Poster do agregador

23.mar.2022

“Menos de uma década atrás, o resultado global das estatais era de prejuízo bilionário. Já em 2019, passamos a um lucro de mais de R$ 109 BILHÕES.”

Bolsonaro acerta ao dizer que as empresas estatais já deram dezenas de bilhões de reais em prejuízo e hoje são lucrativas, mas omite que essa virada aconteceu antes do início do seu governo, o que torna a declaração IMPRECISA. Em 2015, o conjunto de empresas sob controle direto ou indireto do governo federal teve resultado líquido negativo de R$ 32 bilhões, segundo dados do Ministério da Economia. Em 2016, ano em que o país foi presidido por Dilma Rousseff (PT) e Michel Temer (MDB), o lucro das estatais somou R$ 4,4 bilhões. Desde então, o resultado positivo aumentou gradualmente: foi de R$ 24,9 bilhões em 2017, R$ 71,3 bilhões em 2018, R$ 109,1 bilhões em 2019, e R$ 60,6 bilhões em 2020.

FONTE ORIGEM

REPETIDA 16 VEZES. Em 2021: 02.jun, 09.jun, 10.jun, 12.jun, 17.jun, 27.jul, 05.ago, 06.ago, 21.set, 09.out, 21.out, 22.nov, 25.nov. Em 2022: 27.jan, 31.jan, 23.mar.

Tema: Economia. Origem: Telegram

Em 1.230 dias como presidente, Bolsonaro deu 5.407 declarações falsas ou distorcidas

Esta base agrega todas as declarações de Bolsonaro feitas a partir do dia de sua posse como presidente. As checagens são feitas pela equipe do Aos Fatos semanalmente.

Atualizado em 15 de Maio, 2022


Explore as afirmações

Filtros

Por tema

Por origem

Ordenar por

15.mai.2022

“Ou querem deixar outro cara do PSOL dar uma facada em mim?”

Bolsonaro afirma mais uma vez que Adélio Bispo de Oliveira, autor do atentado que sofreu durante evento de campanha em Juiz de Fora (MG) em 2018, era filiado ao PSOL, o que é IMPRECISO. Adélio integrou o PSOL de Minas Gerais entre 2007 e 2014 e não era mais associado ao partido na época em que ocorreu o atentado.

LEIA MAIS FONTE ORIGEM

REPETIDA 20 VEZES. Em 2019: 02.jan, 24.jan, 12.ago. Em 2021: 04.fev, 27.mai, 24.jun, 03.ago, 05.ago, 24.ago, 27.set, 18.out. Em 2022: 14.jan, 17.jan, 31.jan, 09.fev, 04.mar, 31.mar, 15.abr, 16.abr, 15.mai.

Tema: Atentado, Ideologia. Origem: Entrevista

15.mai.2022

“Tem alguém de Belo Horizonte aí? Tem. Lá não tem metrô, mas em Caracas tem, com o dinheiro de vocês.”

Para criticar a atuação do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) durante os governos petistas, Bolsonaro cita a obra do metrô de Caracas, iniciada pela Odebrecht em 2001 com financiamento inicial de US$ 107,5 milhões obtido do banco. Em comparação, o presidente afirma que Belo Horizonte não teria linha de metrô. Isso, no entanto, é FALSO. De acordo com a CBTU (Companhia Brasileira de Trens Urbanos), a capital mineira possui uma linha de metrô com 19 estações e 28,1 km de extensão.

FONTE ORIGEM

REPETIDA 2 VEZES. Em 2022: 04.abr, 15.mai.

Tema: Economia, Relações internacionais. Origem: Entrevista

15.mai.2022

“Você sabe qual é a garantia da grana emprestada pro Fidel Castro? Charuto.”

Para criticar a atuação de gestões petistas, Bolsonaro afirma que, nas negociações do empréstimo do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) para a construção do porto de Mariel, Cuba ofereceu charutos como garantia, o que é impreciso. Na verdade, foi oferecida a receita gerada pela indústria de tabaco local. Os detalhes constam de documentos sigilosos publicados pela revista Época em agosto de 2015. Segundo a revista, o contrato previa, como garantia, "fluxos internos de recebíveis gerados pela indústria cubana de tabaco". Ou seja, caso Cuba não pagasse o empréstimo do BNDES, o banco receberia a receita gerada pela indústria de charutos cubanos, e não os produtos. Ainda segundo a Época, estimava-se, naquele ano, que Cuba faturava cerca de R$ 400 milhões por ano com a venda de tabaco. Vale ressaltar que o empréstimo total para as obras foi de R$ 682 milhões.

FONTE ORIGEM

REPETIDA 12 VEZES. Em 2021: 19.ago, 09.set, 27.out. Em 2022: 17.jan, 20.jan, 27.jan, 04.fev, 10.fev, 23.fev, 16.mar, 12.abr, 15.mai.

Tema: Economia, Relações internacionais. Origem: Entrevista

15.mai.2022

“O Brasil todo, o mundo todo está sofrendo com isso. O Brasil é o que menos está sofrendo [com a alta dos preços].”

O presidente afirma que o Brasil foi o país que menos sofreu com a alta de preços do mundo, o que é FALSO. De acordo com relatório divulgado pela OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico) no dia 4 de maio, o Brasil tem o terceiro maior índice de inflação entre as economias do G20, perdendo apenas para Turquia e Argentina. Nesses países, a alta dos preços nos últimos 12 meses chegou a 61,1% e 55,1% em março de 2022, respectivamente. Já no Brasil, o IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo), usado como referência, subiu 11,3% em 12 meses. Em maio, a alta chegou a 12,13%.

FONTE ORIGEM

REPETIDA 3 VEZES. Em 2022: 11.mai, 12.mai, 15.mai.

Tema: Economia. Origem: Entrevista

12.mai.2022

“Os impostos federais sobre o diesel e o gás de cozinha também foram zerados, além de muitos outros desde 2019.”

Ainda que tenha de fato zerado as alíquotas do PIS/Pasep e da Cofins que incidem sobre o gás de cozinha e o óleo diesel, Bolsonaro omite que os impostos do último combustível só foram reduzidos até o fim deste ano. Por isso, a declaração é IMPRECISA. No caso do GLP, as taxas foram zeradas por tempo indeterminado, de acordo com o decreto nº 10.638, publicado no dia 1º de março de 2021.

FONTE ORIGEM

Tema: Economia. Origem: Telegram

12.mai.2022

“Olha só, o orçamento nosso [do Ministério da Infraestrutura] R$ 8 bilhões, não é nada, para o Brasil todo.”

A declaração de Bolsonaro é FALSA. De acordo com o Siop, plataforma do Ministério da Economia, a dotação atual do orçamento do Ministério da Infraestrutura é de R$ 18,2 bilhões.

FONTE ORIGEM

REPETIDA 11 VEZES. Em 2022: 06.jan, 27.jan, 01.fev, 02.fev, 09.fev, 09.mar, 31.mar, 12.abr, 29.abr, 12.mai.

Tema: Economia. Origem: Outros

12.mai.2022

“Eu sempre disse que devíamos atacar o vírus e atacar o desemprego também.”

De fato, desde o início, o presidente tem destacado que a pandemia traria dois problemas ao Brasil, um de saúde pública e um econômico, e que os dois deveriam ser tratados simultaneamente. Em levantamento feito nas redes, Aos Fatos encontrou declarações do tipo ao menos desde o dia 15 de março de 2020, data de uma entrevista à CNN Brasil. O presidente, porém, não tratou as duas questões com o mesmo peso, já que, desde o início da crise, tem minimizado os efeitos da Covid-19. Em diversas entrevistas e declarações públicas, Bolsonaro relacionou a doença a uma “gripezinha” e chegou a dizer, em discurso realizado no dia 18 de setembro de 2020, que o isolamento social seria “conversinha mole” e que as medidas de restrição de circulação seriam para “os fracos”. Durante a pandemia, o presidente também desrespeitou recomendações sanitárias ao causar aglomerações e circular sem equipamento de proteção e se posicionou contra as vacinas, única forma conhecida de atenuar os riscos da doença. A declaração, portanto, foi classificada como FALSA.

FONTE ORIGEM

REPETIDA 106 VEZES. Em 2020: 10.set, 16.set, 22.set, 08.out, 11.out, 14.out, 19.out, 27.out, 11.nov, 16.nov, 17.nov, 27.nov, 15.dez, 24.dez. Em 2021: 14.jan, 15.jan, 27.jan, 28.jan, 03.fev, 04.fev, 05.fev, 08.fev, 11.fev, 12.fev, 19.fev, 20.fev, 22.fev, 23.fev, 26.fev, 03.mar, 04.mar, 10.mar, 18.mar, 22.mar, 23.mar, 25.mar, 31.mar, 01.abr, 05.abr, 07.abr, 15.abr, 23.abr, 26.abr, 20.mai, 23.mai, 01.jun, 02.jun, 10.jun, 12.jun, 18.jun, 25.jun, 26.jun, 28.jun, 19.jul, 20.jul, 21.jul, 29.jul, 30.jul, 31.jul, 06.ago, 12.ago, 17.ago, 23.ago, 25.ago, 26.ago, 28.ago, 30.ago, 02.set, 10.set, 21.set, 29.set, 30.set, 07.out, 14.out, 21.out, 26.out, 27.out, 07.nov, 11.nov, 25.nov, 02.dez, 07.dez, 09.dez, 17.dez, 27.dez. Em 2022: 02.fev, 28.fev, 07.mar, 12.mar, 08.abr, 11.abr, 12.abr, 16.abr, 28.abr, 05.mai, 12.mai.

Tema: Coronavírus, Economia. Origem: Discurso

12.mai.2022

“E com orgulho eu digo: estamos completando três anos e meio sem corrupção em nosso governo.”

A declaração do presidente é FALSA, porque integrantes e ex-integrantes do seu governo são alvos de investigações e denúncias de casos de corrupção e outros delitos ligados à administração pública. Em março de 2022, a PF (Polícia Federal) abriu dois inquéritos para apurar suspeitas de crimes como corrupção, tráfico de influência e prevaricação no Ministério da Educação, sob o comando de Milton Ribeiro. A investigação foi pedida pela PGR (Procuradoria-Geral da República) após a imprensa noticiar uma possível influência de pastores na distribuição de recursos da pasta para prefeitos. Além disso, o relatório da CPI da Covid-19 pediu o indiciamento do presidente Jair Bolsonaro e de seis ministros e ex-ministros por prevaricação, emprego irregular de verbas públicas, falsificação de documento particular, charlatanismo, crime contra a humanidade, crime de responsabilidade e epidemia com resultado de morte. Outros agentes do governo também foram indiciados por envolvimento em um suposto esquema para a compra da vacina indiana Covaxin. Por fim, atuais e antigos integrantes do governo são investigados pela PF (Polícia Federal) ou pelo Ministério Público por suspeitas de corrupção, como o ministro Ciro Nogueira (Casa Civil), Ricardo Salles, ex-titular do Meio Ambiente, Marcelo Álvaro Antônio, que comandou a pasta do Turismo, e Fabio Wajngarten, que chefiou a Secretaria de Comunicação Social.

FONTE ORIGEM

REPETIDA 203 VEZES. Em 2019: 15.dez, 23.dez, 24.dez, 26.dez. Em 2020: 10.jan, 06.fev, 20.fev, 03.mar, 09.mar, 16.mar, 20.mar, 22.abr, 28.abr, 05.mai, 22.mai, 28.mai, 26.jul, 30.jul, 02.ago, 13.ago, 07.out, 08.out, 11.out, 15.out, 22.out, 29.out, 09.nov, 25.nov, 29.nov, 08.dez, 10.dez, 15.dez, 19.dez, 24.dez, 31.dez. Em 2021: 07.jan, 11.jan, 12.jan, 15.jan, 18.jan, 08.fev, 11.fev, 20.fev, 04.mar, 07.abr, 27.abr, 05.mai, 08.mai, 11.mai, 13.mai, 10.jun, 15.jun, 18.jun, 21.jun, 24.jun, 25.jun, 07.jul, 12.jul, 13.jul, 18.jul, 19.jul, 21.jul, 22.jul, 26.jul, 27.jul, 29.jul, 31.jul, 02.ago, 04.ago, 05.ago, 06.ago, 17.ago, 19.ago, 23.ago, 24.ago, 25.ago, 28.ago, 30.ago, 31.ago, 09.set, 10.set, 15.set, 17.set, 21.set, 23.set, 24.set, 30.set, 09.out, 13.out, 14.out, 18.out, 20.out, 21.out, 24.out, 25.out, 27.out, 07.nov, 09.nov, 10.nov, 19.nov, 22.nov, 23.nov, 25.nov, 26.nov, 02.dez, 07.dez, 09.dez, 10.dez, 15.dez, 19.dez, 27.dez, 30.dez, 31.dez. Em 2022: 06.jan, 12.jan, 20.jan, 31.jan, 02.fev, 07.fev, 09.fev, 10.fev, 11.fev, 12.fev, 16.fev, 18.fev, 21.fev, 23.fev, 24.fev, 25.fev, 28.fev, 04.mar, 07.mar, 16.mar, 21.mar, 22.mar, 23.mar, 27.mar, 04.abr, 08.abr, 11.abr, 12.abr, 15.abr, 05.mai, 12.mai.

Tema: Corrupção. Origem: Discurso

12.mai.2022

“Escolhemos os ministros pelo critério técnico.”

Bolsonaro elenca como um dos pontos positivos de sua gestão a escolha técnica de ministros. A declaração, no entanto, foi classificada como FALSA, porque além de membros do governo terem sido escolhidos por critérios políticos, nem todos eram formados ou tinham experiência na área de atuação da pasta. Gilson Machado, ministro do Turismo até março deste ano, é veterinário e produtor rural e o seu vínculo com a área da pasta era o fato de ser proprietário de uma pousada em Alagoas. João Roma, que chefiou o Ministério da Cidadania também até março, é deputado federal e atuou na Câmara em projetos ligados à área econômica, como a Reforma Tributária e o Marco Legal das Startups. Ele foi alçado ao cargo de ministro após acordo político com seu então partido, o Republicanos, que apoiou a candidatura de Arthur Lira (PP-AL) à presidência da Câmara. Abraham Weintraub, que foi ministro da Educação, era economista e professor da Unifesp, com produção acadêmica voltada à Previdência. Já Eduardo Pazuello, terceiro ministro da Saúde, era general do Exército e atuava na área logística. Entre os ministros com formação na área em que atuam, há também aqueles que se cacifaram para o cargo por influência política. Tereza Cristina, engenheira agrônoma, se tornou ministra por ter sido líder da Frente Parlamentar para a Agricultura, que apoiou a Bolsonaro na campanha de 2018. Ricardo Salles, ex-ministro do Meio Ambiente, também foi indicado pelos ruralistas. Já a bancada evangélica emplacou Damares Alves, pastora, no Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos. Para manter o apoio dos militares, Bolsonaro também indicou ministros vinculados à caserna, mas sem experiência na área, como Bento Albuquerque (Minas e Energia).

FONTE ORIGEM

REPETIDA 57 VEZES. Em 2019: 01.jan, 02.jan, 22.jan, 07.mar, 23.mar, 02.abr, 05.mai, 11.jun, 30.jun, 01.ago, 25.out, 30.out, 27.nov, 02.dez. Em 2020: 01.jan, 03.jan, 04.jan, 16.jan, 10.mar, 05.abr, 08.jul, 29.ago, 24.set, 08.out, 15.out, 16.out, 22.out, 06.nov, 29.nov, 15.dez. Em 2021: 07.abr, 26.abr, 14.mai, 12.jun, 01.jul, 20.jul, 21.jul, 29.jul, 31.jul, 14.ago, 02.set, 05.set, 14.out, 27.out. Em 2022: 06.jan, 14.jan, 11.fev, 16.mar, 18.mar, 13.abr, 25.abr, 26.abr, 12.mai.

Tema: Equipe de governo. Origem: Discurso

12.mai.2022

“Agora tem o dinheiro do tal do RP9, que dizem que é o orçamento secreto, não é secreto, tá na mão dos deputados.”

É FALSO que as chamadas emendas de relator, ou RP9, não são “secretas”, como disse o presidente. As informações sobre o destino dos valores sugeridos pelo relator ou o nome do parlamentar que fez a solicitação de verba não são divulgadas — e, por isso, as emendas são consideradas parte de um “orçamento secreto”, como divulgou o jornal Estado de S. Paulo. Só é possível saber quem foi o responsável pela emenda quando o dinheiro é pago efetivamente, o que impede investigações prévias sobre o emprego dos recursos. Em dezembro de 2021, a ministra do STF (Supremo Tribunal Federal) Rosa Weber determinou que fossem divulgados os nomes dos parlamentares que indicaram as emendas do RP9 em 90 dias. Levantamento realizado pelo jornal O Globo no dia 12 de maio, no entanto, mostrou que 70% dos recursos ainda não foram mapeados.

FONTE ORIGEM

Tema: Congresso, Economia. Origem: Outros

12.mai.2022

“Fazer um apelo aqui, né? O pessoal que está assistindo que tem dívida no Banco do Brasil ou Caixa Econômica, dívida do FIES. Ele estudou, fez tua faculdade, tem uma dívida. Nós, via Medida Provisória que vai ser votada pela Câmara, pode ser alterada, inclusive, tá Carlos Alberto, pode ser alterado, inclusive. Nós permitimos aqui a anistia de 92% dessa multa e 8% ele negocia.”

Bolsonaro faz referência à MP 1.090/2021, que renegociou os débitos de estudantes inadimplentes que aderiram ao Fies (Fundo de Financiamento Estudantil) até o segundo semestre de 2017. O presidente, no entanto, é impreciso na declaração, pois os descontos de 92% são aplicados apenas aos que estão inadimplentes há mais de 360 dias e recebem benefícios sociais do governo, que correspondem, segundo cálculo do MEC (Ministério da Educação), a cerca de 17% do 1 milhão de jovens que podem ser impactados pela medida. Os estudantes que têm débitos vencidos há mais de 90 dias da publicação da medida terão desconto de 12% no pagamento das mensalidades. Já os que possuem dívidas não quitadas há mais de 360 dias recebem descontos de 86,5%. Devedores nessa categoria que integrem o Cadastro Único ou tenham recebido o Auxílio Emergencial em 2021 terão abatimento ainda maior, de 92%, com até 150 meses para o pagamento da dívida resultante. De acordo com informações enviadas pelo FNDE (Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação) ao Poder 360, cerca de 1,09 milhão de estudantes foram beneficiados pela medida.

FONTE ORIGEM

REPETIDA 2 VEZES. Em 2022: 05.mai, 12.mai.

Tema: Educação. Origem: Live

12.mai.2022

“O controle fitossanitário seria realizado pelo Equador e não pelo Brasil. ”

O presidente faz referência à Instrução Normativa nº 3, publicada em março de 2014 pelo Ministério da Agricultura, que regulamentava a importação de bananas do Equador. Em seu artigo 2º, o texto determinava que os produtos deveriam ser acompanhados de Certificado Fitossanitário "emitido pela Organização Nacional de Proteção Fitossanitária – ONPF do Equador". Isso não significa, contudo, que o controle seria feito apenas pelo país exportador. O texto também especificava que as mercadorias seriam inspecionadas no ponto de ingresso, no Brasil, e, "havendo motivos que justifiquem a coleta de amostras, essas seriam coletadas e enviadas para análise fitossanitária em laboratórios oficiais ou credenciados" — se referindo, também, ao Brasil. A Instrução Normativa foi revogada em março de 2019. Por não apresentar todo o contexto da norma, a declaração foi classificada como IMPRECISA.

FONTE ORIGEM

REPETIDA 5 VEZES. Em 2020: 03.set. Em 2021: 13.out, 25.out. Em 2022: 14.abr, 12.mai.

Tema: Economia. Origem: Discurso

12.mai.2022

“No Brasil, nesse quesito, é um país que menos, um daqueles que menos está sofrendo com a questão da inflação.”

O presidente afirma que o Brasil foi um dos que menos sofreu com a alta de preços do mundo, o que é FALSO. De acordo com relatório divulgado pela OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico) no dia 4 de maio, o país tem o terceiro maior índice de inflação entre as economias do G20, perdendo apenas para Turquia e Argentina. Nesses países, a alta dos preços nos últimos 12 meses chegou a 61,1% e 55,1% em março de 2022, respectivamente. Já no Brasil, o IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo), usado como referência, subiu 11,3% em 12 meses. Em maio, a alta chegou a 12,13%.

FONTE ORIGEM

REPETIDA 3 VEZES. Em 2022: 11.mai, 12.mai, 15.mai.

Tema: Economia. Origem: Discurso

12.mai.2022

“E estudos de fora do Brasil têm mostrado que as medidas de lockdown não diminuíram o número de mortes, mas, por outro lado, fez com que a economia sofresse muito com consequências até hoje e também a questão educacional.”

Bolsonaro possivelmente se refere ao estudo publicado na SAE (Studies in Applied Economics) em janeiro de 2022, que apontava que as medidas de isolamento não teriam ajudado a salvar vidas na pandemia. O artigo, no entanto, foi contestado por diversos especialistas por ter priorizado estudos que conversavam com a sua hipótese e, sem critério técnico, excluído dados. Diferentemente do que sugere Bolsonaro e o estudo da SAE, há diversos artigos que mostram que a restrição de atividades econômicas ajudou na contenção de danos do novo coronavírus. Em julho de 2020, por exemplo, o British Medical Journal publicou uma pesquisa que mostra que medidas como o fechamento de escolas e locais de trabalho, interrupção no transporte público, restrições a aglomerações e bloqueio da circulação de pessoas causaram uma diminuição média de 13% na incidência de Covid-19 em 149 países ou regiões. Já a revista Nature publicou um estudo sobre o tema em dezembro de 2020 que analisou as medidas não farmacêuticas adotadas em 226 países. Os pesquisadores concluíram que as mais eficazes incluem fechar e restringir a maioria dos lugares onde as pessoas se reúnem por longos períodos de tempo (empresas, bares, escolas e assim por diante). Artigos publicados na Revista Brasileira de Epidemiologia e no The Brazilian Journal of Infectious Diseases também mostraram redução, em 2020, no ritmo de transmissão da doença em São Paulo e na ocupação de leitos em Fortaleza, respectivamente, após a adoção de medidas restritivas. Além das evidências apontadas em pesquisas, as medidas que favorecem o distanciamento social vêm sendo recomendadas pela OMS (Organização Mundial da Saúde) como forma de reduzir a transmissão do Sars-CoV-2, vírus causador da Covid-19. A declaração, portanto, é FALSA.

FONTE ORIGEM

REPETIDA 7 VEZES. Em 2022: 28.fev, 03.mar, 17.mar, 12.abr, 16.abr, 29.abr, 12.mai.

Tema: Coronavírus, Economia. Origem: Live

11.mai.2022

“São mais títulos entregues de 2019 a 2021 do que nos últimos 20 anos de outros governos.”

É FALSO que a gestão de Jair Bolsonaro tenha distribuído mais títulos de propriedade rural entre 2019 e 2021 do que os 20 anos anteriores somados. De acordo com dados enviados pelo Ministério da Agricultura ao Aos Fatos, foram entregues, entre 2000 e 2018, 497.443 títulos provisórios e definitivos, contra 277.940 entre 2019 e 2021.

FONTE ORIGEM

REPETIDA 5 VEZES. Em 2022: 24.mar, 29.mar, 04.abr, 16.abr, 11.mai.

Tema: Economia. Origem: Facebook

Topo

Usamos cookies e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade. Ao continuar navegando, você concordará com estas condições.