Vulnerabilidades em urnas citadas em vídeo de 2014 já foram corrigidas

Compartilhe

É falso que o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) não testou a segurança das urnas para as eleições de 2022 ou que as vulnerabilidades encontradas no sistema em 2012 ainda não foram corrigidas, como afirmam postagens (veja aqui). A alegação enganosa se baseia em um vídeo gravado em 2014 em que Diego Aranha, professor assistente de segurança de sistemas na Universidade de Aarhus, na Dinamarca, anuncia o projeto Você Fiscal, mas os problemas citados por ele na gravação já foram sanados pela Justiça Eleitoral.

As postagens enganosas circulam principalmente no Twitter, em que acumulam mais de 2.000 compartilhamentos, e também no WhatsApp, rede em que não é possível estimar o alcance.


Selo falso

Agora sim ! Com esse vídeo viralizando até sábado às 00:00/h . Duvido o TSE Fraudar as urnas. Mas o vídeo tem que viralizar. Senta o dedo rapaziada!!!! COMO VISCALIZAR AS URNAS

Um vídeo de 2014 em que o especialista em segurança digital Diego Aranha apresenta o projeto Você Fiscal circula nas redes fora de contexto para sugerir que há vulnerabilidades nas urnas e que o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) não realizou testes públicos de verificação de segurança para o pleito de 2022. Os problemas verificados por Aranha foram corrigidos posteriormente, e o último TPS (Teste Público de Segurança) foi realizado em novembro de 2021.

O ano de 2014 não é mencionado no vídeo, mas há indícios de que a gravação foi feita naquela época: a expressão “eleições 2014” aparece aos 35’’ (veja abaixo) e aos 1’41’’ do vídeo.

Em 2012, Aranha, que à época atuava como professor da UnB (Universidade de Brasília), comandou uma equipe que encontrou uma vulnerabilidade no sigilo do voto garantido pelo RDV (Registro Digital do Voto), espécie de tabela que registra aleatoriamente os votos computados pelos eleitores. Ao Aos Fatos, especialista confirmou neste sábado (1º) que as vulnerabilidades foram corrigidas, o que também está no texto publicado pelo TSE que detalha melhorias no sistema.

De fato, o tribunal não realizou o TPS em 2014, mas em 2012 e 2016. Diferentemente do que sugerem as postagens, foi feito um teste para o pleito de 2022, entre os dias 22 e 26 de novembro de 2021. O relatório final foi divulgado em março deste ano. O documento aponta melhorias em subsistemas e componentes do sistema eleitoral, mas não indica vulnerabilidades semelhantes às verificadas em 2012.

Além dessas alegações, Aranha afirma ainda no vídeo que “nem os programas nem os resultados são diretamente auditáveis pela sociedade”. Questionado por Aos Fatos, ele disse que a fase de transmissão/totalização dos resultados é plenamente auditável pela sociedade. As fases anteriores que envolvem o software de votação continuam com limitações importantes de transparência”.

De acordo com o TSE, há diversas formas de auditar os resultados de uma eleição, como o RDV, o log das urnas, as auditorias pré e pós-eleição, a verificação dos códigos-fonte, a lacração dos sistemas, o lacre físico das urnas, a identificação biométrica do eleitor, e a oficialização dos sistemas.

Criado em 2014 com a proposta de fiscalizar o resultado das eleições por meio da análise de fotos dos BUs (Boletins de Urna) enviados por usuários, o Você Fiscal funcionou durante o pleito daquele ano e foi desativado após as eleições de 2016. Atualmente, os eleitores podem fiscalizar os resultados através do aplicativo Boletim na Mão, do próprio TSE, que faz a leitura do QR Code disponível no boletim impresso pela urna da seção eleitoral.

Repercussão. Apesar de ter sido excluído do YouTube quando o projeto foi desativado, o vídeo de apresentação do Você Fiscal voltou a circular neste sábado (1º) em pelo menos 19 grupos de WhatsApp e 23 no Telegram monitorados pelo Radar Aos Fatos. Outras correntes ainda compartilharam o link para o site antigo do projeto, acompanhado de um texto que ataca a Justiça Eleitoral. "TSE Vergonha Nacional", diz a corrente compartilhada em quatro comunidades.

O vídeo descontextualizado também circulou nas redes durante as eleições de 2018, quando foi compartilhado pelo deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP). À época, o TSE divulgou uma nota afirmando que o projeto havia sido desativado.


Neste fim de semana, o Aos Fatos se uniu às iniciativas de checagem AFP Checamos, Boatos.org, Comprova, E-Farsas, Fato ou Fake e Lupa para verificar em conjunto a desinformação sobre as eleições.

Referências

  1. TSE (1, 2, 3, 4, 5, 6 e 7)
  2. Justiça Eleitoral
  3. Twitter

Compartilhe

Leia também

falsoÉ falso que X suspendeu perfil do ‘Globo’ após notícia sobre atentado contra Trump

É falso que X suspendeu perfil do ‘Globo’ após notícia sobre atentado contra Trump

Com demissões e sem ‘PL das Fake News’, 'big techs' aprofundam apagão de dados sobre moderação

Com demissões e sem ‘PL das Fake News’, 'big techs' aprofundam apagão de dados sobre moderação

Ações clandestinas da ‘Abin paralela’ realçam violências reais

Ações clandestinas da ‘Abin paralela’ realçam violências reais