portar pistolas. Há ainda os que não permitem o porte de armas longas. Também há restrições para casos específicos, como entrar armado em propriedades de terceiros ou portar armas sem licença. Por isso, a declaração de Bolsonaro é FALSA.

FONTE ORIGEM

Tema: Relações internacionais, Segurança. Origem: Entrevista

05.mai.2019

“Se você passa em uma lombada de 40 km/h a 45km/h (...) você já pode perder [a carteira de motorista por exceder 20 pontos].”

A declaração de Bolsonaro é IMPRECISA. De acordo com o Código de Trânsito Brasileiro, transitar em velocidade até 20% superior à permitida constitui uma infração média, punível com multa e quatro pontos na carteira de habilitação. Para perder a carteira nesse caso, portanto, seria necessário cometer a infração cinco vezes em um ano.

FONTE ORIGEM

Tema: Outros. Origem: Entrevista

05.mai.2019

“[O atual número de radares] causa mais acidente até.”

Diversos estudos internacionais comprovam a eficácia dos radares na diminuição de acidentes de trânsito. Uma das primeiras pesquisas conduzidas sobre o assunto foi publicada na Holanda em 1992. Ali, foi constatado que 38% dos motoristas infringiam a velocidade máxima de 80 km/h em rodovias sem radar, enquanto 11% cometiam infrações do tipo em estradas monitoradas. Em 1997, um estudo mostrou diminuição de 12% no número de acidentes e 26% na quantidade de feridos em estradas na Noruega devido à instalação de 64 radares fixos. No Brasil, uma dissertação de mestrado em geografia apresentada pela pesquisadora Francisca Kaline Bezerra de Souza na Universidade Federal do Mato Grosso em 2018 constatou que, apesar do aumento de 22,8% nos acidentes em vias monitoradas da capital entre 2013 e 2016, houve uma queda de 23,6% nos trechos localizados a até 1 km de distância de radares. Isso torna a declaração de Bolsonaro FALSA.

FONTE ORIGEM

Tema: Infraestrutura. Origem: Entrevista

01.mai.2019

“Esse é o compromisso do meu governo com a plena liberdade econômica.”

A declaração de Bolsonaro foi considerada CONTRADITÓRIA porque, apesar de defender o livre mercado em discurso e no programa de governo submetido ao TSE durante as eleições, o presidente já interveio ao menos três vezes na economia para proteger grupos de interesse. O caso mais recente ocorreu quando Bolsonaro solicitou que a Petrobras suspendesse o aumento do diesel em 5,7%, anunciado em 11 de abril, até que o "convencessem" da necessidade do reajuste, segundo explicou o presidente em coletiva de imprensa no dia seguinte. Na mesma entrevista, o presidente afirmou estar "preocupado com o transporte de carga, com os caminhoneiros". Por conta da ingerência de Bolsonaro, as ações da Petrobras tiveram forte queda e a estatal perdeu, em um dia, R$ 32,4 bilhões em valor de mercado. Após reunião entre o presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, e a equipe econômica, a estatal anunciou, em 17 de abril, um reajuste do diesel de 4,8%, abaixo do anunciado anteriormente. Em outros dois momentos, Bolsonaro defendeu também barreiras a importações. Em março, afirmou que conversaria com a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, para proibir a importação de banana do Equador. Liberada desde 2014, a importação de bananas equatorianas está suspensa por liminar judicial em uma ação movida pela Conaban (Confederação Nacional dos Bananicultores). Em fevereiro, Bolsonaro defendeu a sobretaxação do leite da União Europeia e da Nova Zelândia. No começo de fevereiro, o ministro da Economia, Paulo Guedes, determinou a suspensão da taxa de antidumping para a importação do leite em pó, integral ou desnatado oriundo das duas regiões, existente desde 2001, por não haver mais comprovação de que produtores nacionais estavam sendo prejudicados pela concorrência desleal de estrangeiros.

FONTE ORIGEM

Tema: Economia. Origem: Discurso

29.abr.2019

“Ricardo Salles, que já integrou o quadro do PSDB e também do Novo.”

A declaração é IMPRECISA, pois o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, nunca foi filiado ao PSDB. Ele já integrou o quadro do PP e, atualmente, é filiado ao Novo. Em julho de 2016, Salles assumiu a secretaria de Meio Ambiente de São Paulo, no governo de Geraldo Alckmin (PSDB), mas não foi integrado ao partido. Em 2018, Salles filiou-se ao Novo e concorreu a deputado federal de São Paulo, mas não foi eleito.

FONTE ORIGEM

Tema: Congresso, Equipe de governo. Origem: Discurso

25.abr.2019

“Mais de 70% da população era favorável ao fim do horário de verão.”

A afirmação de Bolsonaro é EXAGERADA porque, de acordo com o porta-voz da Presidência da República, Otávio Rêgo Barros, a decisão de acabar com o horário de verão foi baseada em pesquisa do Ministério de Minas e Energia que indicava que 53% dos entrevistados eram favoráveis à decisão do governo. Vale ressaltar que a única instituição que realizou uma pesquisa parecida foi o instituto Paraná Pesquisas, que estimou que 65% dos entrevistados concordaram com a decisão do governo federal.

FONTE ORIGEM

Tema: Economia. Origem: Discurso

18.abr.2019

“Os índios querem se reintegrar à sociedade. ”

Ao dizer que os índios querem se reintegrar à sociedade, Bolsonaro generaliza a situação e não leva em consideração que ao menos cem povos indígenas vivem de maneira isolada na região amazônica, sem estabelecer qualquer tipo de contato com não índios, segundo a ONG Survivor Brasil. A decisão de isolamento decorre de violentos encontros anteriores e de ameaças de destruição da terra por não índios. Isso torna a declaração FALSA.

FONTE ORIGEM

REPETIDA 17 VEZES. Em 2019: 18.abr, 19.jun, 28.jun, 30.ago, 19.set, 07.nov, 27.nov. Em 2021: 24.abr, 29.abr, 24.jun, 12.ago. Em 2022: 11.mar, 12.mar, 24.mar, 26.abr, 30.mai.

Tema: Indígenas e quilombolas. Origem: Live

18.abr.2019

“[A reserva Ianomâmi tem] Duas vezes o estado de Israel.”

A área da reserva Yanomami tem cerca de 96 mil km², o que é quase três vezes o tamanho de Israel (22 mil km²). A declaração, portanto, é FALSA.

FONTE ORIGEM

Tema: Indígenas e quilombolas. Origem: Live

Topo

Usamos cookies e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade. Ao continuar navegando, você concordará com estas condições.