🕐 Esta reportagem foi publicada há mais de seis meses

Vídeo que mostra descarte de alimentos na Ceagesp é antigo e sem relação com isolamento

Por Ana Rita Cunha

2 de abril de 2020, 18h44

Um vídeo que mostra toneladas de alimentos sendo descartadas na Ceagesp (Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo) tem sido compartilhado por publicações que afirmam que caminhoneiros tiveram que jogar fora a sua carga porque o governador de São Paulo, João Doria, determinou o fechamento do local (veja aqui). No entanto, além de o entreposto ser gerido pelo governo federal, as imagens foram gravadas no dia 11 de fevereiro, quando, devido a uma forte chuva que alagou a Ceagesp, os feirantes tiveram que descartar grande parte da mercadoria.

Segundo a Secretaria Especial de Comunicação de São Paulo, não houve restrição ao transporte de cargas e à venda de alimentos pela companhia. Por meio de nota, a Ceagesp também confirmou que tem operado normalmente no recebimento e escoamento de mercadorias.

Difundida no Facebook, a peça de desinformação acumulava mais de 16 mil compartilhamentos até a tarde desta quinta-feira (2). Todas as publicações foram marcadas com o selo FALSO na ferramenta de verificação desta última plataforma (saiba como funciona). A peça de desinformação também foi enviada por leitores do Aos Fatos no WhatsApp como sugestão de checagem (inscreva-se aqui).


FALSO

[João Doria] mandou fechar o Ceasa e os caminhoneiros estão jogando na rua toda a produção.

Publicações nas redes sociais enganam ao compartilhar como se fosse recente um vídeo que mostra toneladas de alimentos sendo descartadas na Ceagesp (Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo). Segundo as postagens, as frutas e legumes foram jogados fora porque o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), determinou o fechamento do entreposto, o que não é verdade. As imagens foram, na verdade, gravadas no dia 11 de fevereiro, quando os feirantes tiveram que descartar parte da mercadoria devido a uma enchente que alagou o local.

Na época do vídeo, não havia caso confirmado de Covi-19 em São Paulo — o primeiro foi em 26 de fevereiro — e nenhuma medida restritiva de circulação havia sido implementada no estado.

Além disso, tanto o governo de São Paulo quanto a Ceagesp, que é gerida, na verdade, pelo governo federal, informaram ao Aos Fatos que não houve interrupção no funcionamento do entreposto com a pandemia do novo coronavírus. Em nota, a assessoria de imprensa da companhia disse que ela “está operando normalmente para receber e escoar mercadorias” e que “inúmeras medidas estão sendo aplicadas para a prevenção e para que o abastecimento não seja prejudicado”.

Em algumas versões da peça de desinformação, o vídeo é acompanhado por texto ou áudio que cita o fechamento da Ceasa (Central Estadual de Abastecimento), que não existe mais em São Paulo desde 1969, quando se uniu à Cagesp (Companhia de Armazéns Gerais do estado de São Paulo) e se tornou a atual Ceagesp (Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo).

Narrativa de desinformação. O vídeo descontextualizado sobre o descarte de alimentos tem sido difundido em meio a uma narrativa adotada pelo presidente Jair Bolsonaro segundo a qual as medidas de isolamento recomendadas pelo Ministério da Saúde para combater a Covid-19 são muito rígidas e ignoram seu impacto econômico. Na última quarta-feira (1º), o presidente compartilhou outro vídeo fora de contexto que mostrava a Ceasa de Contagem (MG) vazia. Como o Aos Fatos mostrou, as imagens tinham sido gravadas na terça-feira (31) em um horário em que a Ceasa estava fechada para limpeza.

Referências:

1. Globo Rural
2. Aos Fatos


De acordo com nossos esforços para alcançar mais pessoas com informação verificada, Aos Fatos libera esta reportagem para livre republicação com atribuição de crédito e link para este site.

Usamos cookies e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade. Ao continuar navegando, você concordará com estas condições.