Poster do agregador

18.mar.2019

“Eu não tenho nada contra homossexuais ou mulheres, eu não sou xenófobo.”

A declaração é CONTRADITÓRIA porque Bolsonaro já proferiu falas homofóbicas, machistas e xenofóbicas em outros momentos. Em 2011, ele foi condenado a pagar indenização por danos morais coletivos em razão de falas homofóbicas. Em entrevistas, o presidente já defendeu que mulheres deveriam receber salários menores. E, em 2015, Bolsonaro chamou imigrantes de “escória do mundo” durante uma entrevista.Na própria entrevista à Fox News, o presidente se contradisse ao proferir declarações xenofóbicas e homofóbicas, como quando afirmou que “a maioria do imigrantes não têm boas intenções”, que pessoas podem ter relações homossexuais, mas “nós não podemos permitir trazer essa discussão para a sala de aula” e que “a definição de família é apenas a existente na Bíblia”.

LEIA MAIS FONTE ORIGEM

Tema: Família Bolsonaro, Preconceitos. Origem: Entrevista

Em 1.459 dias como presidente, Bolsonaro deu 6.685 declarações falsas ou distorcidas

Esta base agrega todas as declarações de Bolsonaro feitas a partir do dia de sua posse como presidente. As checagens são feitas pela equipe do Aos Fatos semanalmente.

Atualizado em 30 de Dezembro, 2022


Explore as afirmações

Filtros

Por tema

Por origem

Ordenar por

12.fev.2019

“No ano retrasado [2017], a mesma coisa: [gastei menos de R$ 200 mil da minha cota parlamentar].”

Em 2017, Bolsonaro gastou R$ 222.949 da sua Cota para exercício da atividade parlamentar. A quantia é R$ 22.950 acima do que o presidente diz ter gasto, o que torna a declaração IMPRECISA.

FONTE ORIGEM

Tema: Congresso, Família Bolsonaro. Origem: Entrevista

12.fev.2019

“Em nenhum momento conversei com ele [Bebianno].”

A revista Veja revelou áudios das conversas de um irritado presidente Jair Bolsonaro, ainda hospitalizado, com o então ministro que acusava de vazar informação. Nos áudios revelados, o presidente, sempre muito impaciente, não aceita as explicações do subordinado sobre as denúncias envolvendo o uso de laranjas pelo PSL e ainda o critica por se reunir com um executivo da Rede Globo, a quem se refere como “o inimigo”. Na última gravação, Bebianno diz que Bolsonaro estava “envenenado” contra ele.

FONTE ORIGEM

Tema: Corrupção. Origem: Entrevista

12.fev.2019

“Isso [recebimento de R$ 400 mil por uma candidata laranja do PSL] foi no final de setembro do ano passado, eu estava em casa em convalescência.”

Segundo reportagem da Folha de S.Paulo, o dinheiro do fundo partidário do PSL foi enviado pela direção nacional da sigla para a conta da candidata em 3 de outubro. Bolsonaro recebeu alta hospitalar no dia 29 de setembro, 23 dias após o atentato à faca. Maria de Lourdes Paixão que oficialmente concorreu a deputada federal e teve apenas 274 votos, foi a terceira maior beneficiada com verba do PSL em todo o país, mais do que o próprio presidente Jair Bolsonaro e a deputada Joice Hasselmann (SP), essa com 1,079 milhão de votos.

FONTE ORIGEM

Tema: Corrupção. Origem: Entrevista

11.fev.2019

“Levantamento da FGV aponta que o Brasil é o país que apresentou maior melhora do clima econômico na América Latina. Saímos de -33,9 em outubro de 2018 para +3,6 em janeiro de 2019, um aumento de 240%.”

É verdade que o ICE (Indicador Ifo/FGV de Clima Econômico da América Latina) avançou de -33,9 pontos em outubro de 2018 para 3,6 pontos em janeiro de 2019. Esse foi o segundo trimestre consecutivo de avanço do indicador, segundo a FGV. Bolsonaro se confunde, no entanto, ao falar da porcentagem de aumento: os 240% citados se referem a outro índice — o IE (Indicador das Expectativas) — utilizado para calcular o ICE, que saiu de 25,9 para 88 pontos no mesmo período. O Brasil foi o único país que melhorou a avaliação da situação atual e das expectativas, influenciando a melhora do indicador de toda a América Latina. No entanto, o indicador atual ainda está longe dos 50 pontos alcançados entre 2009 e 2010. Em entrevista à Folha, a pesquisadora do Ibre (Instituto Brasileiro de Economia) da FGV Lia Valls disse que “apesar da melhora, o nível atual do clima econômico ainda é bastante instável, muito associado às promessas feitas pelo governo Bolsonaro, como a reforma da Previdência”.

FONTE ORIGEM

Tema: Economia. Origem: Twitter

03.fev.2019

“Quando a Folha foi lá, 10 de janeiro do ano passado, ela estava de férias [Wal do Acaí, acusada de ser funcionária fantasma] publicada em boletim da Câmara.”

Por mais que Walderice dos Santos realmente estivesse de férias no dia 10 de janeiro, quando a Folha de S.Paulo fez a visita, a declaração é FALSA por três motivos: 1. o jornal realizou outra visita e encontrou a funcionária vendendo açaí em agosto de 2018, 2. a própria Walderice disse que trabalhava na loja de açaí todas as tardes; e 3. ela também confessou ser a "funcionária fantasma".

LEIA MAIS FONTE ORIGEM

REPETIDA 13 VEZES. Em 2019: 03.fev, 31.out. Em 2020: 16.jan, 16.mar, 05.nov, 09.nov, 11.nov, 13.nov. Em 2021: 22.out. Em 2022: 13.ago, 06.set, 08.set.

Tema: Corrupção, Imprensa. Origem: Entrevista

24.jan.2019

“Como resultado [da política de desarmamento], a violência aumentou no Brasil, não caiu.”

Em 2007, um estudo do Ministério da Saúde mostrou que, de 2003 a 2006, depois da sanção do Estatuto do Desarmamento, a cada semestre foi observada uma redução significativa no número de mortos por arma de fogo. Houve uma queda de 4.677 óbitos no período analisado, ou seja, 12%, considerando números absolutos. O risco de mortalidade por arma de fogo era de 22 por 100 mil habitantes, em 2003, e caiu, em 2006, para uma proporção de 18/100 mil. O economista e pesquisador do Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada) Daniel Cerqueira é o autor dos principais estudos que avaliam o impacto das restrições impostas pelo Estatuto do Desarmamento nas mortes por arma de fogo no Brasil. Em 2015, ele afirmou que o estatuto rompeu com a escalada dos homicídios desde 1980 — de 1995 a 2003, a taxa de homicídios cresceu 21,4%, enquanto, de 2003 a 2012, evoluiu 0,3%. Em 2017, ele também publicou o estudo "Menos Armas, Menos Crimes", em que analisou estatísticas do estado de São Paulo entre 2001 e 2007 e concluiu que um aumento de 1% no número de armas em circulação provocaria um crescimento de 2% nos homicídios. O jornal Folha de S.Paulo trouxe em janeiro números semelhantes. Segundo a publicação, dados do Ministério da Saúde mostram que o ritmo de crescimento de assassinatos no país desacelerou depois que entrou em vigor o Estatuto do Desarmamento, em 2004. Entre 1996, primeiro ano da série histórica do Datasus, e 2003, ano em que foi o estatuto passou a vigorar, a média de crescimento anual da taxa de mortes por agressão foi de 2,22% ao ano. De 2004 em diante, após a restrição do acesso às armas, a média de crescimento anual foi para 0,29%. A taxa, no entanto, variou consideravelmente ano a ano, com aumento expressivo a partir de 2012.

LEIA MAIS FONTE ORIGEM

Tema: Segurança. Origem: Entrevista

24.jan.2019

“Há uma consciência no Brasil de que as reformas são vitais para que as entidades federais continuem operando.”

Por mais que a pesquisa mais recente aponte que a Reforma da Previdência seja aprovada pela maioria dos brasileiros, outros pontos defendidos por Bolsonaro, como direitos trabalhistas, afrouxamento de políticas ambientais e até privatizações ainda são rejeitadas pela maior parte. Por não explicitar quais reformas, a declaração foi considerada IMPRECISA. Pesquisa sobre a reforma da Previdência feita pelo XP/Ipespe em novembro de 2018 concluiu que 67% dos entrevistados defendem que a reforma é necessária para o Brasil, 28% discordam e 5% não souberam responder. De acordo com a pesquisa Datafolha mais recente sobre pautas do governo Bolsonaro, a população era majoritariamente contrária à diminuição dos direitos trabalhistas (57%), privatizações (60%) e à afirmação de que "a política ambiental atrapalha o desenvolvimento no Brasil" (59%).

FONTE ORIGEM

Tema: Economia. Origem: Entrevista

24.jan.2019

“Alguém relacionado ao partido de esquerda PSOL me apunhalou e torceu a faca.”

De fato, homem que esfaqueou o presidenciável Jair Bolsonaro (PSL), Adelio Bispo de Oliveira, 40, foi filiado ao PSOL de Uberaba (MG) de 2007 a 2014. Na data do atentado, no entanto, ele já não fazia mais parte do quadro de integrantes do partido.

FONTE ORIGEM

REPETIDA 22 VEZES. Em 2019: 02.jan, 24.jan, 12.ago. Em 2021: 04.fev, 27.mai, 24.jun, 03.ago, 05.ago, 24.ago, 27.set, 18.out. Em 2022: 14.jan, 17.jan, 31.jan, 09.fev, 04.mar, 31.mar, 15.abr, 16.abr, 15.mai, 30.jun, 13.ago.

Tema: Atentado, Ideologia. Origem: Entrevista

24.jan.2019

“E muitas vezes [Lula e Dilma] elogiaram o governo do presidente Kim Jong-Un na Coreia do Norte.”

Por mais que, durante os anos petistas, o governo mantivesse uma embaixada na Coreia do Norte, não é possível dizer que os ex-presidentes Lula e Dilma elogiaram o governo de Kim Jong-Un. Aos Fatos não identificou registros de elogios de nenhum dos ex-presidentes em reportagens e entrevistas. O Brasil foi um dos poucos países a manter uma embaixada na Coreia do Norte. Segundo dados do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, em 2017, as importações e exportações norte-coreanas poucas vezes representaram mais do que 1% do total comercializado pelo Brasil. Vale lembrar que, em 2013, o PC do B publicou uma "carta de apoio irrestrito e absoluto à Coreia do Norte" quando o país ameaçou bombardear os EUA. Segundo o partido, a carta teria sido assinada também pelo PT e PSB e outras 16 entidades como Cebrapaz (Centro Brasileiro de Solidariedade aos Povos e Luta pela Paz). Após a divulgação, no entanto, o Partido dos Trabalhadores negou, em nota, a assinatura do documento: "A Secretaria de Relações Internacionais do PT, por sua vez, informa que não sabia da existência da nota, não foi consultada e, portanto, não assinou nenhum documento”.

FONTE ORIGEM

Tema: Ideologia, Relações internacionais. Origem: Entrevista

24.jan.2019

“Nós sempre fomos contra o regime de Maduro.”

Apesar de sempre criticar o regime de Maduro e o apoio do PT ao venezuelano, Bolsonaro omite que ele mesmo chegou a demonstrar apoio a Hugo Chávez, antecessor e mentor de Maduro, em entrevista ao jornal Estado de S.Paulo, em 1999: “[Chávez] é uma esperança para a América Latina e gostaria muito que esta filosofia chegasse até o Brasil. Acho ele ímpar. Pretendo ir à Venezuela e tentar conhecê-lo”. Ao O Antagonista, Bolsonaro disse que o apoio foi fruto de uma “ilusão”: “Ora, 90% do povo venezuelano vibrou com a eleição de Chávez, assim como o Brasil vibrou com Lula. Eu gostei de ver um coronel paraquedista no governo. Seu discurso era outro. A gente se ilude com as pessoas”.

LEIA MAIS FONTE ORIGEM

Tema: Ideologia, Relações internacionais. Origem: Entrevista

23.jan.2019

“[Fabrício Queiroz] Esteve, sim, com seu sigilo quebrado, fizeram uma arbitrariedade para cima dele nessa questão.”

A lei 9.613 de 1998, que dispõe sobre os crimes de lavagem de dinheiro e ocultação de bens, e que criou o Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras), disponibiliza uma lista de instituições que são obrigadas legalmente a enviar informações sobre operações financeiras e transações de altos valores ou feitas em dinheiro vivo — bancos, joalherias, seguradoras, imobiliárias, administradoras financeiras, entre outras. Essas informações são recebidas e, posteriormente, tratadas pelos analistas do Coaf, por meio do cruzamento de bases de dados. Dessa forma, o órgão pode encontrar operações suspeitas que são comunicadas às autoridades competentes. O Ministério Público defende que se baseou na legislação, que afirma que o Coaf poderá requerer aos órgãos da administração pública as informações cadastrais bancárias e financeiras de pessoas envolvidas em atividades suspeitas, e que isso não configura quebra de sigilo bancário.

FONTE ORIGEM

REPETIDA 2 VEZES. Em 2019: 02.jan, 23.jan.

Tema: Corrupção. Origem: Entrevista

23.jan.2019

“Nós temos [...] a oitava economia do mundo.”

Segundo dados do FMI (Fundo Monetário Internacional), o Brasil tinha a oitava economia do mundo até 2018. Em 2019, fomos ultrapassados pela Itália, que tem um PIB (Produto Interno Bruto) de US$ 2,1 trilhões, comparado aos R$ 1,93 trilhões do Brasil.

FONTE ORIGEM

Tema: Economia. Origem: Entrevista

23.jan.2019

“Além disso, zeramos os custos com propaganda da Caixa e BB neste início de governo, e pretendemos encerrar de maneira justa e enxuta!”

Em janeiro de 2019, segundo dados disponíveis no site da Caixa Econômica Federal, os gastos com publicidade foram da ordem de R$ 54 milhões, entre pagamentos para veículos e também produção de conteúdo. Já os dados do Banco do Brasil deste ano ainda não estão disponíveis no site da instituição.

FONTE ORIGEM

Tema: Economia. Origem: Twitter

22.jan.2019

“(...) com oito segundos de tempo de televisão [durante a campanha].”

Bolsonaro destaca que conseguiu se eleger mesmo com pouco tempo de propaganda eleitoral televisiva. No primeiro turno das eleições presidenciais, o tempo de cada partido no horário eleitoral de rádio e TV varia de acordo com o tamanho da bancada eleita para a Câmara dos Deputados na última eleição. Quando coligações são formadas, os segundos/minutos a que cada sigla tem direito são somados. Em 2018, o presidente Jair Bolsonaro, que não fez coligações para sua campanha, teve oito segundos do tempo de propaganda no rádio e na TV dos candidatos à Presidência no segundo turno. No segundo turno, no entanto, quando enfrentou o petista Fernando Haddad, Bolsonaro teve direito a dez minutos de propaganda eleitoral, assim como seu oponente. Por isso, a declaração foi classificada como IMPRECISA.

FONTE ORIGEM

REPETIDA 8 VEZES. Em 2019: 22.jan. Em 2020: 27.jan, 09.nov. Em 2021: 28.ago, 10.set, 27.set, 14.out. Em 2022: 20.out.

Tema: Eleições. Origem: Discurso

22.jan.2019

“E nós pretendemos estar sintonizados com o mundo na busca da diminuição de CO2 e na preservação do meio ambiente.”

As promessas contrastam com ações adotadas pelo governo Bolsonaro no que tange à política ambiental brasileira. Apesar de recuos em decisões, como a fusão dos ministérios de Agricultura e Meio Ambiente, a nova administração federal agiu, com ações e declarações, na direção inversa de compromissos e políticas ambientais já estabelecidos no país. Esse foi o caso, por exemplo, do esvaziamento de atribuições da pasta do Meio Ambiente; das reiteradas críticas a uma suposta “indústria da multa ambiental”; da suspensão de contratos com organizações não governamentais ambientalistas; de propostas de flexibilização do licenciamento ambiental; e da extinção de secretarias que formulavam políticas públicas para mitigar efeitos das mudanças climáticas globais.

LEIA MAIS FONTE ORIGEM

REPETIDA 2 VEZES. Em 2019: 22.jan, 24.set.

Tema: Meio ambiente. Origem: Discurso

Topo

Usamos cookies e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade. Ao continuar navegando, você concordará com estas condições.