X favorece perfis que já postaram desinformação sobre conflito entre Israel e Hamas

Compartilhe

Uma semana após receber um pedido de explicações da União Europeia sobre a circulação de desinformação relacionada a Israel e ao Hamas, o X (ex-Twitter) segue privilegiando conteúdos publicados por perfis que já disseminaram mentiras sobre o conflito.

  • Usando a ferramenta Nitter, o Radar Aos Fatos coletou dados sobre as principais publicações em destaque que usavam quatro hashtags relacionadas ao conflito (#Israel, #Hamas, #Palestina e #Guerra), publicadas no Brasil entre os dias 7 e 11 de outubro;
  • A reportagem analisou as 50 contas com mais publicações destacadas na busca. Juntas, elas tiveram 532 posts recomendados nos cinco primeiros dias de conflito;
  • Entre os 50 perfis com mais publicações recomendadas, metade já publicou desinformação sobre Israel e o Hamas;
  • Das contas que publicaram desinformação, seis pertencem a usuários anônimos (24%), seis são de páginas apócrifas dedicadas a política partidária e outras seis publicam sobre assuntos da atualidade para gerar engajamento;
  • Nove desses 25 perfis (36%) foram criados há menos de um ano;
  • Outras sete das contas que publicaram desinformação (28%) são de assinantes do X Premium, serviço da plataforma que confere um selo azul ao perfil e promete dar mais visibilidade, entre outros benefícios.
Leia mais
BIPE Sem moderação, virais desinformativos ou não verificáveis sobre Israel e Hamas tomam o X

Uma das contas com maior número de publicações em destaque sobre a guerra foi a Primacial Notícias, que se apresenta como página dedicada a “notícias dos fatos nacionais e internacionais e um pouco de quase tudo”. Criado em agosto deste ano, o perfil teve 26 posts entre os mais recomendados em hashtags sobre o assunto nos primeiros dias de conflito.

Em uma das publicações, que acumula até o momento 158 mil visualizações, a página compartilha um vídeo gravado em 2017 na Ucrânia como se mostrasse cenas recentes de um protesto pró-Hamas. De acordo com o post enganoso, desmentido pelo Aos Fatos, ativistas franceses teriam sido presos após erguerem a bandeira LGBTQIA+ em uma manifestação pró-grupo extremista islâmico.

Publicação de página apócrifa no X dissemina desinformação sobre o conflito ao alegar que vídeo gravado na Ucrânia em 2017 que mostra manifestantes queimando bandeira LGBTQIA+ mostraria ato pró-Hamas.
‘Acontecendo.’ Página compartilha vídeo de repressão a manifestação LGBTQIA+ na Ucrânia como se mostrasse ato pró-Hamas (Reprodução)

Um usuário anônimo recomendado pelo X também publicou uma imagem descontextualizada sobre o conflito na plataforma. Em post com 550 visualizações que usa hashtags como #StandWithIsrael (esteja com Israel, em português) e #Hamas, a conta compartilhou uma foto antiga que mostra um homem deitado ao lado de um bebê amarrado a granadas. O registro circula nas redes desde 2016 e já foi atribuído a um terrorista sírio.

A mesma imagem também foi publicada por uma página de atualidades recém-criada e também recomendada pelo X.

Notas da comunidade. O X recomendou a usuários até mesmo perfis que tiveram posts sinalizados como desinformativos pelas notas da comunidade. No levantamento, o Radar Aos Fatos identificou que um usuário que teve cinco posts sobre a guerra destacados pela plataforma publicou uma versão editada de um documento da Casa Branca que afirmava que os Estados Unidos teriam enviado US$ 8 bilhões a Israel. Apesar de usuários terem adicionado contexto à publicação, ela segue no ar.

Criadas para combater a disseminação de conteúdo enganoso, as notas da comunidade mostram mensagens redigidas por usuários que teoricamente desmentem ou adicionam contexto a publicações que não trazem informações precisas. Como não passam pela moderação da plataforma, no entanto, essas notas não são confiáveis.

Leia mais
BIPE Políticos usam conflito entre Israel e Hamas para desinformar e alimentar polarização no Brasil
Explicamos Hamas, Fatah e ANP: entenda a divisão política da Palestina atual

POLARIZAÇÃO

Também receberam destaque da plataforma contas dedicadas à publicação de conteúdos de cunho político. Pelo menos 17 dos 50 perfis analisados publicaram posts que transferem o conflito para o contexto político do Brasil. Em publicação que recebeu destaque, um influenciador alinhado à direita e assinante do X Premium acusou movimentos de esquerda de estarem associados ao nazismo por conta do apoio à causa palestina.

‘Fechado com Lula.’ Página satírica cujos conteúdos foram recomendados pelo X acusou Hamas de associação com atual governo (Reprodução)

Do outro lado do espectro político, também foi recomendada a conta de um ex-assessor do deputado Márcio Jerry (PC do B-MA) exonerado após publicar conteúdos antissemitas e de apoio aos terroristas do Hamas. Antes de o perfil ter sido excluído da plataforma, sete publicações do ex-assessor ficaram em destaque.

Entre os conteúdos postados por páginas políticas também estão críticas e ataques à cobertura da imprensa brasileira, cujas publicações tiveram menor destaque no X — apenas 10 dos 50 perfis analisados eram de veículos jornalísticos.

Outro lado. A reportagem entrou em contato com o X questionando sobre o destaque dado a publicações de perfis pessoais e apócrifos que já disseminaram desinformação sobre o conflito entre Israel e Hamas, mas mais uma vez recebeu apenas uma resposta automática da plataforma.

O Aos Fatos também tentou entrar em contato com a página Primacial Notícias, mas não conseguiu encontrar nenhum canal para envio de mensagem, seja no próprio X, seja por endereço externo. A reportagem permanece aberta para eventuais comentários.

Referências

  1. 1. X (1, 2 e 3)
  2. Aos Fatos (1, 2, 3, 4, 5 e 6)
  3. O Estado de S. Paulo

Compartilhe

Leia também

Atentado contra Trump aponta riscos de uma moderação enfraquecida nas ‘big techs’

Atentado contra Trump aponta riscos de uma moderação enfraquecida nas ‘big techs’

falsoServiço Secreto não desautorizou disparo em autor de atentado contra Trump

Serviço Secreto não desautorizou disparo em autor de atentado contra Trump

não é bem assimReforma tributária não taxou em 25% todas as operações de compra e venda de imóveis

Reforma tributária não taxou em 25% todas as operações de compra e venda de imóveis